Quinta-feira, 17 de agosto de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Energia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Governo deixa fonte solar de fora de um dos leilões de energia de 2017  

10/08/2017 - O Ministério de Minas e Energia (MME) anunciou na segunda-feira (7) que realizará dois leilões para contratar energia nova no final de 2017, incluindo renováveis como hidrelétrica, solar fotovoltaica, eólica, biomassa, além de fontes fósseis, como termelétricas a gás e a carvão. É o primeiro certame desde dezembro do ano passado.

O anúncio do leilão mostra uma mudança de planos por parte do governo. No final do ano passado, o ministério cancelou um leilão de energia de reserva e passou a considerar a opção de descontratar projetos de energia já em andamento. Na época, o governo dizia que não havia a necessidade de novos projetos, já que a crise econômica reduziu a demanda por energia.

O anúncio dos novos leilões foi bem recebido pelo setor de energias renováveis, mas há uma reclamação da indústria solar fotovoltaica - a solar só poderá participar de um dos leilões, não dos dois, diferentemente de usinas a biomassa ou eólica.

Os leilões são definidos pela data de início do projeto contratado. O primeiro, chamado de A-4, é para projetos que vão entrar em operação daqui a quatro anos, ou seja, em 2021. A solar pode participar deste, junto com as outras fontes renováveis, mas não do outro, o A-6, para projetos que entrarão em operação em 2023.

A assessoria do MME informou à reportagem que a fonte solar só é compatível com projetos de curto prazo, classificados como A-3 ou A-4. Por isso, ficou de fora do segundo leilão. Essa tese é contestada pelo setor. Segundo Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), a indústria já participou de contratações com prazo de cinco anos, como em um leilão A-5 em 2013. Logo, poderia também participar de um A-6.

Segundo Sauaia, essa situação deixa a indústria solar em desvantagem em relação a outras fontes de energia. Isso acontece por conta do cenário econômico do país. Quem define a quantidade de energia a ser contratada são as empresas distribuidoras de energia. Com a crise, as empresas podem considerar uma menor demanda no curto prazo e uma maior para daqui a seis anos. Logo, os melhores contratos estão previstos justamente para o A-6.

"A solar já foi prejudicada em 2016 com o cancelamento dos leilões de reserva. Deixar ela de fora novamente pode atrapalhar o desenvolvimento da indústria no país", diz Sauaia. "E como a indústria solar fotovoltaica lidera a redução de custos, impedir a participação pode significar prejuízo para o consumidor, que acabará consumindo uma energia mais cara."

A indústria solar fotovoltaica cresce com velocidade no mundo todo graças a uma forte redução no preço dos painéis. No Brasil, a quantidade de usinas centralizadas, como as que poderão ser contratadas no leilão, é ainda pequena. O crescimento tem ocorrido principalmente na forma de geração distribuída - a instalação de painéis solares nos telhados de famílias e comércios no país, que não dependem dos leilões promovidos pelo ministério.

Bruno Calixto
Fonte: Blog do Planeta
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
17/08/17 - Diana Bioenergia realiza Dia de Campo com colaboradores de diversos setores
  - Atividade econômica do Brasil tem expansão de 0,25% no 2º tri, aponta BC
  - Tesla cria pequena casa móvel 100% abastecida por energia solar
  - EPE elabora FAQ sobre leilões A-4 e A-6
  - 5 estratégias que podem tornar o Brasil um exportador de energia
  - Alta do diesel gera impacto de R$ 294,8 mi no agronegócio do MT
  - Reservatórios do Nordeste operam com 13,9% da capacidade
  - Governo promete pavimentar BR-163 até Miritituba até o final de 2018
  - Vendas de fertilizantes caem 0,7% em julho
16/08/17 - Orlando vai produzir somente energia renovável a partir de 2050
11/08/17 - O desafio de nossa geração
  - Senai mostra em MS benefícios de investimento empresarial em energia solar
07/08/17 - Primeiro navio 100% elétrico deve ser lançado em 2018
03/08/17 - Alemães criam carro elétrico movido a energia solar
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Governo deixa fonte solar de fora de um dos leilões de energia de 2017
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/