Quarta-feira, 22 de novembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
Biomassa como energia sustentável  

09/11/2017 - A despeito de Donald Trump, o Acordo de Paris constitui um marco histórico que encaminha inevitavelmente o mundo para uma economia de baixo carbono, uma vez que se trata de um bom negócio por criar oportunidades e mercados para novas tecnologias.

Por mais que se estimulem processos inclusivos, participativos e transparentes -como o chamado Diálogo Talanoa, sugerido pelo presidente da COP-23 (Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, que vai até o dia 17, em Bonn, na Alemanha)-, dificilmente será por essa via que chegaremos a uma redução significativa de emissões de carbono coletiva.

Nesse sentido, paralelamente às soluções tecnológicas, inovações na área de financiamento também estão em curso. Precificação, mercado e taxação de carbono vêm sendo discutidos no mundo todo por meio de experiências piloto.

Das dez maiores economias mundiais, sete já atribuem valor ao carbono, seja em mecanismos de mercado, seja em taxação direta, cobrindo mais de 12% das emissões globais de gases de efeito estufa.

O comércio de emissões da China, previsto para 2020, mas com intenção de ser antecipado, ultrapassará a União Europeia como a maior iniciativa mundial de preços de carbono. Com isso, o valor anual de implementação de iniciativas de precificação pode passar de US$ 50 bilhões para US$ 100 bilhões.

Com isso, inúmeras alternativas tecnológicas, que hoje não são viáveis economicamente, passarão a sê-lo. Consequentemente, novos mercados e modelos de negócio surgirão. Neste cenário, um mercado certamente promissor será o de emissões negativas, ou seja, um balanço de carbono em que o total que é capturado e sequestrado é superior ao emitido.

Isso será necessário para que se mantenha o aumento de temperatura média do planeta em no máximo 2 graus no fim deste século, uma vez que mesmo uma redução drástica de carbono não será suficiente.

Neste momento, a biomassa passa a ter um valor estratégico adicional em sua cadeia de valor. Isso é possível por meio da geração de energia elétrica com biomassa e posterior captura e armazenagem geológica permanente do carbono emitido, o BioCCS (sigla em inglês para Bio-Energy Carbon Capture and Storage).

Isso tem grande valor para o Brasil, pois, mesmo tendo uma matriz elétrica de baixo carbono, já ocorre o esgotamento de aproveitamentos hidroelétricos com reservatórios.

A geração de energia elétrica, eólica e solar sofre com alta variabilidade e baixa previsibilidade, tendo dificuldade, portanto, de atender à totalidade da expansão de oferta de eletricidade.

As termoelétricas a biomassa têm grande potencial de expansão e maior previsibilidade entre as renováveis. O Brasil já liderou o setor de bioenergia por conta do emprego do etanol em motores veiculares e perdeu essa posição para os EUA, hoje o maior produtor de etanol.

Desta maneira, a possibilidade de gerar energia elétrica com biomassa poderá trazer novamente o país para uma posição de destaque, especialmente se, aliados à geração elétrica, forem incluídos o sequestro e o armazenamento do carbono gerado na queima.

Emissões negativas de carbono se apresentam, assim, como um novo negócio para as empresas de geração de energia elétrica no Brasil, promovendo liderança nacional nessa tecnologia.

O emprego de BioCCS colocaria o Brasil em uma posição estratégica no esforço de combater as mudanças climáticas e nos futuros mercados de carbono internacionais, além dos benefícios para o desenvolvimento tecnológico nacional.

Suzana Kahn - Presidente do Comitê Científico do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC)
Fonte: Folha de S. Paulo
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
22/11/17 - MME enquadra projeto de transmissora do NE junto ao Reidi
  - Reservatórios do Norte operam abaixo de 18% da capacidade
  - Chuvas devem derrubar preço spot da eletricidade em dezembro, dizem analistas
  - Plenário analisa urgência para projeto que cria Política Nacional de Biocombustíveis
  - Ônibus de Londres rodarão com combustível de borra de café
  - Liquidações de nuclear e cotas das hidrelétricas registram 100% de adimplência
  - Preços do açúcar fecham em baixa nos mercados internacionais
  - Itaipu alcança marca histórica de 2,5 bi de MWh em produção acumulada
21/11/17 - RenovaBio pode tirar usinas de AL da crise
  - Por que os carros movidos a gasolina e diesel estão com os dias contados em países europeus e vários
  emergentes
  - Fórum Sucroenergético pede tramitação em Regime de Urgência para RenovaBio
  - ANP: etanol sobe em 13 estados e no DF na última semana
  - Diferença entre o imposto sobre carbono e o RenovaBio
  - Sindaçucar conta com o Projeto de Lei RenovaBio para estabilizar setor
20/11/17 - Combustível de borra de café abastece ônibus de Londres
16/11/17 - COP23: São Paulo no clima
  - Contabilidade que medirá o desempenho ambiental do RenovaBio, para crédito de descarbonização, será
  auditada e certificada
14/11/17 - Prática empresarial
  - Na COP23, brasileiros mostram que bioenergia pode reduzir emissão de carbono
  - Apesar dos pesares, energia limpa é um caminho sem volta
09/11/17 - Setor quer cana com maior capacidade de produção de biomassa
08/11/17 - RenovaBio precisa de aprovação urgente como foi a retomada do Pré-Sal; dívidas das usinas por anos
  de crise preocupam
07/11/17 - Setor sucroenergético se prepara para a chegada de carros elétricos no Brasil
01/11/17 - Setor elétrico: Geração pela biomassa cresce 8% no pior ano hidrológico
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Biomassa como energia sustentável
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/