Domingo, 19 de novembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Etanol Aumentar a letra    Diminuir a letra
Estudo defende viabilidade do etanol de milho em Mato Grosso  

13/09/2017 - A depender das condições de cada região do Estado, a produção de etanol a partir do milho em Mato Grosso pode ser feita de forma individual ou integrada com a com cana-de-açúcar e com pecuária. Pode beneficiar também o segmento de florestas plantadas, especialmente de eucalipto, no fornecimento de biomassa para a atividade nas usinas que processam o biocombustível.

É o que aponta um levantamento sobre o mercado e cadeias produtivas de etanol de milho apresentado nesta terça-feira (12/9) pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), segundo o qual há possibilidade de ganhos econômicos na produção do combustível. O trabalho foi feito em parceria com o Agroícone com a consultoria Stracta durante um ano e meio. Envolveu seis usinas e entrevistas com pelo menos 70 pessoas.

Os pesquisadores percorreram 11 municípios, onde visitaram produtores, órgãos públicos e associações de classe ligadas ao agronegócio. Com base em informações sobre a produção e indicadores de viabilidade, a pesquisa sugere modelos de negócio considerando diferentes perfis de investidores e diferenças regionais. A produção de etanol é vista por especialistas e lideranças como uma forma de elevar o consumo interno do milho em Mato Grosso agregando valor através da industrialização.

Na temporada 2016/2017, com a recuperação do rendimento no campo, a estimativa do Imea é de uma produção de 30,45 milhões de toneladas do cereal. O volume é 59,4% maior que o estimado para a safra 2015/2016. Nos últimos cinco anos, a safra do cereal no Estado - que lidera a produção nacional - cresceu 65,1%. Até 2025, devem sair das lavouras mato-grossenses 38 milhões de toneladas. Do produzido atualmente, 15% são consumidos no mercado interno.

Em 2016, as usinas fabricaram 1,22 bilhão de litros de etanol. O volume de hidratado, 696,21 milhões de litros, foi quase todo demandado no Estado. No anidro, a maior parte dos 524,4 milhões de litros foi para outros mercados.

Para defender a viabilidade da produção do combustível a partir do milho no Estado, a pesquisa considera não apenas um cenário de contínuo aumento na produção do cereal. Avalia também uma perspectiva de aumento na demanda por etanol no mercado brasileiro e insuficiência de oferta nos próximos anos.

O estudo menciona dados da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), segundo os quais a frota nacional de automóveis deve chegar a 44,7 milhões de veículos até 2025. E também da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para quem deve haver um déficit de mais de 23 bilhões de litros do combustível até 2030.

Especificamente em Mato Grosso, há também expectativa de aumento na produção de carnes bovina, suína e de frango. Até 2025, pode chegar a 3,5 milhões de toneladas, estima o Imea. Outro estímulo ao etanol de milho, já que seu subproduto, o DDG, pode ser utilizado como insumo para ração animal, também agregando valor ao uso do cereal.

"As cadeias produtivas estão aqui. Há pessoas querendo investir, mas esse processo tem que ser viável economicamente", argumentou o responsável pela apresentação do trabalho, Paulo Ozaki, gestor de projetos do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária.

A partir dos resultados, o Imea definiu quatro modelos de arranjo produtivo. O chamado de Focado, utiliza milho em usina full, que processa etanol apenas com o cereal. O Sinérgico também adota esse tipo de usina, integrando milho com a pecuária. O modelo Híbrido utiliza usina flex, com milho e cana. E o completo tem usina flex e une milho, cana e pecuária.

O estudo pondera que a logística do combustível em relação a grandes centros consumidores pode ser um entrave. Mesmo assim, considera viáveis as estruturas de produção de etanol de milho em Mato Grosso, desde que bem estruturadas, com possibilidade de geração de empregos e emissão quase 70% menor de gases de efeito estufa nas áreas produtivas.

A depender da região, o retorno pode ser obtido entre seis e oito anos, de acordo com os modelos e o tamanho do investidor (produtor individual, grupo de produtores, cooperativas e grandes investidores). O cálculo de viabilidade econômica considera um preço do milho entre R$ 26 e R$ 36 a saca e etanol entre R$ 1,30 e R$ 1,77 o litro.

"É um fator importante na tomada de decisão do projeto: analisar as particularidades da região. Esse estudo tem que ser ainda mais focado para não fazer investimentos infundados e ter que fechar as portas no futuro", recomendou Ozaki.

Também presente na apresentação, o presidente do Sistema Famato, Normando Corral, avaliou o etanol de milho como importante incentivo à industrialização. "É importante que se faça o etanol de milho para incentivar a industrialização do Estado de Mato Grosso através da agroindústria. Esse trabalho tem a intenção de induzir e atrair investimento", defendeu.

O conselheiro da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Glauber Silveira, defendeu a conciliação do etanol de milho e de cana-de-açúcar. Mas disse acreditar que o combustível do cereal vai superar o que usa a gramínea como matéria-prima no Estado. "Temos biomassa, clima. Temos que buscar mercados, mas, se não produzir, não vai ter", disse.

Raphael Salomão
Fonte: Revista Globo Rural
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
17/11/17 - CBOT: Mercado de grãos tende a abrir em alta; soja monitora demanda e clima
  - Preços do açúcar fecham em alta por preços do petróleo e demanda de etanol
  - Gasolina cai 1,4% e diesel 0,3% a partir deste sábado
  - Dólar cai e encosta em R$3,25 com exterior, mas mantém olho em movimentação política
  - Mato Grosso terá queda de 18,75% na 2ª safra de milho 17/18, diz Imea
  - Cresce a confiança do consumidor, indica pesquisa do SPC e CDNL
  - Falta trabalho a 26,8 milhões de pessoas no País no 3º trimestre, aponta IBGE
  - Taxas futuras de juros seguem em baixa na esteira do dólar
  - Leilão da ferrovia Norte-Sul deve ocorrer somente no segundo trimestre de 2018, diz fonte
  - Braskem testa uso de açúcar para produção substância usada em plástico tipo PET
  - Etanol volta com força
  - Previsão de mais chuvas reduz custo de operação do sistema elétrico
  - ATR SP: acumulado cai 0,78% em outubro; valor mensal subiu 2,42%
  - Relatório prevê modelo híbrido de fornecimento de eletricidade até 2025
  - Reservatórios do Sul operam com 58% da capacidade
  - Exportações do setor agropecuário crescem mais de 150% em um ano
  - Chuva favorece pastagem pelo Brasil
  - Economia brasileira vive período de desinflação e recuperação, diz Goldfajn
  - País adota compromisso por biocombustíveis
  - Clube da Cana reúne setor sucroenergético para planejar o futuro da produção no País
  - Próxima safra de cana deve ser 4,2% inferior
16/11/17 - Produtividade da cana-de-açúcar pode aumentar em consórcio com milho no Cerrado
  - Defendido por Baldy, RenovaBio é apresentado no Congresso como Projeto de Lei
  - Contabilidade que medirá o desempenho ambiental do RenovaBio, para crédito de descarbonização, será
  auditada e certificada
14/11/17 - Brasil reduzirá produção de soja e milho em 2017/18, diz MB Agro
  - Milho Chicago no ritmo da 2ª com leves recuos atrelados aos fundamentos de safra e colheita dos EUA
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Estudo defende viabilidade do etanol de milho em Mato Grosso
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/