Sábado, 26 de maio de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Opinião Aumentar a letra    Diminuir a letra
A destruição do mercado  

30/04/2018 - "Os mercados podem permanecer irracionais por mais tempo do que você ou eu podemos permanecer solventes" (Keynes)

A famosa frase do economista britânico John Maynard Keynes foi lembrada por um executivo do mercado esta semana. Reflete a situação em que as usinas se encontram tendo esperado - sem sucesso - por preços melhores para fixarem seus açúcares. Existe um limite entre a espera condescendente e momento de se jogar a toalha tomado pelo desespero. Essa linha foi atravessada na semana que se encerrou. Mesmo que o mercado pareça irracional, ainda assim a duração desse período pode ser maior do que a capacidade que as usinas possuem de aguentar o rombo no fluxo de caixa esperando por dias melhores. E os fundos que estão vendidos 170 mil lotes ao preço médio estimado por nós a 13.50 centavos de dólar por libra-peso, estão lucrando quase quatrocentos milhões de dólares.

O mercado futuro de açúcar em NY encerrou a sexta-feira com o vencimento julho de 2018 cotado a 11.63 centavos de dólar por libra-peso, representando uma queda de 24 pontos na semana, ou 5.29 dólares por tonelada. Todos os demais meses fecharam em baixa que variam entre dois e seis dólares por tonelada. O spread outubro 2018/março 2019 fechou a 111 pontos embutindo um desconto anualizado de 24%.

Algumas coisas escaparam da minuciosa análise feita pela grande massa de gestores que está envolvida no mercado sucroalcooleiro. Uma delas é o fato de vermos os preços do etanol hidratado despencando em R$ 500 por metro cúbico em apenas 4 semanas sob um cenário de entressafra e crescimento do consumo de etanol. Quem poderia imaginar? Reforça a tese que o pânico falou mais alto e empurrou as usinas a fecharem contratos de anidro com as distribuidoras a descontos muito mais generosos do que vimos o ano passado. É lamentável, mas essa destruição do mercado é fato.

Como disse um experiente analista, "o que estamos vendo é a mola ser pressionada". Se quando o hidratado saia da usina a R$ 2.3000 e chegava na bomba a R$ 2.8900 o litro o consumo chegou a quase 1,4 bilhão de litros em março, o que acontecerá com o consumo com uma redução de R$ 0,50 o litro do hidratado, comparando com a gasolina ainda sem redução de preços e com perspectiva de alta dentro do cenário mundial?

Na safra 2015/2016 vimos o consumo de hidratado no primeiro semestre (abril a setembro) somar 9.3 bilhões de litros numa frota de veículos flex de 24.6 milhões de unidades. Com uma frota hoje estimada de 27.7 milhões de unidades, esse consumo pularia para 10.5 bilhões de litros. Observando o histórico de consumo anual com base no período de abril a setembro, em tese, teríamos um potencial de consumir 20.5 bilhões de litros. Nem precisamos nos alongar no argumento para ver que não haveria hidratado para atender a essa demanda potencial. Ou seja, o preço vai se estabilizar e a arbitragem com o açúcar vai continuar a fazer com que as usinas produzam o máximo de etanol possível.

Será que o mercado de açúcar pode cair mais? Nos últimos dez anos, em apenas 2.33% das vezes o mercado ficou abaixo de 11 centavos de dólar por libra-peso e quando ficou, o período mais longo foi de 24 dias alternados. Da mesma forma que, no mesmo período, em apenas 2,33% das vezes o mercado ficou acima de 30,77 centavos de dólar por libra-peso e quando ficou, o período mais longo foi de 48 dias alternados.

O real tem dado sinal de estresse em função da instabilidade política no Brasil (a maior delas atende pelo nome de STF), combinada com a possibilidade cada vez mais crescente de o FED promover ao longo do corrente ano alterações na taxa de juros americana e o efeito que isso pode trazer ao preço das commodities. Se a desvalorização do real (digamos R$ 3,6000) vier acompanhada com a manutenção do preço do petróleo lá fora (digamos Brent a 72 dólares por barril), no curto prazo (6 meses) a curva de etanol hidratado assumindo que o preço na bomba será de 60% do preço da gasolina, o valor do hidratado chegaria a 13.20 centavos de dólar por libra-peso açúcar equivalente.

Embora o superávit tenha crescido, O Centro-Sul continua produzindo a mesma quantidade de ATR de nove safras atrás. Isso é preocupante, especialmente porque neste ano, com os preços baixos do açúcar no mercado internacional, a tendência é de poucos tratos culturais nos canaviais, além do envelhecimento da cana. Muito embora o quadro atual inspire cuidados, pois a posição dos fundos é confortável e ainda podemos estar longe das mínimas, o mundo não vai poder prescindir do açúcar brasileiro por duas safras seguidas.

No mercado interno no Brasil, vendas estão devagar e os preços continuam a cair; não sabemos quão ruim pode ficar o real em relação ao US$ já que os quadros político e externo não ajudam. Por outro lado, as usinas mais eficientes do Brasil não conseguem produzir açúcar no atual nível de preços. Como o pânico está instaurado, sim é possível cair mais. Contudo, sem fazer correção alguma de valores pela inflação, isto é, observando apenas o fechamento diário de NY nos últimos dez anos, quem vender agora tem 98,1% de chances de fazer um péssimo negócio.

Este não será um ano para se pagar dívidas. Até o final de março/2018, o levantamento da Archer Consulting mostra que o endividamento das usinas alcançou R$ 88.98 bilhões, 3.89% de acréscimo em relação ao mesmo período do ano passado.


*Artigo originalmente publicado no portal da Archer Consulting no sábado (28). Comentário semanal de 23 a 27 de abril.

Arnaldo Luiz Corrêa - Diretor da Archer Consulting
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
25/05/18 - Interessados têm até 10 de julho para apresentarem proposta de compra da antiga Usina Decasa
  - Paralisação atrasa exportação de soja por falta de estoque nos portos, diz Abiove
  - Conheça métodos para aumentar o rendimento fermentativo através de leveduras especiais
  - Índia pode começar a produzir etanol de milho
  - Greve dos caminhoneiros afeta segunda quinzena
  - Greve prejudica segmento sucroalcooleiro
  - A crise dos combustíveis
  - Petrobras reduzi preço da gasolina em 0,32%; diesel segue em R$ 2,1016
  - Conab prepara novo leilão de frete para levar mais milho para Norte e Nordeste
  - Com ação mais firme do BC, dólar acumula queda ante o real na semana
  - Preços do açúcar fecham mistos no mercado de Nova York e Londres
  - Com novo recorde, vendas de etanol hidratado seguem como destaque da safra no Centro-Sul
  - Exportação de açúcar e etanol foram afetadas pela paralisação
24/05/18 - Geada continua afetando algumas áreas produtoras
21/05/18 - O lado escuro do superávit
18/05/18 - Fronteiras do etanol de cana-de-açúcar
16/05/18 - Praga ataca canaviais de Pernambuco com destruição de 15 toneladas por hectare
11/05/18 - Nova safra, desafios antigos
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
A destruição do mercado
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/