UDOP - União Nacional da Bioenergia

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Momento de retomada: mas sem euforia!  
Presidente da UDOP, Celso Junqueira Franco

29/09/2016 - Longe, bem longe da sociedade e política perfeitas idealizadas por Thomas More no livro "Utopia", o Brasil vive um momento de retomada. A duras penas, o país tem conseguido sobreviver à uma crise política e econômica. O novo governo tem a difícil missão, para não dizer quase impossível, de equilibrar as contas em apenas dois anos. Mas, paralelo a isso, há uma tendência de recuperação do investimento para 2017, mas tudo ainda muito discreto.

Diante desse cenário, o setor bioenergético passa por um momento de retomada da capacidade econômica, com custos alinhados aos preços de mercado. Mas os gestores das unidades produtoras de açúcar, etanol e bioeletricidade estão com os dois pés bem fincados no chão. Nada de euforias! Boa parte das empresas do setor diz que existe sim a condição de recuperar parte do que foi perdido durante a pior crise que o segmento já enfrentou.

Agora, muitas usinas devem voltar a renovar os canaviais com a orientação técnica recomendada e, com isso, espera-se uma redução dos custos e ganhos de produtividade. A meta antiga e, desta vez acessível, é uma produção de 90 a 100 toneladas de cana por hectare. A incorporação de novas tecnologias, tão almejadas como solução para alguns gargalos e, muitas vezes, inacessível pelo alto investimento demandado durante a crise, pode se tornar realidade em algumas empresas.

Só que esse momento de retomada, infelizmente, não é para todas as usinas. Cada uma vive uma situação diferente. Algumas não têm condições de viabilizar sua recuperação técnica, pois devido ao alto endividamento, dificilmente terão acesso ao crédito. A grande maioria vai fazer a lição de casa: recuperar os canaviais, reduzir os custos, incorporar tecnologia, aprimorar os equipamentos que ficaram sem manutenção por falta de recursos, mas, tudo isso sem incrementar a capacidade de produção de forma significativa.

E é justamente aí que mora um problema: o novo governo assumiu o compromisso da COP 21 de produzir em torno de 50 bilhões de litros de etanol por ano a partir de 2021 e, apesar do novo fôlego, o setor não consegue ver no horizonte as condições para que essa meta possa ser atingida. Estamos bem distantes disso.

Pode ser que daqui a 10 anos não tenhamos um volume de produção de álcool (anidro) suficiente para misturar na gasolina e ainda para ter o álcool hidratado como combustível. Aí, podemos ter outro problema na frente. É importante entender que a solução econômica para as empresas, por conta de um cenário mais favorável ao mercado, levará a um problema no futuro, caso o Governo Federal continue omisso em relação à definição de política pública de longo prazo para o setor de energia.

Para isso, o setor precisa construir junto ao governo um ambiente para que as questões energéticas possam ser definidas de forma a viabilizar os interesses do Brasil, inclusive os compromissos internacionais. É necessária uma condução articulada entre governo brasileiro e setor produtivo, para definir o papel do biocombustível na matriz energética e incentivar o aumento da oferta diante do crescimento da demanda. Essa é a prioridade agora e, como Presidente reeleito da UDOP, convido a todos a participarem do debate "Sem políticas de Estado o setor é capaz de cumprir as metas da COP21?" no 9º Congresso Nacional da Bioenergia, que será realizado nos dias 9 e 10 de novembro.

Na ocasião, renomados especialistas do setor, como Amaury Eduardo Pekelman - Vice-Presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Agroindustrial; André Rocha - Presidente do Fórum Nacional Sucroenergético; Arnaldo Jardim - Secretário de Agricultura do Estado de São Paulo; Aurélio César Nogueira Amaral - Diretor da ANP; Eduardo Vasconcellos Romão - Presidente da Orplana; Luiz Carlos Corrêa Carvalho (Caio) - Presidente da ABAG; Marcos Fava Neves - Professor Titular da FEA/USP-RP; Pedro Mizutani - Presidente do Conselho da Unica e Vice-presidente de Relações Externas da Raízen e Plínio Nastari - Presidente da Datagro vão debater como os nossos pleitos podem ser encaminhados aos poderes constituídos. Em especial, a pauta do etanol. Mas tudo isso sem euforias!

Celso Junqueira Franco
Presidente da UDOP
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/11/19 - Açúcar: ritmo de negócios é calmo no spot paulista
  - Açúcar: contratos futuros voltam a valorizar nas bolsas internacionais
  - Açúcar: morde e assopra em Nova York confirma rotina de baixa
18/11/19 - Usina Coruripe recebe certificado internacional de produção sustentável de açúcar e etanol
  - Contratos futuros do açúcar fecham em queda na sexta-feira
  - Etanol: estoques totais do país crescem 3,9% até 31 de outubro sobre igual período de 2018
  - Com imposto menor, preço do etanol em MS só deve baixar no fim de semana
  - Preço do etanol vai subir na entressafra, preveem usinas
05/11/19 - Bioenergia é oportunidade
04/11/19 - Assembleia UDOP aprovada filiação de 4 novas usinas
31/10/19 - UDOP recebe Prêmio MasterCana Brasil como Destaque Institucional 2019
17/10/19 - Produzir biogás custa, mas pode dar retorno, afirmam executivos do setor
25/09/19 - Usina Rio Amambaí Agroenergia realiza o 3º Dia de Campo
20/09/19 - Assembleia da UDOP aprova a inclusão de duas novas associadas ao quadro da entidade
16/09/19 - Melhores tecnologias do setor estarão no 2º Seminário UDOP de Inovações; inscrições abertas
15/05/19 - Bioenergia é opção para novo ciclo de desenvolvimento
30/04/19 - Produção local de bioenergia
11/03/19 - Biomassa do Setor Sucroenergético é responsável por 82% da bioeletricidade ofertada no Brasil
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Momento de retomada: mas sem euforia!
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: