Segunda-feira, 25 de maro de 2019
:
banner
EDITORIAS
Agncia UDOP | Acar | Biodiesel | Cana-de-Acar | Combustveis Fsseis | Diversas | Economia
Energia | Espao Datagro | Etanol | Frum de Articulistas | Opinio | TV UDOP | ltimas Notcias
Frum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Pacto pela moralidade, justia, confiana e desenvolvimento  

24/11/2016 - Um pas respeitado, justo, seguro, srio, progressista e desenvolvido. Esse o desejo da grande maioria dos brasileiros. Por que somos o eterno Pas do Futuro? Por que esse futuro parece sempre distante? O que precisa mudar para colocarmos o Brasil na rota do desenvolvimento sustentvel?

As caractersticas do Brasil o tornam um pas nico: dimenses continentais, diversidade de etnia, forte capacidade e acolhimento, alta criatividade advinda da necessidade permanente de se ajustar s novas regras ou ineficcia destas, porm com alto ndice de desigualdade social, baixo nvel cultural e educacional. Algumas dessas caractersticas so extremamente favorveis para que o Brasil se torne uma grande potncia mundial, com relaes internacionais e comerciais mais amplas e sustentveis.

Porm outras condies prejudicam a criao de ambiente mais favorvel para maior participao dos produtos brasileiros na economia mundial, ou mesmo se torne prioritrio para investimentos internacionais. Com o maior custo logstico do mundo, penalizamos a competitividade dos produtos agrcolas brasileiros, devido ao modal de transportes prioritariamente rodovirio.

A complexidade da legislao brasileira, principalmente na rea trabalhista e na tributria, impossibilita a completa desonerao das exportaes, comprometendo a competitividade do Brasil, criando espaos para corrupo e ambiente desfavorvel aos investimentos devido ao alto risco e insegurana jurdica.

Ao permitir recursos protelatrios sem fim, o sistema jurdico compromete a confiana na justia, em que a falta ou a morosidade no julgamento e a aplicao da pena ao infrator geram grande distoro no mercado, muitas vezes inviabilizando o empresrio que atua conforme a legislao, fazendo uma seleo inversa aos interesses da sociedade em alguns segmentos da economia.

cada vez mais frequente a deflagrao de governos, tanto executivo quanto legislativo, que abrem mo das prioridades pblicas, criam sofisticados "balces de negcios", tudo pela governabilidade e pelos interesses eleitoreiros dos polticos com mandato. Diante desse quadro, em que os indivduos lutam para buscar um espao, sem instituies confiveis para defender seus interesses, muito pouco podemos esperar.

Fomos nos tornando incrdulos em relao aos governos e s lideranas polticas. Mais recentemente, as novas geraes demonstram total desconfiana quanto ao futuro do Pas. No podemos mais ter espaos para acordos sem transparncia promovidos por lideranas corruptas. Precisamos criar uma cultura de ganha-ganha de longo prazo, nos livrando dos instrumentos que destroem valor e prejudicam a confiana nas autoridades. preciso aproveitar este momento em que todo o Brasil est em choque. urgente a necessidade de moralizar as instituies pblicas. preciso criar uma cultura de respeito aos valores universais.

A populao mundial passar dos atuais 7 bilhes de habitantes para 9 bilhes em 2050. A reduo da pobreza, principalmente da China e da ndia, aliada ao crescimento da populao, resulta em forte crescimento de demanda futura por alimentos de melhor qualidade e maior valor agregado. A FAO projeta em 70% o crescimento de demanda de alimentos at 2050, sendo esse um dos maiores desafios das lideranas mundiais para as prximas dcadas.

As reas agricultveis disponveis para maior expanso de produo agrcola se concentram na frica e no Brasil. O Brasil precisa agir de forma muito responsvel para ajudar a evitar um colapso social no futuro por escassez de alimentos. Com relao ao desenvolvimento, o Estado brasileiro precisa fazer sua lio de casa, definindo seus objetivos de longo prazo.

Precisamos de um modelo que direcione os investimentos para garantir o suprimento energtico com segurana de fornecimento e responsabilidade ambiental, alinhados com as atuais polticas mundiais. essencial que o Governo oferea estabilidade e confiana ao mercado, com excelncia na execuo do planejamento, gesto de poltica monetria e gesto fiscal, necessrios para o controle da macroeconomia que, certamente, resultam em reduo da percepo de risco do Pas, com influncia positiva no custo do capital e no ritmo da economia.

Polticas pblicas consistentes e duradouras, para setores como suprimento de energia e alimentos, so necessrias para estimular investimentos no setor produtivo, principalmente para energia. Com a globalizao e o amadurecimento dos mercados, sempre teremos traders, buscando opes de suprimento de seus mercados a menor custo, principalmente para alimentos, bastando a quebra de barreiras e ter competitividade para ter acesso a mercado.

O volume de exportaes de origem do agronegcio, nos anos 2000 e 2015, foi, respectivamente, de 43,05 milhes ton e 160,76 milhes ton, com 273% de crescimento em volume. O volume de Produto Bsico, que, em 2000, representava 59% do volume total do agronegcio, atingiu, em 2015, 69% do total, demonstrando que o crescimento foi maior em produtos com menor valor agregado.

O agronegcio brasileiro vem se mostrando como de fundamental importncia para o desenvolvimento da economia brasileira, com enorme contribuio para a balana comercial, representando 37% das exportaes totais no perodo 2001 a 2015, com US$ 773 bilhes de saldo positivo na balana do agronegcio, enquanto a balana total fechou com saldo de US$ 343 bilhes.

