Domingo, 20 de agosto de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Energia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Brasil tem todas as condições para ser referência mundial em energias renováveis, afirmam especialistas  

02/08/2017 - O Brasil é incrível no aspecto energético, e devemos caminhar para a nossa sustentabilidade. A afirmação foi feita pelo secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Alvaro Prata, durante o seminário "O Mundo, o Brasil e as energias renováveis: eólica e solar", realizado nesta quinta-feira (27), em Brasília. A declaração do secretário foi reforçada pelos palestrantes durante o evento. De acordo com dados apresentados por eles, o Brasil é hoje a 9ª economia mundial em capacidade de geração de energia eólica.

"Ultrapassamos a Itália no ano passado. Somos o quinto país que mais investiu em energia eólica no ano passado, cerca de R$ 18 bilhões. O Brasil tem o melhor vento do mundo para produção de energia eólica, segundo especialistas do setor", afirmou a presidente-executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum.

Ela acrescentou que a capacidade do país "é altíssima" e acima da média mundial. "O Brasil figura como o terceiro país mais atrativo em investimentos no setor de fontes renováveis, sendo a eólica a principal protagonista. Hoje, o país tem 11,6 gigawatts de capacidade instalada. Somos uma usina de Belo Monte em capacidade e em geração de energia. A diferença é que essa usina está espalhada pelo Nordeste brasileiro e demais regiões do país", disse.


Bons ventos e muito sol

Segundo Gannoum, a média de aproveitamento da matriz eólica em países desenvolvidos fica em torno de 23%, enquanto, no Brasil, é de 38%. "Mas também chegamos à situação excepcional muito acima dessa média", afirmou o secretário Prata, referindo-se à capacidade eólica de estados brasileiros, como o Piauí. "Lá, o aproveitamento da energia eólica é de 70%, ou seja, a perda é de apenas 30%. Na Europa, a eficiência do aproveitamento fica em torno dos 30%. É muito difícil conseguir aproveitar porcentagem tão alta de uma energia que vem para nós de graça. O vento está aí."

O vento e o sol. De graça ou quase de graça. O presidente-executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Lopes Sauaia, apresentou dados que comprovam a redução dos valores cobrados pela comercialização da energia solar fotovoltaica em alguns países, que podem chegar a US$ 30 o megawatt/hora. "Isso é mais barato que o carvão mineral, considerado custo mais baixo do mundo. Especialistas apontam que essa fonte será, a partir de 2030, uma das mais baratas para geração de energia elétrica do planeta e vai ser tornar fonte do nosso cotidiano", explicou.

Segundo ele, o uso das energias renováveis é uma oportunidade econômica. "As fontes renováveis já geram por volta de 10 milhões de empregos de qualidade no mundo. A energia solar sozinha é responsável por mais de 3 milhões de empregos no planeta. Esse é um potencial que nosso país precisa aproveitar. São empregos de qualidade, majoritariamente, de nível técnico e superior com salários acima da média nacional. O volume de empregos gerados pela fonte fotovoltaica é significativo: na faixa de 25 a 30 empregos diretos por megawatts instalado, o que faz dessa fonte uma locomotiva da geração de empregos", observou.

Na Alemanha, de acordo com Sauaia, já são mais de 300 mil empregos no setor. "É uma decisão econômica do Brasil. Existe uma grande oportunidade de grande prazo e o país tem todas as condições de se tornar referência mundial", acrescentou. No setor eólico não é diferente, a cada ano são gerados no país cerca de 40 mil postos de trabalho. No ano passado, a energia eólica cresceu 46% e colocou milhares de pessoas no setor produtivo gerando renda."

Nesse sentido, a diretora de projeto da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ, na sigla em inglês), Tina Ziegler, defendeu que o país valorize o setor, observando as condições naturais privilegiadas do território nacional. "O Brasil tem uma radiação muito boa para energia solar, é muito privilegiado. Diversificar a matriz energética brasileira pode gerar muitos empregos e renda para o país".

O secretário Prata está de acordo. "Mais e mais temos que fazer uso intensivo e inteligente da energia solar e das nossas fontes renováveis. Temos essas matrizes com muita abundância. Caminhemos para a sustentabilidade".

31/07/17
Fonte: MCTIC
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/08/17 - Chuva pode impactar produtividade do algodão
  - A energia brasileira
  - Dólar passa por correção e cai ante real, monitorando negociações para andamento das reformas
  - Ministério de Minas e Energia divulga Boletim de Combustíveis Renováveis de março/abril
  - PLD recua 3% para R$ 505,61/MWh em todos os submercados
  - Como as mudanças climáticas vão mudar o mundo dos negócios e o mercado de trabalho
  - Retrocesso ambiental deve pôr Temer em saia-justa em conferência da ONU
  - Preços dos fretes rodoviários devem continuar elevados
  - ONS eleva previsão de chuva em hidrelétricas do Sudeste; reduz estimativa de carga
  - Governo publica MP com nova tributação do setor de petróleo
17/08/17 - Tesla cria pequena casa móvel 100% abastecida por energia solar
16/08/17 - Petroleiras se unem ao Vale do Silício e apoiam energia verde
  - Poluição altera hormônio do estresse e muda metabolismo, mostra pesquisa
  - Orlando vai produzir somente energia renovável a partir de 2050
11/08/17 - O desafio de nossa geração
  - Senai mostra em MS benefícios de investimento empresarial em energia solar
10/08/17 - Governo deixa fonte solar de fora de um dos leilões de energia de 2017
07/08/17 - Primeiro navio 100% elétrico deve ser lançado em 2018
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Brasil tem todas as condições para ser referência mundial em energias renováveis, afirmam especialistas
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/