Terça-feira, 19 de setembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Percepção de risco da economia do Brasil cai mais rápido do que a de outras economias da A. Latina  

14/09/2017 - A percepção de risco dos investidores internacionais sobre a economia brasileira tem recuado de forma mais acentuada quando comparada com outros países emergentes da América Latina, diante da confiança dos investidores na agenda de reformas e na recuperação do crescimento econômico.

O custo de proteção contra calote da dívida brasileira, medido por Crédito Default Swaps (CDS) de cinco anos, caiu mais do que o de países que integram a Aliança do Pacífico(México, Colômbia, Peru e Chile) neste ano. A diferença entre os custos do CDS brasileiro BRGV5YUSAC=MG e da média dos países da Aliança recuou de 130 pontos no início do ano para 100 pontos, de acordo com dados compilados pela Tendência Consultoria.

"Todo mundo melhorou, mas a percepção de risco sobre o Brasil melhorou mais do que a de outros países", disse o economista da consultoria Tendências Silvio Campos Neto.

Desde o início do ano, o CDS brasileiro recuou 80 pontos, enquanto a média do CDS dos países da Aliança do Pacífico diminuiu 50 pontos.

A comparação com os países que integram a Aliança do Pacífico tem como base o fato de serem economias com relativa estabilidade e, por isso, dão uma dimensão de quanto a recente queda do CDS pode ser atribuída ao cenário internacional ou a fatores domésticos.

A queda do CDS reduz o custo de captação para as empresas, favorecendo novos investimentos, e estimula a entrada de recursos numa economia.

Ao longo dos últimos meses, os CDS de países emergentes tem recuado por causa do cenário internacional benigno. A esperada redução de estímulos pelo Banco Central Europeu (BCE) ainda não ocorreu, e o Federal Reserve, banco central norte-americano, parece mais distante de promover um novo aumento de juros, ao menos neste ano, após dois aumentos.

Enquanto essa combinação continuar, os investidores devem seguir com apetite por risco e, dessa forma, em busca de ativos de emergentes.

Na esteira dessa melhora global, o Brasil acaba tendo a seu favor o andamento da agenda de reformas, sobretudo na área fiscal, e a expectativa de retomada de crescimento a partir de 2017, depois de dois anos de recessão.

"Se não tivesse ocorrido essa melhora doméstica, não teríamos visto esse avanço na percepção de risco", disse o economista da corretora Guide investimentos, Ignácio Crespo Rey.

O Brasil ainda conta com um setor externo robusto, o que dá uma certa tranquilidade para investidores. Em julho, as reservas internacionais somavam 381 bilhões de dólares.

"Se o investidor estrangeiro estiver disposto a tomar risco, ele olha para os países com reservas cambiais elevadas. Ele compra títulos, investe na bolsa, porque não teria dificuldade de sair do país quando quiser", afirmou o economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani.

13/09/17
Claudia Violante e Luiz Guilherme Gerbelli

Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/09/17 - Produtor deve ter cautela para iniciar plantio
  - Dólar abre em queda com exterior e à espera de Fed
  - Baixa negociação do açúcar refinado em Londres puxa queda na bolsa de Nova York
  - À espera de chuva, Paraná plantou apenas 1% da safra de soja, diz Deral
  - Sob chuva, safra de cana começa no Nordeste e deve repetir 45 mi t, diz associação
  - Com 120 dias sem chuva, DF tem período mais longo de seca desde 2010
  - Aneel aprova reajustes tarifários de cooperativas do interior de Santa Catarina
  - Ilan: economia brasileira está vivendo período de desinflação e recuperação
  - Decidir futuro do pacto para corte de produção de petróleo é prematuro, diz Iraque
18/09/17 - União Europeia registra inflação anual de 1,7%
  - Dólar sobe ante real com investidores à espera de reunião do Fed
  - Câmbio para fim de 2017 segue em R$ 3,20, aponta Focus
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Percepção de risco da economia do Brasil cai mais rápido do que a de outras economias da A. Latina
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/