Sábado, 21 de abril de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
Mau tempo para os grãos  

10/11/2017 - Estrela principal da recuperação econômica no começo deste ano, a safra de grãos será menor na próxima temporada, segundo as projeções oficiais divulgadas na quinta-feira. A produção será suficiente para gerar muitos bilhões de dólares de exportação e para atender o mercado interno, como tem sido há muitos anos, mas seu impacto em outros setores da economia deverá ser mais limitado. Grandes colheitas contribuem, geralmente, para a contenção de pressões inflacionárias, e esse efeito foi bem visível, em 2017, na moderação dos preços ao consumidor. Alimentação com baixo custo gera benefícios muito além da mesa das famílias. Quando o custo da comida evolui de modo favorável, sobra mais dinheiro para ser gasto em outros itens. Isso fortalece o consumo, gera maior demanda para a indústria e para o setor de serviços e favorece a multiplicação de empregos.

Seria imprudente, no entanto, prever para 2018 um cenário de inflação pior que o projetado até agora pelos especialistas. A formação de custos e as condições de oferta de vários produtos poderão ser menos favoráveis. Mas as pressões de alta de preços ainda serão contidas, se prosseguir o conserto das contas públicas, houver avanço na pauta de reformas e os mercados funcionarem num ambiente de confiança.

Se ocorrerem essas condições, perspectivas de continuidade na reconstrução da economia contribuirão para a estabilidade do câmbio. Assim será obtida uma condição importante para a moderação dos preços no mercado interno. Apesar da redução estimada pelos especialistas do governo, a safra de nenhum modo será desastrosa. Mas a ação dos políticos será, se o seu comportamento, em ano de eleição, dificultar ou impedir a continuação de medidas de ajuste e de saneamento das finanças do setor público.

A safra de grãos deverá ficar entre 223,3 milhões e 227,5 milhões de toneladas na temporada 2017-2018, com recuo de 6,2% a 4,4% em relação ao volume recorde produzido no período anterior, de 238 milhões de toneladas, segundo a estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Essa empresa é vinculada ao Ministério da Agricultura.

Os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) são um pouco diferentes. Indicam uma redução de 8,9%, de 241,6 milhões para 220,2 milhões de toneladas. As quedas projetadas para a nova safra são atribuídas, nas duas pesquisas, às condições de tempo bem menos favoráveis que as da safra 2016-2017. O plantio, ainda em execução, já foi prejudicado pelo atraso das chuvas em algumas áreas. Condições meteorológicas menos favoráveis devem resultar em menor produção por hectare. Mas a influência efetiva do tempo ainda será medida com maior precisão mais à frente.

Alguns números da Conab podem dar uma ideia da composição da nova safra. O rendimento da soja, maior cultura, deve diminuir de 3.364 kg/hectare para 3.075. A perda de produtividade foi estimada com base em séries históricas e nos pacotes tecnológicos empregados nos últimos anos. Se as avaliações estiverem corretas, a produção da soja cairá de 114,1 milhões de toneladas para algo entre 106,4 milhões e 108,6 milhões de toneladas.

A colheita de milho na primeira safra poderá diminuir de 30,5 milhões para um volume entre 24,5 milhões e 25,9 milhões de toneladas. A segunda safra de milho, geralmente maior que a primeira, poderá passar dos 67,3 milhões de toneladas na temporada anterior para 67,2 milhões. A redução total ficará entre 4,9% e 6,3%. Também estão previstas colheitas menores de arroz, de feijão e de vários outros cereais e oleaginosas, mas sem risco de problemas sérios de abastecimento.

Novas estimativas poderão, nos próximos meses, apontar cenários um pouco diferentes. Além disso, as condições de mercado ainda poderão afetar o plantio da segunda safra do milho e os da segunda e da terceira do feijão, assim como a do trigo. As projeções mais seguras obviamente se referem à safra de verão. Com tempo desfavorável, os agricultores continuam fazendo sua parte. Se os senhores de Brasília fizerem a deles, o País continuará em recuperação em 2018.


Fonte: O Estado de S. Paulo
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/04/18 - Dólar sobe e termina semana em R$3,41, seguindo exterior
  - Novo leilão da Conab deve comercializar até um milhão de toneladas de milho
  - Tecnologia na classificação de grãos pode elevar receitas de produtor em R$ 3 bi
  - Agro fecha mais de 17 mil vagas formais em março
  - Produção de soja no MS cresceu 48% nas últimas cinco
  - O Presidente Trump Presenteará o Agro?
  - Falta de umidade inviabiliza desenvolvimento das lavouras
  - Colheita do milho na Argentina atinge 29% da área
  - Produção industrial deve ter avançado 1,1% em março ante fevereiro, diz Ipea
  - Saldo de emprego formal foi positivo em 56.151 vagas em março, mostra Caged
  - Safras eleva estimativa de exportação de soja do Brasil em 2018/19 para 70,5 mi t
19/04/18 - Grãos devem abrir em direções distintas atentos ao USDA e ao clima nos EUA
18/04/18 - Mercado de gãos deve subir impulsionado pelo clima adverso nos EUA
17/04/18 - Política e acordo comercial estão no radar das commodities
  - Mercado de grãos deve abrir em alta com apertado quadro de oferta e demanda
13/04/18 - Exportações do agronegócio gaúcho crescem 37% no 1º. trimestre na comparação anua
  - Primeiro trimestre tem alta nas exportações do agronegócio
11/04/18 - Porto de Paranaguá tem o melhor março da história com 4,9 milhões de toneladas movimentadas
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Mau tempo para os grãos
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/