Terça-feira, 20 de fevereiro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
Elétricos e flex: tecnologias complementares e sustentáveis  

09/02/2018 - Tem sido anunciado que o governo pretende fomentar a comercialização de veículos elétricos e híbridos no país, especialmente os automóveis e os comerciais leves, por meio da redução da alíquota do IPI. Essa medida, se concretizada, virá ao encontro das tendências que se observam na indústria automotiva global que, por sua vez, respondem a legislações ambientais cada vez mais restritivas e a compromissos internacionais — Acordo de Paris — relativos aos limites de emissões de gases geradores do efeito estufa (GEE). E também, claro, atenderá a uma crescente conscientização do consumidor para essas questões.

Os veículos elétricos são, no mundo, a opção do setor de transporte para a redução das emissões de gases geradores de efeito estufa (GEE). A motivação internacional para a eletromobilidade é legítima e sustentável, além de encontrar um ambiente favorável, quanto aos recursos tecnológicos disponíveis.

Atualmente, o preço final de um carro elétrico puro é onerado por uma alíquota de 25% do IPI%. Essa tributação é indubitavelmente um sinal contrário a qualquer política sustentável de eletromobilidade. Já os veículos elétricos híbridos (motores elétricos e à explosão) são tributados como se fossem movidos somente a motores à explosão, portanto com alíquotas de 7%, 13% e 25%, conforme a "cilindrada" dos seus motores à gasolina.

No entanto, a eletromobilidade no Brasil não pode deixar de considerar os biocombustíveis, em especial o etanol. Essa afirmação não é motivada por um ufanismo tradicionalista e conservador: quando se trata da redução da geração de gases de efeito estufa, o uso do etanol tem um papel excepcional, uma vez que a cana-de-açúcar, durante a sua fase de cultivo, absorve o CO2 da atmosfera. Esse processo mitiga a geração desse gás feita pelos veículos e por todo o processo industrial que utiliza a queima de combustíveis fósseis. Tem-se aí uma contribuição central e sustentável ao Acordo de Paris.

Assim, a expectativa de resultados do ponto de vista climático e ambiental advindos com a eletromobilidade são convergentes e complementares aos resultados já apresentados pelos biocombustíveis. Como juntar as duas rotas tecnológicas e maximizar esses resultados em linha com os compromissos do Acordo de Paris? Tem-se aí duas oportunidades: a primeira seria a ampla utilização do etanol nos veículos híbridos e a segunda, por meio dos veículos elétricos a célula de combustível (FCV - Fuel Cell Vehicle).

Os veículos automotores híbridos poderiam adotar para os seus motores à combustão motores flex e, portanto, serem capazes de utilizar o etanol e atingirem níveis mais elevados de eficiência. Considerando o ciclo de vida (produção e utilização) do etanol, estudos indicam que a emissão de CO2 de um híbrido usando o biocombustível seria menor que a de um veículo 100% elétrico.

Outra forma seria pela utilização dos veículos elétricos FCV, que obtêm a eletricidade em uma célula de combustível e que, por sua vez, utiliza o gás hidrogênio para essa finalidade. Esse hidrogênio pode ser abastecido em uma estação externa (gas station) ou provido por um dispositivo que "extrai" o gás do etanol, por exemplo.

Aos que consideram que a tecnologia do veículo elétrico FCV está muito distante, lembro que, no Salão do Automóvel de 2014, uma montadora japonesa expôs o seu modelo FCV (abastecimento externo de H), anunciando que iria comercializá-lo em janeiro do ano seguinte, em Tóquio e em Nova Iorque. Outra montadora já realizou testes no Brasil com um protótipo FCV, usando etanol como fonte de hidrogênio.

Dois são os panoramas que se apresentam: de um lado, o patrimônio de experiência e conhecimento adquiridos no Brasil, com a utilização do etanol para fins veiculares, por mais de 40 anos, contribuição inestimável das cadeias de produção sucroenergética, automotiva e de bens de capital (máquinas e equipamentos), que será potencializado pelo Renovabio (política de Estado para, entre outros, desenvolver o uso dos biocombustíveis); e, de outro, a inexorável marcha mundial do desenvolvimento das tecnologias de propulsão, na direção da eletromobilidade.

Nesse contexto, longe de serem excludentes, ao contrário, biocombustíveis e eletromobilidade apresentam alta sinergia e complementariedade. A oportunidade está aí. A recente edição da Lei nº 13.576, de 2017 (Renovabio) foi um sinal inequívoco do Governo de apoio aos biocombustíveis. Espera-se que, a nova política industrial automotiva ao promover os avanços ditados pela eletromobilidade, o faça de modo coerente, considerando as possibilidades de utilização dos biocombustíveis, em especial do etanol. É a minha expectativa.

Paulo Sérgio Coelho Bedran - Engenheiro industrial
02/02/18
Fonte: Canal Energia
Texto extraído do portal Siamig
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/02/18 - Dólar sobe a R$3,25 com exterior e após governo desistir de Previdência
  - Alterações na audiência pública sobre revisão periódica das receitas de UHES
  - Importações de fertilizantes pelo Brasil caem 25% em janeiro, diz Anda
  - Eletropaulo pretende investir R$ 5 bilhões até 2022
  - Aneel nega pleitos de geradoras em mais um processo sobre o GSF
  - O Hidratado de Mestre Sala
  - Pesquisas e recursos gastos com o carro elétrico desviam foco na busca por eficiência do etanol e
  dos motores a combustão
  - Etanol de milho já representa 60% do biocombustível vendido nos postos
  - Etanol: cotações voltam a subir em SP
  - Fitch atribui rating `AAA (bra)´ para Aliança Geração
  - Lucro da Neoenergia sobe 34,08% em 2017 e chega a R$ 406 milhões
19/02/18 - ANP unificará regras de biocombustíveis
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Elétricos e flex: tecnologias complementares e sustentáveis
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/