Quarta-feira, 16 de janeiro de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Fusão de ministérios coloca em alerta principais setores da economia  

01/11/2018 - As propostas de reestruturação de ministérios do governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL) colocou em alerta os principais setores da economia.

Executivos de áreas tão diversas quanto agricultura, mineração, construção, energia, transportes, aviação, saneamento e boa parte dos segmentos da indústria passaram esta quarta-feira (31) tentando sanar dúvidas sobre o pouco que já foi anunciado e desvendar especulações sobre o que ainda está por vir.

A junção dos ministérios de Integração Nacional, Cidades e Turismo é um dos enigmas. Não houve anúncio formal sobre a união, mas a simples cogitação já preocupa.

A proposta de extinguir a pasta das Cidades levantou dúvidas sobre como será a partilha dos recursos. O ministério é responsável pela condução de políticas públicas importantes, como o Minha Casa Minha Vida na área de habitação e a expansão do saneamento básico, bem como de projetos de mobilidade e desenvolvimento urbano.

O receio é agravado por uma declaração de Bolsonaro, antes das eleições, de que as verbas atualmente gerenciadas pela pasta deveriam ser encaminhadas às prefeituras.

Especialistas do setor de construção ouvidos pela Folha disseram que faltam esclarecimentos sobre como esse novo ministério funcionaria.

"Os municípios têm arrecadação limitada e precisam dos recursos federais por meio de programas específicos", diz Luciano Guimarães, presidente do CAU-BR (Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil).

"Ainda está muito prematuro, é muita conversa daqui e de lá", afirmou Flavio Amary, presidente do Secovi-SP (sindicato do setor imobiliário).

"Se a gente pensar de maneira muito específica, setorial e até egoística, claro que [a extinção] atrapalharia", disse ele.

Amary pondera, porém, que o setor deve colaborar com o intuito do governo de diminuir o tamanho do Estado.

No setor de saneamento básico, também há muita incerteza. A equipe de Bolsonaro não participou, durante a campanha eleitoral, de debates promovidos pelo setor.

A possível junção de pastas até pode ser positiva, afirma Roberto Tavares, presidente da Aesbe (Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento).

Hoje, as verbas destinadas a saneamento estão divididas nos orçamentos dos ministérios de Saúde, Cidades, Integração Nacional e Turismo. "Desde que a política do setor fique centralizada, acho positivo", diz Tavares.

A área de infraestrutura está em compasso de espera. Apesar de o próprio vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, ter declarado que descartaram a ideia de um superministério, executivos dos setores aguardam o anúncio oficial.

Pelo desenho mencionado por Mourão, o ministérios de Minas e Energia permanece independente. O Ministério dos Transportes, que abarca Portos e Aviação Civil, pela proposta, passaria a compor a pasta de Infraestrutura.

Ainda está em discussão, porém, a possibilidade de a nova pasta abrigar Comunicações, hoje em Ciência e Tecnologia.

Enquanto não vem a definição, há uma disputa entre alas políticas e de militares pela distribuição de cargos.

A fusão dos Ministérios de Meio Ambiente e Agricultura conseguiu desagradar a praticamente todos os envolvidos.

"O novo ministério que surgiria com a fusão do MMA [Ambiente] e de Agricultura teria dificuldades operacionais que poderiam resultar em danos para as duas agendas", disse o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, em nota.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, também se posicionou contra. "Lamento a decisão do presidente eleito por entender que isso trará prejuízos incalculáveis ao agronegócio brasileiro!", disse, em suas redes sociais.

Maggi também destacou que a pasta do Meio Ambiente não acompanha apenas os impactos do agronegócio. É de sua responsabilidade avaliar questões ambientais em projetos de atividades tão distintas quanto mineração, energia e petróleo. Seria dificílimo conciliar áreas tão diferentes sob o guarda-chuva da Agricultura.

A fusão poderia atrapalhar o já complexo processo regulatório na área ambiental, afastando investidores. Segundo o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), por exemplo, há "bilhões de dólares em capital privado" aguardando normas relativas a unidades de conservação, áreas de preservação permanente e reservas legais.

A fusão dos ministérios poderia retardar ainda mais definições na área.

