Sábado, 20 de julho de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Planejamento estratégico das organizações e associações  

27/03/2017 - O convite para esta reflexão da Revista Opiniões vem em boa hora. Quando proposto o tema pelo editor, pensei em que assunto abordar dentro de "estrutura e infraestrutura", tema desta edição. Veio a ideia de falar em estrutura e infraestrutura de gestão coletiva (associações e organizações), pois elas são importantes para entregar eficiência para qualquer setor no agronegócio.

Evoluindo no assunto, veio a sugestão de se convidar três organizações coletivas do setor de cana para também escreverem: a Socicana, a Orplana, e a Canaoeste, que passaram por planejamentos estratégicos sob nossa liderança, em 2013, 2014 e 2015, e, frutos até da implementação desses planos, apresentam executivos contratados em sua gestão. É de fundamental importância se planejarem adequadamente as cadeias produtivas integradas do agronegócio brasileiro.

Esse planejamento passa por associações modernas, eficientes e bem geridas que cumpram sua missão de defender os interesses econômicos, ambientais e sociais dos produtores. Empresas podem ser eficientes, porém, se não estiverem integradas a uma cadeia produtiva que tenha um mínimo de coordenação, de organização, seu resultado é comprometido na soma final de valores gerados na cadeia.

Da mesma forma, empresas - produtores rurais, por exemplo - que não tenham associações e outras formas de organizações coletivas fortes têm maior dificuldade de atingir seus objetivos comuns. Importantes mudanças vêm ocorrendo, e ainda mais intensamente no agronegócio, nos últimos cinco anos. Por um lado, existe enorme demanda de alimentos, fruto de fatores como crescimento da população, desenvolvimento econômico de nações populosas, distribuição de renda e urbanização. Por outro lado, o aumento da demanda de biocombustíveis, por todo o mundo, também pressiona a demanda de grãos, terras e outros recursos do agronegócio.

Diversas cadeias agroindustriais não estavam preparadas para esse crescimento, e podemos dizer que a cana também é uma cadeia produtiva típica para explicar falta de planejamento. Ou cresce muito rápido, ou deixa de crescer, e, com isso, ineficiências vão machucando sua capacidade competitiva, sua rentabilidade, traduzindo na principal doença do setor: o elevado endividamento. Associações fortes e modernas têm papel importante em ajudar no planejamento e evitar repetir erros.

Temos que repensar a capacidade de articulação e de planejamento do setor de cana, de suas associações, olhando o curto, o médio e o longo prazo. São muitos os motivadores para o pensamento de sistemas agroindustriais produtivos integrados (cadeias produtivas) e de associações setoriais: o trabalho coletivo; a integração e eficiência na cadeia produtiva; a busca conjunta por resultados; a geração de valor compartilhado; o desejo por desenvolvimento econômico, social e ambiental; a busca de sinergias e estratégias inovadoras; o benefício da integração e participação, com aprendizagem contínua, entre outros. Um conjunto invejável de motivações para não desistir do trabalho coletivo.

As partes integrantes de uma cadeia produtiva e de suas associações e outros tipos de organizações setoriais devem pensar em estabelecer um conjunto de valores compartilhados, destacando: a rentabilidade; a preservação; o compromisso; a transparência; a ética; a comunicação; a eficiência, o reúso e a economia circular; o engajamento; a inclusão; o empoderamento, o associativismo e cooperativismo; o risco compartilhado. Esses valores devem ser sempre repensados com transparência e comunicação pelo órgão coletivo.

E, ao se pensar num plano para uma associação, os seguintes objetivos devem ser buscados: as economias de escala; os esforços de diferenciação e posicionamento (para gerar valor); as rápidas adaptações às mudanças macroambientais (quando bem estruturadas); a performance e a responsividade; a visão compartilhada e a transparência; a sustentabilidade econômica, ambiental e social dos integrantes; o conhecimento de custos de produção e transação e luta por sua redução; os mecanismos de solução de conflitos (mediação privada/alternativa para a burocracia brasileira); a organização dos esforços de lobby; o planejamento integrado entre os participantes; a orientação pela demanda, buscando a lealdade dos envolvidos; a inteligência compartilhada e o uso das amplas fontes de dados; a criação de comitês (governança, riscos, seguros...); o estabelecimento das motivações, contribuições, compromissos, direitos e benefícios de cada participante do ente coletivo.

Num processo de planejamento, algo que tem fundamental importância é ter uma adequada liderança dos esforços. O perfil dessas pessoas deve ser de desenvolver relacionamentos; passar confiança; respeito; ter a visão de interesses coletivos; saber ouvir e conciliar; ter disponibilidade e presença; ter doação ao grupo; desenvolver o capital humano e social; desenvolver sucessores/talentos; ter capacidade integrativa; ter gana de prospecção e inovação; ser um catalisador com a clara visão que seu trabalho é para resolver o problema da associação e não o problema pessoal.

