Terça-feira, 20 de novembro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
China pode cortar importações de soja em até 20% para driblar disputa com os EUA  

06/07/2018 - O dia 6 de julho de 2018 pode ficar marcado por uma mudança severa e profunda - mesmo que não seja definitiva - no comércio mundial de soja. É nessa data, afinal, que podem entrar em vigos as tarifações da China sobre produtos importados dos EUA, incluindo a oleaginosa em 25%. A agência internacional de notícias Bloomberg acompanha um navio - o Peak Pegasus - que luta para chegar à nação asiática antes de a carga de soja ser tarifada.

A embarcação está prevista para chegar a Dalian nesta sexta-feira, mesmo dia em que as taxas chinesas estão previstas para entrarem em vigor. Se tudo correr como o planejado, o carregamento de soja poderá passar pela alfândega antes da taxação, de acordo com uma fonte da Bloomberg. A previsão é de que o Pegasus chegue ao porto chinês às 17h horário local.

O objetivo da China é tarifar cerca de US$ 34 bilhões de produtos americanos, incluindo a soja, em um movimento de retaliação do presidente americano Donald Trump que taxou muitos produtos chineses, dando início a uma séria guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo. E apesar desta data estar fixada, lideranças da China disseram que "não irão dar o primeiro tiro".

Com o mercado ainda sentindo a pressão desse entrave, a expectativa é de que mais cancelamentos de compras chinesas feitas nos EUA continuem a ser registrados, redirecionando a demanda da China para o Brasil, principalmente. Na última semana, 19 carregamentos de soja brasileira foram vendidos para a nação asiática.


Alternativas

Um acordo entre as duas nações ainda se mostra bastante distante. Para alguns analistas, um acordo efetivo só seria possível com um encontro pessoal entre Trump e Xi Jinping. Enquanto isso não acontece, o governo chinês tem trabalhado para encontrar e efetivar alternativas para o gap que a soja norte-americana deverá deixar na necessidade chinesa.

Informações apuradas pela consultoria internacional AgResource Mercosul (ARC) mostraram que o governo da China se reuniu, nos últimos dias, com as maiores esmagadoras do país para alertá-las sobre a possibiilidade de uma redução de suas importações de soja em grão na casa de 15% a 20% no próximo ano comercial, o que daria cerca de 15 a 20 milhões de toneladas a menos, se confirmado esse intervalo.

"O plano chinês fala em, parcialmente, um corte no uso do farelo de soja, optando por utilizar mais milho e trigo na formulação da ração animal. Se o corte for efetivado, a China pode conseguir sim evitar de comprar soja dos EUA, mas temos que lembrar que a América do Sul hoje não tem condições para suprir toda a demanda chinesa pela oleaginosa", explica Matheus Pereira, analista de mercado da ARC.

Além disso, com a efetivação dessa redução, a possibilidade também é de que o Brasil se confirme como o exportador majoritário de soja para a nação asiática, "uma vez que a Argentina não é tradicional exportadora da soja in natura em função das retenciones".

"Hoje, a China tem de 9 a 11 milhões de toneladas de soja em estoque no país. Se a gente soma esses estoques com o ritmo de exportação brasileira, com o que o Brasil ainda tem de soja disponível no país, a indústria esmagadora doméstica chinesa só consegue ter suprimentos até meados de outubro no atual ritmo de importação. Então, se tudo for confirmado, a China vai precisar sim cortar o uso de farelo de soja, optar por recursos no milho e no trigo e só concretizar o que já está sendo preparado pelo governo chinês", completa Pereira.

Embora essa seja uma realidade que há muito não vinha sendo sentida pelo mercado, uma vez que as importações de soja da China têm mantido uma crescente considerável nos últimos anos e vinha sustentando a possibilidade de níveis recordes para a próxima temporada, as especulações cada vez mais próximas da realidade levaram a um tombo de mais de 15% dos preços da soja em grão na Bolsa de Chicago e de uma alta de mais de 4% no preço do farelo na China, diante de uma possibilidade de menor oferta.

No final de junho, o governo chinês anunciou a eliminação e a redução de de importação de commodities-chave de cinco países que são alguns de seus principais fornecedores. A soja vinda da Índia, da Coreia do Sul, Bangladesh, Laos e Sri Lank teve sua tarifação caindo de 3% para zero.

Mais ingredientes para a fabricação de alimentação animal também tiveram suas taxas zeradas ao partirem de países asiáticos vizinhos, segundo informações do Ministério das Finanças chinês. O produto tinha tarifa de 5% e a farinha peixe, que também será zerada, de 2%.


Fogo aberto

Nesta quinta-feira, a China fez um alerta dizendo que os Estados Unidos estariam "abrindo fogo" contra o mundo com essas ameaças tarifárias. A nação asiática intensificou sua retória e afirma que, embora ninguém queira uma guerra comercial - já que ameaça cadeias de abastecimento internacionais, sua resposta ao governo americano será imediata.

"Se os EUA implementarem suas tarifas, eles estarão, realmente, txando empresas de todos os países, incluindo companhias chinesas e americanas. As medidas dos EUA estão atacando importantes cadeias de valores e suprimentos globais. Para deixar mais claro e simples, os EUA estão abrindo fogo contra o mundo todo, incluindo seu próprio país", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng.

Feng completou dizendo que a China não irá se curvar diante dessas ameaças e chantagens e tampouco irá hesitar em defender o sistema de livre comércio e o multilateralismo.

Com informações da Bloomberg e da Reuters Internacional

05/07/18
Carla Mendes

Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/11/18 - Milho: Mercado tenta se recuperar das recentes perdas e testa leves ganhos na manhã desta 3ª na CBOT
  - Soja: Mercado tem estabilidade em Chicago nesta 3ª feira com semana mais curta nos EUA
  - Brasil cai 6 posições e flerta com lanterna em ranking de talentos global
  - Dólar encarece safra de soja a nível histórico
  - Deral/Paraná: plantio da 1ª safra de milho 2018/19 atinge 99%; colheita de trigo alcança 98%
  - Agricultores temem que veranico atrapalhe plantio de safra de soja no Sul do Maranhão
19/11/18 - Soja intensifica perdas em Chicago na tarde desta 2ª feira com menos otimismo sobre acordo EUA x
  China
  - Plantio de soja na Argentina alcança 21,7% da área estimada
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
China pode cortar importações de soja em até 20% para driblar disputa com os EUA
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/