Domingo, 21 de outubro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Combustíveis Fósseis Aumentar a letra    Diminuir a letra
Especialistas celebram resultado do leilão de blocos do pré-sal  

08/06/2018 - Magda Chambriard, consultora da FGV Energia e ex-diretora da ANP, e Antônio Guimarães, diretor de Exploração e Produção do IBP, acreditam que resultado do leilão foi positivo. Confira as entrevistas abaixo:

Magda Chambriard

Qual a sua avaliação sobre o leilão?

O 4º leilão do pré-sal, sob regime de partilha de produção, reafirma o que já é patente: o pré-sal tem uma escala diferenciada, seu potencial é imenso, e está atraindo a atenção das grandes petroleiras internacionais. Interessante lembrar que, no primeiro leilão do pré-sal, em 2013, muito se falou sobre a prerrogativa legal da Petrobrás de participar de um consórcio e, caso não fosse vencedora, migrar para outro, arcando com a oferta vencedora. Esse mecanismo foi considerado por muitos como sendo o motivo de termos tido apenas uma oferta, naquela época. Nós, na ANP, não concordávamos com essa visão. Hoje vimos que o mecanismo funcionou e não impediu a concorrência. Ao contrário, dos 4 blocos ofertados, em 2 a Petrobrás participou do consórcio "perdedor" e exerceu seu direito legal de migrar para o vencedor, arcando com melhor proposta para a União.

O que significa para o País a presença de grandes empresas como as que conquistaram blocos hoje no leilão?
Mais petroleiras no País significa mais tecnologia, mais investimentos disponíveis para o desenvolvimento das áreas, mais discussão sobre o que seria o melhor projeto de desenvolvimento.

Quais as perspectivas para a indústria do petróleo no Brasil nos próximos anos?
As perspectivas estão atreladas às possibilidades de as empresas recomporem seus portfólios. Após anos sem investimentos em aquisição de novas áreas, e com preços até recentemente na casa dos US$ 60 por barril, as petroleiras e seus investidores se concentravam em ativos de muito menor risco. Vimos áreas de novas fronteiras postas em licitações que acabaram desertas. Nesse ponto, acredito que o pré-sal tenha sido, para as grandes petroleiras, um verdadeiro alento. Áreas grandes, de imenso potencial e baixo risco.

O preço do petróleo foi um atrativo para o leilão?
Acredito que estamos em tendência de alta, por diversas questões de geopolítica. Bom para o desenvolvimento do pré-sal, ruim para o preço do diesel na bomba. Temos de estar preparados para esse cenário.


Antônio Guimarães

Como o sr. avalia o leilão?

O resultado foi muito bacana. Teve um bloco com grande atratividade (Uirapuru), pelo qual concorreram 11 empresas, o que demonstra que o Brasil está num outro cenário. As principais propostas feitas pelos consórcios que não contaram com a Petrobrás demonstram que houve competição, o que agrega valor ao País. O bloco que não foi vendido (Itaimbezinho) não era bom mesmo, senão teria sido vendido. O leilão foi positivo por todos os ângulos - ágios, investimentos e receitas. Prevemos grandes investimentos, geração de emprego e renda. Talvez a sociedade não tenha noção do valor socioeconômico que os leilões trarão no futuro. Isso se houver a continuidade desse processo. A gente precisa que esse processo continue.

Por que Três Marias teve ágio maior que Uirapuru, considerado o mais atrativo?
As empresas fazem suas ofertas seguindo a lógica de risco e retorno. Em Uirapuru, a oferta foi alta porque as informações (disponibilizadas pela ANP) mostravam que a chance de descobrir muito petróleo na área é grande e que a produtividade será alta. Olhando Três Marias, o risco pode ser maior, porque havia menos informação disponível. Mas a análise das empresas foi melhor do que da própria ANP. Não acho que houve subavaliação do governo. A grande diferença é que cada companhia tem sua melhor forma de enxergar valor. Essa é a beleza do processo competitivo.

A que o sr. atribui a estreia da Chevron no pré-sal?
A empresa já tinha entrado nos leilões de concessão (de pós-sal). Não é surpresa que, após os processos que o País passou para tornar o ambiente de negócio mais atrativo, tenha optado também pelo pré-sal. Tudo está atrelado ao fato de o Brasil estar se apresentando de forma mais atrativa. Todas as maiores empresas do mundo estavam lá (no leilão). As grandes petroleiras estão nos projetos de shale (reservatórios não convencionais) norte-americano, que dá resposta mais rápida às empresas. Mas os grandes volumes vão vir dos grandes reservatórios de águas profundas, de projetos de longo prazo como o pré-sal.

Denise Luna e Fernanda Nunes
Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/10/18 - Nova York em alta ajuda Ibovespa para voltar aos 85 mil pontos
  - Taxas futuras de juros se fortalecem com desaceleração da queda do dólar
  - Dólar volta a recuar ante real com exterior e vantagem de Bolsonaro
  - IGP-M desacelera alta a 0,97% na 2ª prévia de outubro, diz FGV
  - Petróleo, dólar e bens de consumo fazem arrecadação de ICMS subir mais que PIB
  - Petrobras reduzirá preço da gasolina nas refinarias em 2% a partir de sábado
  - Venda de veículos movidos a diesel ou gasolina pode ser proibida
  - Senado aprova projeto que proíbe venda de carro movido a combustível fóssil
18/10/18 - Petrobras inicia fase de cessão de direitos em polo na Bacia do Ceará
  - Com poucos compradores, petroleiros do Irã dirigem-se à China antes de sanções
17/10/18 - Produção de petróleo do Irã pode cair a 2,5 mi bpd com sanções dos EUA, diz FCStone
  - Estoques de petróleo avançam 6,49 milhões de barris na semana nos EUA
  - Não mencione preço do petróleo: ameaça legal dos EUA provoca mudança na Opep
01/10/18 - Governo arrecada R$ 6,82 bi em último leilão do pré-sal
04/09/18 - Produção no pré-sal cresce 3,3% em julho, afirma ANP
03/09/18 - Produção do pré-sal cresce 3,3%, diz a ANP
02/08/18 - Pré-Sal Petróleo ofertará 14,4 mi barris em leilão de petróleo da União
18/07/18 - Pré-Sal Petróleo marca novo leilão de petróleo da União para 31 de agosto
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Especialistas celebram resultado do leilão de blocos do pré-sal
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/