Terça-feira, 21 de maio de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Restam 100 milhões de toneladas para processar  

20/10/2017 - De acordo com a Unica, a moagem acumulada desta safra até o dia 01 de setembro foi de 467,17 milhões de toneladas, contra 476,24 milhões de toneladas no mesmo período do ano passado (2% de atraso). Já foram produzidos 29,23 milhões de toneladas de açúcar (27,88 milhões em 2016), e no etanol 19,42 bilhões de litros (-2,75%). O hidratado caiu 5,7%, para 11,04 bilhões de litros e o anidro subiu 1,43%, para 8,37 bilhões de litros. Como já observamos no último mês, o etanol está buscando os números do ano passado.

No ATR houve boa melhoria, chegando a 136,18 kg/ton (2,57% acima). Fizemos nesta última quinzena um mix de 53,4% para etanol, o que ajudou na estratégia geral de construção de valor. Está quase 4 pontos acima do mesmo período do ano passado. Com isto produzimos 11,5% a mais de etanol.

Preocupa muito o tempo seco, que já traz reflexos na produtividade desta safra e deve afetar a próxima. A amostra do CTC estima em 79,6 toneladas/ha desde o início desta safra, contra 80,9 do mesmo período de 2016.

No mês de setembro vendeu-se pelas usinas (não significa consumo) 2,15 bilhões de litros para o mercado interno e quase 158 milhões de litros para exportação. De hidratado foram 1,38 bilhão de litros. Enfim, moemos cerca de 5% a menos de cana na quinzena, com 10% a mais de sacarose.

Estudo da RPA Consultoria indica 52 unidades em recuperação judicial e 27 em falência num total de 444 unidades. Acreditam que existem 25 prestes a solicitar recuperação judicial. O estudo indica que 45 usinas não serão reativadas, pois foram desmontadas. Triste nota num setor que precisa crescer.

Para o Nordeste, uma boa notícia: o Sindaçúcar/PE espera uma produção de 44 milhões de toneladas (4,7% a mais).

Nas notícias das empresas, neste mês a CerradinhoBio (sudoeste de Goiás) anunciou investimentos em cogeração, dobrando sua capacidade para 850 gigawatt-hora (GWh). Em 2016/17 faturou R$ 811 milhões na última safra, inaugura hoje a expansão das operações de cogeração em sua usina em Chapadão do Céu. A moagem subiu de 4,8 milhões em 2015/16 para 5,4 milhões nesta, pulando para 5,7 milhões em 2018/19 e chegando a 6,3 milhões em 2021. Nas caldeiras estão testando sorgo, braquiária e cavaco de eucalipto. Também está nos planos avaliar o processamento do milho. As metas são chegar a R$ 880 milhões nesta safra e EBITDA de R$ 440 milhões.

Enfim nas notas do mês de outubro, tivemos pouca renovação de cana, pouca chuva, um pouco mais de investimentos em fertilizantes... a safra do ano que vem pode ser ainda menor que esta. São bastante divergentes ainda as opiniões de produção esperadas. No caso do açúcar, de 33 a 36 milhões de toneladas, 26 a 28 bilhões de litros de etanol, e no caso da cana, de 560 a 625 milhões de toneladas. Ou seja, na melhor das hipóteses, mais um ano onde a agrícola andará de lado.

Em relação ao açúcar, neste momento devemos mirar as produções de União Europeia, Índia, Tailândia e Paquistão, seus climas e a influência dos preços recebidos nas perspectivas de plantios futuros. O USDA prevê a Índia com 27,7 milhões de toneladas, 25% a mais. Também deve ser visto qual o impacto dos preços menores na demanda mundial por açúcar.

As usinas estão demorando a fixar preços para 2018. Segundo a Archer Consulting apenas 15,5% haviam sido fixados até o dia 30/09, um total de 4,2 milhões de toneladas a um preço médio de 16,31 centavos de dólar/libra-peso (R$ 1.223/ton, com dólar médio de R$3,26). Na safra anterior eram 27%. Em 82% dos últimos 17 anos os preços mais altos foram encontrados entre outubro e fevereiro, o que segundo a empresa, pode justificar este atraso.

