Sábado, 20 de janeiro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Etanol Aumentar a letra    Diminuir a letra
Estudo defende viabilidade do etanol de milho em Mato Grosso  

13/09/2017 - A depender das condições de cada região do Estado, a produção de etanol a partir do milho em Mato Grosso pode ser feita de forma individual ou integrada com a com cana-de-açúcar e com pecuária. Pode beneficiar também o segmento de florestas plantadas, especialmente de eucalipto, no fornecimento de biomassa para a atividade nas usinas que processam o biocombustível.

É o que aponta um levantamento sobre o mercado e cadeias produtivas de etanol de milho apresentado nesta terça-feira (12/9) pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), segundo o qual há possibilidade de ganhos econômicos na produção do combustível. O trabalho foi feito em parceria com o Agroícone com a consultoria Stracta durante um ano e meio. Envolveu seis usinas e entrevistas com pelo menos 70 pessoas.

Os pesquisadores percorreram 11 municípios, onde visitaram produtores, órgãos públicos e associações de classe ligadas ao agronegócio. Com base em informações sobre a produção e indicadores de viabilidade, a pesquisa sugere modelos de negócio considerando diferentes perfis de investidores e diferenças regionais. A produção de etanol é vista por especialistas e lideranças como uma forma de elevar o consumo interno do milho em Mato Grosso agregando valor através da industrialização.

Na temporada 2016/2017, com a recuperação do rendimento no campo, a estimativa do Imea é de uma produção de 30,45 milhões de toneladas do cereal. O volume é 59,4% maior que o estimado para a safra 2015/2016. Nos últimos cinco anos, a safra do cereal no Estado - que lidera a produção nacional - cresceu 65,1%. Até 2025, devem sair das lavouras mato-grossenses 38 milhões de toneladas. Do produzido atualmente, 15% são consumidos no mercado interno.

Em 2016, as usinas fabricaram 1,22 bilhão de litros de etanol. O volume de hidratado, 696,21 milhões de litros, foi quase todo demandado no Estado. No anidro, a maior parte dos 524,4 milhões de litros foi para outros mercados.

Para defender a viabilidade da produção do combustível a partir do milho no Estado, a pesquisa considera não apenas um cenário de contínuo aumento na produção do cereal. Avalia também uma perspectiva de aumento na demanda por etanol no mercado brasileiro e insuficiência de oferta nos próximos anos.

O estudo menciona dados da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), segundo os quais a frota nacional de automóveis deve chegar a 44,7 milhões de veículos até 2025. E também da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para quem deve haver um déficit de mais de 23 bilhões de litros do combustível até 2030.

Especificamente em Mato Grosso, há também expectativa de aumento na produção de carnes bovina, suína e de frango. Até 2025, pode chegar a 3,5 milhões de toneladas, estima o Imea. Outro estímulo ao etanol de milho, já que seu subproduto, o DDG, pode ser utilizado como insumo para ração animal, também agregando valor ao uso do cereal.

"As cadeias produtivas estão aqui. Há pessoas querendo investir, mas esse processo tem que ser viável economicamente", argumentou o responsável pela apresentação do trabalho, Paulo Ozaki, gestor de projetos do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária.

A partir dos resultados, o Imea definiu quatro modelos de arranjo produtivo. O chamado de Focado, utiliza milho em usina full, que processa etanol apenas com o cereal. O Sinérgico também adota esse tipo de usina, integrando milho com a pecuária. O modelo Híbrido utiliza usina flex, com milho e cana. E o completo tem usina flex e une milho, cana e pecuária.

O estudo pondera que a logística do combustível em relação a grandes centros consumidores pode ser um entrave. Mesmo assim, considera viáveis as estruturas de produção de etanol de milho em Mato Grosso, desde que bem estruturadas, com possibilidade de geração de empregos e emissão quase 70% menor de gases de efeito estufa nas áreas produtivas.