Não é simples estruturar associações bem geridas. Da nossa experiência de implementação de planos, percebe-se uma série de problemas a serem evitados e que devem também ser debatidos ex-ante. São eles: a falta de objetivos; a falta de lealdade; o problema de capacidade decisória; a falta de orientação ao mercado; o não compartilhamento de risco; o desbalanço de esforços e de resultados; a falta de visão; os interesses individuais prevalecendo sobre o coletivo; o oportunismo; a falta dos itens anteriormente listados neste texto nos quesitos de liderança e de planejamento e a presença de subsídios e distorções.


Um plano estratégico para uma associação tem uma estrutura simples, composta de etapas:

1. histórico e entendimento inicial (conhecer e entrevistar como um clínico geral);
2. análise do ambiente externo à associação (oportunidades e ameaças);
3. análise do ambiente interno à associação (pontos fortes e pontos de melhorias);
4. estabelecer os objetivos (onde queremos chegar, nossa nova missão e visão);
5. desenho de projetos estratégicos para atingimento dos objetivos;
6. implementação dos projetos e gestão do plano estratégico.

Gostaria de concluir este texto comentando mais sobre o item 6. Os demais itens, com um bom time, em 3 ou 4 meses podemos fazer, mas, uma vez pronto o plano, ele não pode ser engavetado, tem que ser implementado. Os itens que levam à dificuldade na implementação de planos, baseado nas experiências anteriores de mais de 10 anos de trabalho e que interferem na velocidade de implementação estão ligados a diversos fatores, que merecem análise para serem trabalhados preventivamente, visando à aplicação exitosa do plano realizado na associação:

- inadequada liderança pelos dirigentes no atingimento dos objetivos e envolvimento das linhas operacionais das organizações;
- falta de estabelecimento de indicadores a serem atingidos e monitorados;
- falta de método/padrões para implementação;
- falta de disciplina/motivação dos integrantes dos times de projetos na implementação;
- falta da composição de um conselho gestor que dá o caráter de executividade e cobrança;
- questões políticas e culturais nos integrantes da organização;
- não entender o tempo de amadurecimento dos projetos e momentos adequados de implementação;
- falta de inserção e integração com as equipes;
- falta de detalhamento dos projetos de maneira simples e executivas;
- falta de entendimento dos objetivos estratégicos e do próprio conceito de planejamento e estratégia;
- conflito de prioridades e objetivos divergentes.

Concluo este texto contente por ver três casos de aprendizado relatados aqui na Revista Opiniões, de implementação exitosa de planos estratégicos. O Brasil terá um agronegócio cada vez mais forte, quanto mais tempo e força dedicarmos a planejar nossos setores, olharmos o longo prazo e modernizarmos nossas associações. Ao trabalho.

*Artigo originalmente publicado na Revista Opiniões, edição número 51 de janeiro/março de 2017.

Marcos Fava Neves
Professor Titular da FEA/USP-RP e da Purdue University, EUA
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/07/19 - Teor de proteína de soja no Brasil cai, coloca vendas à China em risco
  - Bovespa opera em queda nesta sexta
  - Debate sobre juros nos EUA pode afetar negócios no Brasil
  - Dólar opera em alta, após mínima de 5 meses
  - Taxa de investimentos é a menor em mais de 50 anos e fica mais dependente do setor privado
18/07/19 - Técnicos da Conab visitam usinas de SP para atualizar dados da safra de cana
  - Maior evento do setor sucroenergético de Minas Gerais será realizado em Campo Florido
16/07/19 - Biocombustíveis estarão entre principais temas da visita do 1º ministro da Índia ao Brasil em
  novembro
  - PIB do agronegócio cresce 0,04% em Abril, diz Cepea/CNA
  - PIB do agronegócio recua 0,05% no 1o. quadrimestre
15/07/19 - Valor Bruto da Produção Agropecuária deve registrar leve alta em 2019
  - Embrapa vai desenvolver novas variedades de cana-de-açúcar
  - Vendas externas do agro em junho somam US$ 8,34 bi; 46,3% da balança comercial do país
  - ATR SP: valor acumulado cai 1,97% em junho
  - ATR PR: valor projetado sobe 0,31% em junho
  - Exportações do agronegócio caem 3,6% em valor no 1o. semestre
30/04/19 - Projeto quer incentivar a adoção de boas práticas no Setor Sucroenergético
01/11/18 - Bancos garantem financiamento para bons projetos no setor sucroenergético
29/10/18 - Após as eleições, setor sucroenergético espera manutenção do programa RenovaBio
31/08/18 - Setor sucroalcooleiro vai impulsionar crescimento de MT
21/11/17 - Diferença entre o imposto sobre carbono e o RenovaBio
05/04/17 - O berço do negócio sucroenergético
29/03/17 - Planejamento é a chave deste cenário
23/03/17 - A estrutura do setor precisa ser repensada
20/02/17 - Muitas Incertezas na Safra 2017/18
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Planejamento estratégico das organizações e associações
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/