Domingo, 23 de setembro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Açúcar Aumentar a letra    Diminuir a letra
Açúcar tem um dos anos mais `amargos´ da história  

12/07/2018 - A desaceleração do consumo e o aumento da produção vão fazer que açúcar tenha um dos piores desempenhos da história. Os estoques globais estão aumentando e quase prontos para quebrar um recorde.

Por um lado, consumidores cada vez mais cautelosos com o impacto do açúcar na saúde. Para piorar, empresas como a Del Monte Foods, fabricante de frutas em lata, e a Mondelez International, fabricante de doces, estão vendendo produtos feitos com menos açúcar. O consumo mundial ainda cresce, mas num ritmo muito abaixo do ideal para atender o mercado produtor. Nos últimos anos, a taxa de crescimento foi de 1,4%, abaixo dos quase 2% da última década. As informações são da consultoria Green Pool Commodity Specialists, com sede em Brisbane, Austrália.

A produção cresce na Índia, segundo maior produtor mundial e na Tailândia, que teve uma safra excecional neste ano. Os estoques mundiais devem subir ao máximo nesta temporada, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). As cotações da matéria-prima em Nova York caíram 25% em 2018. Essa é a maior perda no Bloomberg Commodity Index, que acompanha a cotação de 22 itens agrícolas. "A menos que haja uma questão climática, a situação não vai melhorar", diz Donald Selkin, estrategista-chefe de mercado da Newbridge Securities Corp, de Nova York. "Todo mundo está tentando acabar com produtos doces. Você vê isso em supermercados e mercearias. A demanda vai permanecer menor do que nos últimos anos. O preço está condenado a ficar baixo por um tempo", afirma.

Na segunda-feira (9), a cotação do açúcar bruto para entrega em outubro caiu 1%. E os investidores se preparam para mais quedas.

A produção global deve superar a demanda em 19,6 milhões de toneladas nos 12 meses completados em 30 de setembro, o maior excedente da história, segundo a consultoria Green Pool Commodity Specialists, em um relatório divulgado no fim de junho. O excesso seria mais que suficiente para atender a demanda anual da China, maior importador mundial.

Depois de um colheita recorde, a Índia está tentando aumentar as cotas de exportação para um recorde de 6 milhões de toneladas. A produção do país está estimada em até 32 milhões de toneladas, um aumento de 58% em relação ao ano anterior. Enquanto isso, no Brasil, o aumento dos estoques de etanol e a queda dos preços dos biocombustíveis significam que os usineiros de cana poderiam processar mais.

É claro que as colheitas ainda podem quebrar, especialmente se o tempo piorar. As condições de seca afetaram as plantas no Centro-Sul do Brasil, a maior região produtora do mundo. O potencial para um padrão climático El Niño no final deste ano também pode significar alguns danos às culturas asiáticas.

Mas num mercado onde a demanda está diminuindo, pequenos choques de oferta podem ser absorvidos. Enquanto as preocupações com a saúde e os impostos sobre as bebidas açucaradas forem aumentando, o açúcar não terá muitas saídas. "Todos os elementos pessimistas que tinham fixado o preço do açúcar inicialmente ainda estão no lugar, e alguns são ainda piores", conta Frank Jenkins, presidente da JSG Commodities em South Norwalk, Connecticut. "Estamos vivendo um longo período com um excedente muito substancial. Estamos no quarto ou quinto estágio deste mercado de baixa", complementa.

Fonte: The Washington Post
Texto extraído do jorna Gazeta do Povo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
21/09/18 - Açúcar bruto sobe na sessão, mas cai pela 1ª semana em cinco
  - Superávit mundial pressiona e contratos futuros do açúcar fecham mistos
  - Por açúcar, Brasil leva China à OMC
  - Brasil consultará OMC em poucos dias sobre barreira chinesa ao açúcar
20/09/18 - Tereos busca reduzir em 5% produção de açúcar de beterraba na França em 2019
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Açúcar tem um dos anos mais `amargos´ da história
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/