Quinta-feira, 18 de janeiro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Cana-de-açúcar Aumentar a letra    Diminuir a letra
Cinza da cana-de-açúcar é transformada em sílica para indústrias  

08/09/2017 - A sílica gel e a nanosílica de alta pureza são dois materiais, na forma de um pó branco, com inúmeras aplicações na indústria, como tintas, pneus de carro, cerâmicas, revestimentos, filtros de água, agentes desumidificantes e desidratantes para alimentos e medicamentos. No entanto, a obtenção da sílica industrial a partir da areia pode causar impacto ambiental. Para reduzir os danos ao meio ambiente, em uma pesquisa realizada no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), associado à USP, foi desenvolvida técnica para obter sílica a partir das cinzas de biomassa de cana-de-açúcar, o que também agrega valor a um resíduo hoje gerado em grande quantidade pela indústria sucro-alcooleira.

O projeto intitulado Produção de Sílica Gel e Nanosílica de Alta Pureza a partir de Cinzas da Biomassa de Cana-de-Açúcar com Alto Potencial de Comercialização recebeu o Prêmio Kurt Politzer de Tecnologia 2016, oferecido pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), na categoria Pesquisador. "A sílica produzida pela indústria é extraída da areia por meio de um processo que usa temperaturas superiores a 1.000 graus Celsius", afirma a química e professora Denise Alves Fungaro, que coordenou a pesquisa. "Além de retirar a areia do meio ambiente, degradando um recurso natural, o processo industrial exige um grande gasto de energia."

As cinzas de biomassa de cana-de-açúcar são produzidas na queima do bagaço, um resíduo da produção de açúcar e álcool, que deve ser disposto no meio ambiente de forma controlada. "Normalmente, o bagaço é queimado para gerar energia nas usinas, só que as cinzas que sobram do processo não são reaproveitadas para produção de produtos, sendo colocadas no solo com outros resíduos industriais, como a torta e o vinhoto", aponta a química. "A princípio, essa utilização dos resíduos funcionaria como fertilizante para o solo, mas as cinzas possuem nutrientes escassos com baixa dissolução, não sendo muito eficientes para essa função. Além disso, a toxicidade do resíduo também não é avaliada."

O interesse em estudar a obtenção de sílica das cinzas do bagaço de cana veio da experiência do grupo de pesquisa do Ipen com cinzas de carvão mineral, um resíduo que pode ser transformado em materiais com alto valor agregado, por ser fonte de sílica e alumina. "Estudos relatados na literatura apontaram que as cinzas de biomassa de cana-de-açúcar possuem, no mínimo, 60% de sílica. Esse fato, aliado à grande produção de cana-de-açúcar no Brasil, gerando esse resíduo muito abundante e não aproveitado, deu início a essa linha de pesquisa", conta Denise. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a estimativa de produção para a safra 2016/2017 era de 684,77 milhões de toneladas de cana. Cada tonelada gera de 250 a 270 quilos (kg) de bagaço, cuja queima com as palhas e pontas (mais 200 kg por tonelada) resulta em 1% a 4% de cinzas.


Pureza

No processo desenvolvido na pesquisa, as cinzas primeiro são submetidas à fusão com hidróxido de sódio a 500° C. "Em seguida, para obtenção da sílica em pó, a mistura fundida passa por um refluxo de água até que todo o silicato de sódio esteja dissolvido e por fim é adicionado um ácido para precipitar a sílica", relata a química. "Ao final, são obtidas sílica gel e nanosílica de alta pureza (acima de 99%), dois produtos com granulometria diferente, na forma de pó de cor branca, condição necessária para o seu aproveitamento pela indústria."

Além do aproveitamento do resíduo, a técnica para obtenção da sílica utiliza uma fonte renovável (a biomassa da cana) como matéria-prima. "Como a fusão é feita a uma temperatura mais baixa do que no processo industrial tradicional, há um menor gasto de energia, além de otimizar o consumo de água", ressalta Denise. "Também não é preciso dispor de aterros para o descarte adequado do resíduo."

Após a premiação, a técnica desenvolvida teve a patente depositada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). "A nanosílica é um material com grande potencial de comercialização devido às suas diversas aplicações industriais", observa Denise. "A ideia é fazer com que o processo seja conhecido e adotado por empresas, em especial as indústrias do setor sucro-alcooleiro."

O prêmio, oferecido pela Abiquim, tem como objetivo principal estimular a pesquisa e a inovação na área química no âmbito nacional, reconhecendo projetos de inovação tecnológica na área de química que demonstrem a inventividade e a criatividade de empresas e pesquisadores. A pesquisa teve a participação das pós-doutorandas do Ipen, cuja pós-graduação é vinculada à USP, professoras Luciana Cavalcanti de Azevedo e Suzimara Rovani. A professora Denise foi indicada pelo reitor Marco Antonio Zago para compor o Conselho Deliberativo do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP a partir de setembro.

06/09/17
Júlio Bernardes
Fonte: Jornal da USP
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
17/01/18 - Indústria paulista fecha 35 mil vagas em 2017, menor patamar desde 2011
  - Processadores de açúcar da Índia reduzem próprias margens para cumprir com pagamento a produtores
  - Produção industrial dos EUA sobe 0,9% em dezembro ante novembro
  - Veja a previsão do tempo para esta quarta-feira (17) em todo o Brasil
  - Para Aneel, geração de energia solar pode dobrar; hidrelétrica também crescerá
  - Tecnologia ajuda no aumento da produção agrícola e na preservação
  - Análise Datagro: Preços mais atrativos impulsionam produção de etanol no Norte-Nordeste
  - Região Sudeste deve produzir mais da metade do açúcar e etanol do País na safra 2017/2018
  - Entrada de dólares supera saída em US$ 1,863 bi no ano até 12 de janeiro, diz BC
  - Porto de Itaqui movimenta 19,1 mi de t em 2017, com destaque para grãos
  - Setor de etanol diz que fala de Maggi sobre taxa de importação cria insegurança jurídica
  - Nova fase Programa do Luz para Todos beneficiará 40 mil pessoas em Alagoas
  - Dólar segue exterior, abandona alta e cai a R$3,21
  - Soja trabalha em Chicago com leves baixas na manhã desta 4ª feira ainda à espera de direção
  - Balança registrou superávit de US$ 67 bilhões em 2017, revela Icomex da FGV
  - PIB deve crescer 0,3% em novembro, estima FGV
16/01/18 - Tailândia elimina controle de preços do açúcar para resolver disputa com Brasil na OMC
  - Chuva prejudica colheita em regiões do PR, MT e BA
12/01/18 - Defensivos: Embrapa e Bayer pesquisarão resistência de plantas daninhas em clima tropical
11/01/18 - Excesso de chuva prejudica lavouras de soja em MT
  - NOAA: Serviço de meteorologia dos EUA prevê chances de 85% a 95% de La Niña
16/11/17 - Contabilidade que medirá o desempenho ambiental do RenovaBio, para crédito de descarbonização, será
  auditada e certificada
  - COP23: São Paulo no clima
09/11/17 - Biomassa como energia sustentável
  - Setor quer cana com maior capacidade de produção de biomassa
08/11/17 - RenovaBio precisa de aprovação urgente como foi a retomada do Pré-Sal; dívidas das usinas por anos
  de crise preocupam
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Cinza da cana-de-açúcar é transformada em sílica para indústrias
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/