Nesta quarta, porém, o presidente da UDR (União Democrática Ruralista), Luiz Antonio Nabhan Garcia, colocou mais indefinição no cenário ao declarar publicamente que a decisão de fundir Agricultura e Meio Ambiente não foi tomada em definitivo e uma reviravolta poderia ocorrer.

"Não tem nada confirmado sobre a união dos ministérios. Existe a possibilidade de os dois ministérios seguirem separados, como existe a possibilidade da fusão. Não tem nada definido. Pelo menos foi isso que o presidente me disse", afirmou Nabhan após encontro com Bolsonaro.

De acordo com o ruralista, aliado do presidente eleito, a questão só será definida "ao longo de muita conversa, de ouvir os segmentos, ouvir as instituições". "Esta é a qualidade que eu sempre admirei nele: ter a humildade de ouvir todo o mundo."

Nabhan também desconversou sobre a possibilidade de ele ser o indicado ao ministério e disse que levou a Bolsonaro a sugestão do nome do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) para a Agricultura.

No setor da indústria, as atenções estão voltadas para o destino do Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

Sua já anunciada fusão com Fazenda e Planejamento, para formar o superministério da Economia, tem alimentado descontentamentos e ceticismo.

Welber Barral, ex-secretário de comércio exterior entre 2007 e 2010, lembra que a fusão já foi tentada no governo de Fernando Collor e não deu certo. "O tema da Fazenda é o funcionamento do Estado. E o Ministério da Indústria trata do setor privado", afirma.

Fontes do próprio governo consideram difícil a tarefa de fundir a pasta em particular com a Fazenda. Alegam que a agenda prioritária hoje na Fazenda é o ajuste fiscal, a redução de despesas —que não tem correlação com a principal agenda do Mdic, que é dá suporte a setores exportadores.

A informação mais precisa divulgada nesta quarta foi a lista da equipe econômica que participará do processo de transição do governo de Michel Temer para o de Jair Bolsonaro.

O grupo com 12 integrantes inclui economistas e especialistas que já vinham trabalhando na campanha e ajudaram no programa de governo.

Talita Fernandes , Luís Costa , Anaïs Fernandes , Mariana Carneiro e Taís Hirata
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
15/01/19 - Colheita de soja no Paraná alcança 10%, afirma Deral
  - CBOT: soja e trigo devem abrir em queda; milho tendem a iniciar em alta
  - Clima: Calor e umidade predominam nesta terça-feira
  - Argentina: por conta das chuvas, Bolsa de Rosário diminui estimativa para área de soja
  - Colheita de soja da safra 2018/19 no Paraná avança para 10% da área, diz Deral
  - Volume de cana processada recua no acumulado da safra
  - Até início de janeiro, Centro Sul processou 562,03 milhões de toneladas de cana
  - Alta de custos afeta resultados das usinas
  - Canaplan apresenta perspectivas para a safra 2019/2020 para o Centro-Sul
  - De toda cana processada pela Bunge, 70% foi destinada à produção de etanol
  - A pesquisa para o agro no Brasil
14/01/19 - Ministro do Meio Ambiente defende permanência do Brasil no Acordo de Paris
11/01/19 - Aquecimento dos oceanos está mais acelerado do que o previsto, diz estudo
  - Meio Ambiente e Agricultura se reúnem para alinhamento
10/01/19 - Empresas brasileiras investiram US$ 85,8 bi para reduzir emissões, diz estudo
  - SP: Preços agropecuários encerram 2018 com valorização de 12%
  - IBGE prevê produção agrícola 3,1% maior para 2019
  - Contratação de crédito rural chega a R$ 87,9 bilhões na safra 2018/19
09/01/19 - Aquecimento global dos oceanos equivale a 1,5 bomba atômica por segundo
  - Corte em subsídio deve atingir juros do Plano Safra
04/01/19 - Recursos renováveis superam carvão como principal fonte energética da Alemanha
03/01/19 - Dezembro é melhor mês de 2018 para energia limpa no Brasil
02/01/19 - Petróleo nos EUA e geração renovável marcam 2018
  - Governo seguirá com capitalização da Eletrobras e reformas em energia, diz ministro
19/12/18 - PL incentiva à geração e aproveitamento das energias renováveis no DF
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Fusão de ministérios coloca em alerta principais setores da economia
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/