Quarta-feira, 18 de outubro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
FMI: conta do aquecimento global será mais salgada para países pobres  

11/10/2017 - O relatório Perspectivas Econômicas Globais, divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), aponta que, sem ajuda das nações mais desenvolvidas, o aquecimento global vai gerar perdas de até 10% do Produto Interno Bruto (PIB) dos países mais pobres e pode afetar outras economias em desenvolvimento, como a do Brasil, até o final deste século.

As projeções do Fundo se baseiam em cenários conservadores de aumento de um grau centígrado na temperatura desses países, gerando menor produção agrícola, redução de investimentos, danos a saúde, epidemias mais frequentes, fome, aumento dos desastres naturais, pressão migratório e risco de conflitos. De acordo com o estudo, 60% da população mundial vivem em países onde o aquecimento global se dará de forma mais intensa, afetando países como Haiti, Gabão e Bangladesh.

Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o coordenador do Observatório do Clima, Carlos Rittl, confirma a gravidade da situação e diz ser preciso que as nações mais desenvolvidas — justamente as maiores responsáveis pela emissão de gases do efeito estufa, como Estados Unidos e China — ajudem financeiramente esses países, que não têm recursos para proteger suas populações.

"Considerando-se que esses efeitos já estão presentes no dia de hoje, como secas, tempestades, chuvas torrenciais cada vez mais intensas e frequentes afetam a população mais pobre de maneira desigual. Países mais pobres têm dificuldade em lidar com uma seca extrema, como a gente viu ano a ano em muitos países da África ou grandes tempestades e furacões nas ilhas do Caribe e no Sudeste da Ásia", assinala Rittl.

O coordenador do Observatório do Clima diz que esse olhar, no longo prazo, mostra um sentido de urgência para que a comunidade internacional cumpra com o que ficou estabelecido no Acordo de Paris, com os países assumindo o compromisso de assegurar US$ 100 bilhões por ano, de 2020 até 2025, para apoiar os países mais pobres em suas políticas de desenvolvimento.

Rittl diz que o abandono do Acordo de Paris por parte dos EUA, após a assunção de Donald Trump, está sendo compensado em parte pelas ações adotadas por países como China e Índia, que estão mudando as matrizes energéticas, trocando o uso de térmicas a carvão por fontes renováveis como a solar e a eólica. Segundo ele, um país como os EUA colocando menos recursos em programas globais de apoio ao meio ambiente pode inibir outros países desenvolvidos que talvez tivessem a intenção de aumentar suas dotações. O especialista diz que economias em desenvolvimento com Coreia do Sul e Singapura também podem colaborar hoje com esse esforço.

"Desde 2009, diversos estudos têm mostrado que a redução de emissões não é boa apenas para o clima, é boa também para os negócios, a economia dos países, como é o caso dos investimentos em fontes renováveis de energia. A energia renovável (eólica, solar, bioenergia) vem se tornando cada vez mais competitiva em relação aos combustíveis fósseis, o que explica um pouco o fechamento de muitas usinas termelétricas nos Estados Unidos", diz o especialista.

O coordenador do Observatório do Clima diz, por fim, que mesmo países com economias em desenvolvimento, grandes exportadores de commodities do agronegócio, como o Brasil, podem ser fortemente impactadas pelo aumento do aquecimento global que, numa hipótese de ser superior a três graus Celsius, vai provocar um cataclisma ambiental em todo o planeta.

"Há estudos elaborados pela Embrapa, por pesquisadores da Unicamp de 2009 que já indicavam que, num cenário de mudanças climáticas, haveria necessidade de mudança na chamada geografia agrícola. A alteração no padrão de chuvas de Norte ao Sul do Brasil vai tornar algumas regiões não aptas mais à produção de agrícola de culturas como o café, por exemplo. Esse estudo do FMI indica que parte da vulnerabilidade dos países em desenvolvimento está no fato de suas economias serem muito dependentes da agricultura", finaliza o especialista.

10/10/17
Fonte: Sputnik
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/10/17 - Etanol: aumenta o consumo em Minas Gerais
  - Brasil vai estudar impacto de mudança climática no planejamento do setor elétrico
  - MME enquadra projeto da Energisa MS como prioritário
  - Bioenergia será estratégica para a economia sustentável
  - Inglaterra está prestes a ter a primeira zona livre de emissões poluentes de carros
  - Veja a previsão do tempo para esta quarta-feira (18) em todo o Brasil
  - Entrada de dólares supera saída em US$ 7,940 bi no ano até 13 de outubro, diz BC
  - Não se pode ter projeto para o Brasil sem o agronegócio, diz Alckmin
  - Aneel aprova reajuste médio de quase 15% em tarifas da Celg-D, em Goiás
  - Reservatórios do Norte operam com 25,2% da capacidade
  - Estoques de óleo de soja na China atingem recorde após alta nas importações
17/10/17 - Café registra aumento na taxa de evapotranspiração
  - Biofuture Summit construirá mensagem destinada à COP23
  - Tempo continua seco em parte do Centro-Oeste e no sertão nordestino
  - Após bater 37,5 ºC à tarde, DF tem madrugada mais quente da história: 22,3 ºC
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
FMI: conta do aquecimento global será mais salgada para países pobres
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/