Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Energia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Energia solar ainda engatinha  

18/07/2017 - A energia solar avança no Brasil, mas já não com o mesmo fôlego. Nos últimos 12 meses, a instalação de micro e minigeradores (painéis em casas, condomínios e hospitais, por exemplo) de energia solar fotovoltaica cresceu 200%.

Assim medido, é número que pode impressionar. Mas não deve enganar ninguém, porque provém de base de comparação muito baixa. Até junho do ano passado, havia 4 mil conexões no Brasil. Hoje são 12 mil, ainda uma insignificância diante do potencial.

Vários obstáculos seguem dificultando o avanço da novidade no País e convém examiná-los melhor. Nos últimos dez anos, os custos de instalação caíram, no mundo, em cerca de 80%. O impacto no Brasil é mais baixo em consequência da elevada carga tributária sobre componentes, o que tira competitividade desse tipo de geração por aqui. Por exemplo: o inversor solar (fotovoltaico), que é um conversor de corrente elétrica, chega a custar até 50% mais no Brasil pela incidência de impostos, como aponta Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

O segundo entrave é a escassez de crédito. Os bancos privados, em geral, limitam-se a financiar iniciativas de pessoas físicas, mas a juros altos demais. Entre os bancos públicos, só o Banco do Brasil oferece linha de crédito específica mas, ainda assim, apenas para a área rural. Não dá para deixar de fora o BNDES, embora este não atenda o produtor/consumidor, mas apenas o fornecedor de componentes. Em junho deste ano, o banco ampliou a linha de crédito à indústria de energia solar fotovoltaica, providência que ainda não teve tempo para produzir resultados.

O terceiro obstáculo, não menos importante, é a falta de uma cultura adequada para encarar a mudança. Ainda subexiste a ideia de que os custos são muito altos e a de que o retorno do investimento é demorado demais.

A instalação de painéis fotovoltaicos para o consumo de uma residência de quatro pessoas está orçada hoje em torno de R$ 12 mil, investimento que se paga em cerca de cinco anos, prazo já bem inferior ao que prevalecia há dez anos.

A falta de uma política de esclarecimento perpetua a impressão de que a energia solar continua cara demais também aos consumidores de maior porte.

Ainda mais grave é o fato de que os formuladores de políticas públicas continuam com a cabeça no passado. É o que o professor da Universidade de Brasília (UnB) Rafael Amaral Shayani quer dizer quando observa que "o pensamento energético brasileiro não sai das hidrelétricas e das termoelétricas". A energia solar não entra em leilões com contratos de oferta de longo prazo desde novembro de 2015, embora o Ministério de Minas e Energia tenha indicado que, até o fim deste ano, alguma novidade possa acontecer.

Na contramão, a recessão que decorre do ajuste fiscal do governo também diminuiu a demanda por reserva de energia. Sem novos leilões, os investimentos públicos em energia solar também podem diminuir.


Confira:

Isenção do ICMS


Desde 2015, boa parte dos Estados brasileiros isenta a micro ou minigeração. As exceções são Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Amazonas e Amapá.


Construção Civil

Além das construções de alto padrão, habitações de interesse social começam a ser entregues com painéis de energia solar. Desde o começo do ano, o governo de São Paulo entregou 26 conjuntos habitacionais com tal estrutura.


Novidade


Na Alemanha, referência em energia solar, foi desenvolvido um tipo de concreto capaz de produzir energia pela luz solar. Cada m2 pode gerar até 20 watts.


Potencial

Só com a geração centralizada, a energia solar fotovoltaica no Brasil tem potencial de produzir 28.519 gigawatts. Na geração distribuída (residencial), são mais 164 GW. A fonte hídrica tem 172 GW de pote.

16/07/17
Celso Ming, Raquel Brandão e Monique Heemann

Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
21/02/18 - Capacidade instalada de energia eólica encosta na de Itaipu
  - Tradener pode importar gás natural até fevereiro de 2020
  - Projeto permitirá que clientes saibam o consumo elétrico de eletrodomésticos
  - Aneel homologa construção de 4.919 km de linhas de transmissão de energia
  - RenovaBio permite aproveitamento energético de aterros sanitários
20/02/18 - Fitch atribui rating `AAA (bra)´ para Aliança Geração
  - Leilão de distribuidoras da Eletrobras movimenta mercado, dizem especialistas
  - Falta de luz: saiba o que fazer em caso de prejuízos
19/02/18 - Parque solar com 330 mil painéis inicia operação na Bahia
09/02/18 - Com seis usinas, parque eólico inicia operação na Bahia
07/02/18 - Descarbonização: O clima e a saúde agradecem
  - RenovaBio: Política de biocombustíveis vai criar nova moeda
06/02/18 - Aneel adota sistema de notificação eletrônica em seus processos
  - Usina solar em São Paulo já pode começar operação comercial
29/01/18 - Bandeira tarifária de fevereiro será verde
09/01/18 - Pesquisadores identificam gene que pode aumentar eficiência na produção de etanol
02/01/18 - Bioplásticos ameaçam sonho de expansão de petroleiras
20/12/17 - Biomassa: Retorno dos leilões de energia é positivo, mas é preciso continuidade
12/12/17 - A importância dos leilões para retomar a expansão da bioeletricidade
11/12/17 - Sinergia para tornar os biocombustíveis estratégicos no Brasil
05/12/17 - Brasil aproveita somente 14% do potencial técnico da bioeletricidade sucroenergética
16/10/17 - O desafio constante do aumento de produtividade e eficiência industrial nas usinas
13/10/17 - Potencial da bioeletricidade é superior à importação de energia pelo Estado de São Paulo
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Energia solar ainda engatinha
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/