Quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Inflação surpreende e economistas elevam projeção para 2017  

09/10/2017 - A inflação de setembro surpreendeu. Subiu 0,16%, influenciada pela pressão dos combustíveis sobre o setor de transportes. Os economistas esperavam a metade disso.

A tênue mudança de rumo fez com que uma leva de analistas revisasse levemente para cima as projeções para do indicador no ano. Já se estima que pode chegar a 3%. Em 12 meses, encerrado em setembro, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) tem alta de 2,54%

De janeiro a setembro, porém, a inflação acumulada ainda impressiona pelo baixo valor: está em 1,78%, a menor taxa desde 1998 para o período.

Hoje, a meta de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo.

Uma inflação de 3% no ano não preocupa e resolveria o inusitado problema de o Banco Central ter de se explicar. Pelas regras, o presidente da instituição, Ilan Goldfajn, teria de escrever, pela primeira vez na história, uma carta justificando a inflação abaixo do piso da meta.

Segundo os analistas, os preços um pouco acima do esperado não têm força para alterar as projeções para os juros, que devem encerrar o ano em 7% -um recorde histórico.

Embora o número de setembro tenha colocado fim a um ciclo de mais de uma ano de desaceleração de preços no acumulado de 12 meses, a economia em recuperação gradual e o fraco mercado de trabalho continuam a contribuir com uma inflação comportada por mais tempo.


Revisão


A LCA Consultores revisou o IPCA para o ano de 2,9% para 3%, incorporando a inflação de setembro e também uma trajetória menos benigna para os preços de energia.

Segundo o economista Fábio Romão, o Banco Central deve levar os juros a 7% em dezembro, não só porque a surpresa com a inflação foi pequena, mas também porque os preços de serviços, relevantes para a política monetária, andaram de lado.

Fábio Ramos, do UBS Brasil, também revisou a inflação do ano de 2,9% para 3%.

Segundo ele, os dados de setembro sinalizam que o processo de deflação de alimentos deve se encerrar em outubro, após cinco meses consecutivos de queda. "Isso não quer dizer que a inflação vai subir muito, mas que o seu piso ficou pra trás e, daqui pra frente, vai se normalizar", diz Ramos.

Os alimentos acumulam queda superior a 5% no ano e foram cruciais para a queda da inflação cheia.

Com a reação dos alimentos, afirma Ramos, as chances dos juros caírem abaixo de 7% diminuem.

Não é, no entanto, o que pensam Bradesco e Itaú.

O Bradesco prevê o IPCA em 3% neste ano e 3,9% no ano que vem. Com isso, a Selic deve chegar a 6,75% em fevereiro de 2018.

Já o Itaú espera uma Selic ainda mais baixa, em 6,5% em fevereiro.

Felipe Salles, do Itaú Unibanco, lembra que, a inflação de setembro não assusta porque não foi espalhada.

Do 0,06 ponto acima do esperado, só o gás de botijão respondeu por metade disso.

"Não é nada generalizado", diz. "O pessoal estava acostumado a ser surpreendido para baixo e estranhou".

07/10/17
Flavia Lima

Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
13/12/17 - Novidade na praça
  - Aneel define preços iniciais para leilões de contratação de energia
  - Acordo de comércio entre UE e Mercosul não deve sair este ano, diz fonte
  - Soja: Mercado testa leves altas em Chicago nesta 4ª feira buscando direção após baixas
  - USDA eleva previsão para estoques finais de soja e trigo dos EUA com exportação fraca
  - Além do Mercosul
  - Apenas 1,6% da indústria tem produção inteligente, diz pesquisa
12/12/17 - Bioeletricidade bate recordes, mas continuidade da expansão preocupa
  - Reservatórios do SE/CO operam com 20,3% da capacidade
  - MCP: liquidação financeira movimentou 30% do contabilizado
  - Inflação dos mais pobres ficou menor em novembro, segundo o Ipea
  - Atividades de pulverização estão paralisadas
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Inflação surpreende e economistas elevam projeção para 2017
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/