Domingo, 22 de julho de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Energia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Fundições movidas a energia hidrelétrica cobram preços mais altos por alumínio "verde"  

03/08/2017 - Os produtores de alumínio "verde" - feito com energia renovável em vez de combustíveis fósseis - estão começando a cobrar preços com prêmio graças à crescente demanda de clientes industriais sob pressão para reduzir a pegada de carbono.

Operadores de fundições movidas a energia hidrelétrica em países como Noruega, Rússia e Canadá estão promovendo suas credenciais ambientais - e estão tendo vantagens em relação a outros que dependem de carvão ou gás, principalmente na China e no Golfo.

A vantagem competitiva não está no próprio metal, mas no fato de que sua produção exige muito menos emissões de gases de efeito estufa, incluindo o dióxido de carbono.

Embora não utilizem o termo alumínio "verde", vários produtores oferecem garantias de baixa pegada de carbono em seu metal, mas se recusam a dizer quanto a mais eles cobram por isso, além de dizerem que os prêmios são relativamente modestos.

Aqueles com a acesso a grande capacidade hidrelétrica, como a norueguesa Norsk Hydro, a Alcoa, sediada nos Estados Unidos, e a russa Rusal e a Rio Tinto acreditam que a maré está virando a seu favor.

A pressão para produzir o metal com baixa emissão de carbono está aumentando de todos os lados, disse a vice-presidente sênior da Norsk Hydro, Kathrine Fog. "Nós vemos isso vindo do mercado, dos nossos clientes, acionistas, mercados financeiros, ONGs, você nomeia", acrescentou. "Isso significa que, no final, isso afetará o lucro".

A obtenção de alumínio a partir de minério de bauxita requer grandes quantidades de eletricidade, o que torna a fonte de energia de uma usina na maior responsável pelo volume total de emissão de gases de efeito estufa, em vez do próprio processo de fundição.

Produzir uma tonelada de alumínio em usinas que usam energia gerada pela queima de carvão, principal fonte para a China e a Austrália, libera até 18 toneladas de CO2 equivalente.

Para as usinas a gás no Oriente Médio, a cifra é entre cinco e oito toneladas, mas para aqueles que operam em energia hidrelétrica, é ainda mais baixa, de apenas cerca de duas toneladas de CO2 equivalente.

A Rio Tinto já está vendendo alumínio RenewAl com garantia de quatro toneladas ou menos de CO2 equivalente. A Alcoa lançou uma linha de produtos chamada Sustana no ano passado, que inclui o alumínio Ecolum, oferecendo menos de 2,5 toneladas - muito abaixo da média da indústria, de cerca de 11 toneladas.

Ambas as empresas cobram dos clientes um prêmio pelo metal. "Estamos vendo que, sim, eles estão absolutamente dispostos a pagar por isso", disse o presidente-executivo da Rio Tinto Aluminium, Alf Barrios.

A Rio Tinto não divulgou números de vendas ou o tamanho do prêmio, mas disse que o RenewAl adicionou 6 milhões de dólares no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) no ano de seu lançamento em 2015, e as vendas estão crescendo.

A Rusal, que produz alumínio aproveitando os sistemas fluviais da Sibéria, disse que não cobra prêmio, mas os clientes, no entanto, preferem o metal das fundições hidrelétricas. A empresa pretende usar exclusivamente energia de baixa emissão de carbono até 2020, acima de 95 por cento atualmente.

Peter Hobson e Katya Golubkova
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/07/18 - Dólar despenca e tem maior queda semanal em 5 meses, abaixo de R$3,80
  - Soja tem mais um pregão estável na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira com traders cautelosos
  - ONS vê alta de 4,1% na carga de energia em julho
  - Energia elétrica impulsiona inflação oficial na prévia de julho
  - Níveis caem 0,2% no Norte reservatórios operam abaixo de 70%
  - Agronegócio é o setor mais impactado pelo tabelamento de fretes, diz Cepea
  - Estamos "prontos" a impor tarifa sobre todas as importações da China, diz Trump
  - Carga tem aumento de 0,9% em junho, aponta ONS
  - GSA pede o fim de subsídios ao açúcar na Índia e no Paquistão
  - Com cenário externo e ´Centrão´, dólar recua mais de 2%, a R$ 3,75
  - Milho: Mercado inicia pregão desta 6ª feira em alta e estende ganhos dos últimos dias na CBOT
  - Projeções de Longo Prazo Continuam Favoráveis ao Agro Brasileiro
  - Ibovespa sobe numa reação positiva à aliança do Centrão com Alckmin
  - Comercialização da safra de soja na Argentina atinge 72% da produção estimada
19/07/18 - Níveis abaixam no Nordeste e reservatórios operam com 36,2%
  - Governo extingue concessões de oito termelétricas da Energisa Mato Grosso
  - A partir de 2020, toda residência construída na Califórnia deve ser equipada com energia solar
  - Centro histórico de Londres funcionará com 100% de energia renovável
16/07/18 - Energia solar fotovoltaica atinge marca histórica de 300 MW
12/07/18 - Petrobras verde? Petroleira vai investir em energia limpa
10/07/18 - Enzima que converte biomassa em bioprodutos é identificada
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Fundições movidas a energia hidrelétrica cobram preços mais altos por alumínio "verde"
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/