A depender da região, o retorno pode ser obtido entre seis e oito anos, de acordo com os modelos e o tamanho do investidor (produtor individual, grupo de produtores, cooperativas e grandes investidores). O cálculo de viabilidade econômica considera um preço do milho entre R$ 26 e R$ 36 a saca e etanol entre R$ 1,30 e R$ 1,77 o litro.

"É um fator importante na tomada de decisão do projeto: analisar as particularidades da região. Esse estudo tem que ser ainda mais focado para não fazer investimentos infundados e ter que fechar as portas no futuro", recomendou Ozaki.

Também presente na apresentação, o presidente do Sistema Famato, Normando Corral, avaliou o etanol de milho como importante incentivo à industrialização. "É importante que se faça o etanol de milho para incentivar a industrialização do Estado de Mato Grosso através da agroindústria. Esse trabalho tem a intenção de induzir e atrair investimento", defendeu.

O conselheiro da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Glauber Silveira, defendeu a conciliação do etanol de milho e de cana-de-açúcar. Mas disse acreditar que o combustível do cereal vai superar o que usa a gramínea como matéria-prima no Estado. "Temos biomassa, clima. Temos que buscar mercados, mas, se não produzir, não vai ter", disse.

Raphael Salomão
Fonte: Revista Globo Rural
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/01/18 - Arábia Saudita eleva exportação de refinados para compensar cortes em petróleo
  - Índice de investimentos de empresas caiu 0,7% de outubro para novembro, diz Ipea
  - Movimento do comércio sobe 1,5% em 2017, revela Boa Vista SCPC
  - Dólar recua em meio à espera de votação no Senado dos EUA
  - Taxas futuras de juros recuam com dólar
  - Confiança da indústria cresce pelo 6º mês e é a melhor desde abril de 2011
  - Embrapa, uma empresa da sociedade brasileira
  - Logística: Agricultores da Bahia recuperam cerca de 220 km de estradas em 2017
  - Colheita do milho atinge 14% da área no Rio Grande do Sul
  - Produção de açúcar da Índia faz preços da commodity caírem em Nova York
  - Preços do etanol no Brasil em alta abrem janela para importação dos EUA
  - Indústria de açúcar da Índia eleva estimativa de produção em 4%, para 26,1 mi t
  - Chuvas irregulares preocupam produtores no RS
  - Esqueça petróleo: Sauditas miram energia renovável na Am. Latina
  - Liquidações financeiras de energia nuclear e cotas somam R$ 839,5 mi, diz CCEE
  - Disponibilidade de turbinas de Itaipu chegou a 97,10% em 2017
  - Agronegócio: Saldo da Balança Comercial sobe 3,7% e fecha 2017 em US$ 13,9 bilhões
  - Agronegócio: Uma Máquina de Geração de Renda ao Brasi
  - Preço do gás para indústria e comércio já acumula alta de 34%
  - País busca produzir de maneira mais sustentável, diz ministro da Agricultura
  - Governo estuda mudanças em programas de seguro e subvenção a produtores rurais
  - Afetada por chuvas e geada, safra de cana 17/18 em MS deve ser no mesmo patamar da anterior, diz
  Biosul
18/01/18 - Milho: Após ganhos recentes, mercado testa ligeiras desvalorizações na manhã desta 5ª feira em
  Chicago
  - ISMA eleva previsão de safra 2017/18 para 26,1 mi/t (+4% ante projeção anterior)
  - Agricultura: Maggi só reverá tarifa sobre etanol se estudo mostrar que medida não se justifica
  - Produtor reage à isenção do etanol americano
  - Açúcar: preços seguem em queda no mercado externo e interno
  - Açúcar e fruta alavancaram o agronegócio em Pernambuco
17/01/18 - Milho: Após ganhos recentes, mercado inicia pregão desta 4ª feira próximo da estabilidade na Bolsa
  de Chicago
  - Mercado do milho mais frouxo no início de 2018
  - Milho/Scot: Preços de milho devem continuar pressionados com clima favorável à safra de verão
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Estudo defende viabilidade do etanol de milho em Mato Grosso
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/