Sábado, 23 de setembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
El Niño a caminho  

13/04/2017 - Após o forte El Niño de 2015-16, que só perdeu em intensidade para o de 1997-98, esse aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico Oriental ameaça voltar e pôr em tumulto o clima mundial. No Brasil, pode prejudicar as safras e afetar até a taxa de inflação.

Não existe motivo para grande alarme —ainda. As medidas de temperatura no Pacífico indicam, no momento, neutralidade entre condições de El Niño e do fenômeno oposto, La Niña. Especialistas predizem, contudo, que há probabilidade acima de 50% de uma recidiva de El Niño.

Na Austrália, isso bastou para acionar um alerta nacional. Aquele país saiu de um verão escaldante, com temperaturas quase 3°C acima da média, e El Niños em geral acarretam secas no inverno e na primavera, além de verões quentes.

Por aqui, a anomalia climática costuma levar chuvas torrenciais à região Sul e estiagens acentuadas ao Nordeste e a partes da Amazônia. A perturbação do ciclo de chuvas pode atrapalhar a safra de grãos, tanto aqui quanto noutros grandes produtores agrícolas.

A queda nos preços agrícolas a partir de setembro do ano passado teve forte influência da melhoria nas condições climáticas. A inflação acumulada em 12 meses caiu de 8,5%, naquele mês, para 4,8%, e 2 desses 3,7 pontos percentuais de decréscimo foram obtidos com o recuo de preços de alimentos.

Mesmo no advento de novo El Niño, o estrago pode não ser acentuado, porém. As safras deste ano estão batendo recordes e permitiram a recomposição de estoques, situação diversa da de dois anos atrás.

Mesmo que não cause oscilações acentuadas nos preços das commodities agrícolas e, por consequência, na taxa de inflação, a reedição de El Niño ainda implicaria más notícias para o Brasil.

O semiárido nordestino foi castigado por cinco anos sucessivos de uma seca acentuada. O prolongamento da estiagem será dolorosamente sentido na região mais pobre do Brasil, que já sofreu de maneira mais intensa que o restante do país os efeitos da brutal recessão dos últimos anos.

Além disso, uma diminuição das chuvas na Amazônia torna a floresta mais inflamável, facilitando o desmatamento —que já teve avanço nos dois anos anteriores, de quase 8.000 km² só em 2016.

Editorial
Fonte: Folha de S. Paulo
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
22/09/17 - Dólar cai ante real com exterior após tensão por Coreia do Norte
  - Primavera começa nesta sexta-feira com calor e tempo seco
  - Chuva vem com força em Outubro e garante plantio da safra
  - Sem definição, governo fará enquete sobre fim do horário de verão
  - Conheça as vantagens do etanol
  - Clima: Primavera começa nesta 6ª com previsão de chuvas mais intensas no Mato Grosso, aponta Inmet
  - Frente fria na semana que vem promete aliviar seca nas lavouras
  - PLD se mantém no valor máximo de R$ 533,82/MWh em todos os submercados
  - Comissão aprova punição mais rigorosa para quem cometer infração ambiental
  - Projeção de IPCA de 2017 passa de 3,7% para 3,5% em relatório do Orçamento
  - La Niña deverá trazer chuvas para o PR
  - Reservatórios do Sul operam com 40,7% da capacidade
21/09/17 - RenovaBio Já!
  - Cultivo de cana em áreas de pastagens melhora a qualidade do solo, diz pesquisador
  - Paris quer ser a primeira metrópole sem carros até a Olimpíada de 2024
20/09/17 - NY é a primeira cidade a exigir que edifícios reduzam emissões de gases de efeito estufa
19/09/17 - Grandes petroleiras conseguem avanços na redução da poluição
  - Governo convoca comitê do setor elétrico por preocupação com falta de chuvas
  - Incêndio no domingo segundo se conclui foi criminoso e acarretou sérios danos materiais e ambientais
18/09/17 - Comunidade em Pariconha, AL, constrói casas de tijolos feitos com cinzas do bagaço da cana-de-açúcar
  - RenovaBio: chegou a vez do etanol
  - Desafio do design de embalagens é reduzir a sua pegada ambiental
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
El Niño a caminho
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/