Comparando dois perodos de cinco anos, 2000-2005 e 2010-2015, o saldo da balana comercial do agronegcio teve crescimento de 213%, de US$ 125 bilhes para US$ 391 bilhes, enquanto o saldo total da balana reduziu 44%, de US$ 119 bilhes para US$ 67 bilhes. O crescimento das exportaes e das importaes totais foram, respectivamente, 184% e 278% no mesmo perodo, confirmando um efeito drstico da desindustrializao do Brasil.

Ao incentivarmos o processamento da matria-prima disponvel, transformando em produto final, teremos a recuperao da indstria, forte crescimento na gerao de emprego qualificado, demandaremos desenvolvimento de tecnologia, maior gerao e distribuio de renda, alm de melhorar o saldo da balana comercial.

Precisamos de um Estado enxuto e eficiente, focado em suas atividades essenciais, com agncias reguladoras autnomas e eficientes, e arcabouo legal que promova regras transparentes para parcerias pblico x privadas, regulando o equilbrio das cadeias produtivas, com equalizao econmica de produtos concorrentes atravs de diferenciao tributria, incluindo os benefcios sociais e ambientais dos diferentes produtos, de acordo com os interesses nacionais de longo prazo, como o caso do etanol frente aos combustveis derivados do petrleo.

Cabe ao Estado definir o valor das externalidades positivas e negativas de cada produto concorrente, visando ao bem comum e interesse pblico. Precisamos reduzir o custo de logstica no Brasil, desde o campo at o destino final.

Precisamos de acordos comerciais multilaterais, que priorizem as quebras de barreiras comerciais e permitam a entrada de produtos de origem do agronegcio com maior valor agregado. Somente com reformas profundas ser possvel construirmos uma rota de futuro prspero.

So urgentes as reformas: poltica, tributria, trabalhista e previdenciria. preciso uma reviso do pacto federativo, preservando a autonomia de cada ente da federao. preciso simplificar nossa legislao, proporcionando maior segurana jurdica ao produtor, facilitando a fiscalizao, criando competitividade para exportadores. O aperfeioamento da Justia tambm fundamental para esse processo, com modernizao das leis que permitam ao judicirio promover efetivamente a justia.

Precisamos criar um Pacto pela Moralidade, Justia, Confiana e Desenvolvimento, em que cada elo assume compromissos e responsabilidades. O setor do agronegcio brasileiro pode contribuir muito para um Brasil melhor e um mundo sem fome. Dispomos de tecnologia nacional para produo de etanol, acar e bioeletricidade, com os menores custos de produo do mundo. Ainda temos um potencial de gerao de energia a partir da palha e do bagao, equivalente ao volume gerado por Itaipu, sem ampliar a rea plantada ou consumo de combustvel adicional, energia limpa, renovvel e sustentvel.

Podemos e devemos, juntos, sociedade, setor produtivo e Governo, criar condies necessrias para um cenrio favorvel aos investimentos, gerao de emprego e ao desenvolvimento sustentvel. Com responsabilidade, dedicao e muito trabalho, poderemos ter o Brasil que todos os brasileiros desejam.

*Artigo originalmente publicado na Revista Opinies, na edio n 50, ms out/dez de 2016.

Celso Torquato Junqueira Franco
Presidente da UDOP
Os artigos assinados so de responsabilidade de seus autores, no representando,
necessariamente, a opinio e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notcias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notcias Relacionadas
25/03/19 - Razen capta R$900 mi em CRAs e contrata nova linha de US$500 mi com dez bancos
  - Acar: balano global deve registrar dficit de 4,3 mi de t em 2019/20
  - Contratos futuros do acar fecham a semana em ligeira alta
  - No para principiantes
  - Enchentes foram desligamento de um sexto da produo de etanol nos EUA
  - Aumento nos preos do etanol no est relacionado com os produtores, diz UNICA
  - ANP: etanol sobe em 22 estados; preo mdio avana 0,24% no pas
  - ANP: etanol continua competitivo com gasolina em apenas 4 estados brasileiros
22/03/19 - Acar/Rabobank: balno global deve registrar dficit de 4,3 mil t em 2019/20
  - Diretores da UDOP recebem diretor da AGCO
15/03/19 - Disney constri usina solar gigante e espera diminuir 50% de suas emisses at 2020
14/03/19 - Plano de Auxlio Mtuo (PAM) faz 1 reunio do ano de suas regionais
11/03/19 - Governo prope leilo de energia A-4 com hidreltricas, biomassa, solar e elica
  - Biomassa do Setor Sucroenergtico responsvel por 82% da bioeletricidade ofertada no Brasil
07/03/19 - Brasil e Peru assinam declarao para cooperao na rea de energia
01/03/19 - Cade aprova aquisio da Monte Verde pela EDP Renovveis Brasil
  - Feriado de Carnaval altera expediente da UDOP
28/02/19 - Presidente executivo da UDOP palestra sobre Renovabio para alunos da Fatec
22/02/19 - Ministro de Minas e Energia destaca etanol como alternativa para a eletrificao veicular
Para enviar a notcia, basta preencher o formulrio abaixo.
Todos os campos so de preenchimento obrigatrio!
 
Pacto pela moralidade, justia, confiana e desenvolvimento
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatrio:
E-mail destinatrio:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentrio:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa Histria
• Misso, Viso e Objetivos
• Trofu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comits de Gesto
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Comits de Gesto
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Frum de Implementao Tecnolgica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminrio UDOP de Inovao
Imprensa

• Agncia UDOP de Notcias
• ltimas Notcias
• Frum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mdias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produo Brasileira
Servios

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendrio de Eventos
• Guia de Empresas
• ndice Pluviomtrico
• Pesquisas UDOP
• Previso do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrogrficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/