Setembro foi excelente para as exportações de açúcar. Foram 3,5 milhões de toneladas (2,94 milhões de toneladas de demerara e 552,1 mil toneladas de refinado), quase 27% a mais que agosto e 10% a mais que setembro de 2016. Este volume trouxe uma renda de US$ 1,282 bilhão (22,3% a mais que agosto) e 26% a mais que setembro do ano passado. Até início de outubro vendemos 21,708 milhões de toneladas (mais 0,6% ante 2016), com renda de US$ 8,884 bilhões (mais 20,5%), fruto principalmente dos travamentos feitos ano passado. Os dólares estão vindo ao setor.

Segundo o USDA, a demanda dos EUA em 2017/18 será de 11,361 milhões de toneladas e a produção 8,1 milhões de toneladas. A demanda vem crescendo cerca de 1,5% ao ano. Terão que aumentar as importações, principalmente do México, devendo passar de 3 milhões de toneladas.

A Kingsman já reviu sua estimativa de excedente na safra 2017/18 para 3,87 milhões de toneladas, 1 milhão abaixo da anterior. Acreditam agora que usinas no Centro-Sul alocarão 47,6% da cana para açúcar, contra 48,3% da estimativa anterior, reduzindo em 300.000 toneladas a produção de açúcar. Para o exercício 2018/19 estimam em menor ainda, caindo para 46,3% e colocam que a safra será menor em 2,9%, devido à seca, ficando em 575 milhões de toneladas e produzindo 34 milhões de toneladas de açúcar. Ainda nas estimativas da Kingsman, a Tailândia produzirá 11,03 milhões de toneladas (10% a mais), a UE 20,5 milhões de toneladas (260 mil a mais) e a Índia produzirá 25,5 milhões de toneladas. Um alento para os preços começarem a se recuperar, pois caíram 24% neste ano. Uma das matérias primas que mais perdeu valor nas commodities.

A União Europeia, com a liberalização total da produção, deve passar a exportar de 2 a 2,5 milhões de toneladas por ano e reduzir as importações de 3,5 para 1,5 milhão de toneladas. De deficitária em 2016 (2 milhões de toneladas) até 2026 pode passar a ser superavitária em quase 4 milhões de toneladas. A tarifa de importação da UE (mais de 300 Euros) protege o mercado local e impede que indústrias de alimentos e consumidores tenham acesso aos preços do mercado internacional de açúcar. Esta proteção precisaria cair para que a competição fosse adequada. O Brasil consegue vender a UE cerca de 700 mil toneladas com tarifa de 98 Euros/ton.

Outra má notícia na ponta do consumo é a queda nas vendas de refrigerantes no Brasil. Segundo a Mintel, o mercado caiu 6,1% em 2016 e deve cair 4,6% em 2017, apesar do faturamento crescente, graças aos reajustes de preços. A empresa acredita que este mercado continuará caindo entre 5 a 6% até 2021. Sucos, águas e chás, além de suas misturas, tem ganho espaço. Uma das razões da queda (para 36%) é o açúcar em excesso e a indústria vem reagindo aumentando os lançamentos de produtos sem calorias ou com menos calorias, que já são mais de um terço do total.

Precisamos torcer por moagens menores e mix bem mais alcooleiro para ver preços reagirem, e alguma má notícia climática no hemisfério norte. Ainda aposto em 16 cents/libra peso para dezembro contra os 13,54 no fechamento desta coluna.

Em relação ao etanol, segundo a Datagro, a importação de gasolina no primeiro semestre do ano cresceu 77%, chegando a 3,05 bilhões de litros. Uma triste notícia sabendo do potencial de expansão do etanol. A FGV energia publicou estudo sobre carros elétricos. Segundo este a frota mundial de elétricos e híbridos era de 2 milhões de veículos de passeio em 2016, e deve chegar a 13 milhões até 2020 e 10% da frota total de carros em 2030. No Brasil as vendas ainda estão abaixo de 0,5%. A EPE estima que em 10 anos a frota nacional ainda será menor que 0,5%. Em artigo no Estado de São Paulo, o Prof. Plinio Nastari destaca algumas dificuldades do carro elétrico, a saber: nas baterias, são usados lítio e cobalto e seu suprimento em grande escala é duvidoso. Existe o problema ambiental de descarte das mesmas, o problema do reabastecimento destas. Os carros a etanol no Brasil emitem menos que os carros elétricos europeus.

Esta em discussão a Resolução 67/2011 (formação de estoques de etanol anidro), no sentido de dar mais rigor ao cumprimento da formação de estoques e considerar importadores de etanol também obrigados a cumprir esta regulação, carregando estoques de janeiro a março.

Foi publicado estudo pelo Instituto Mauá de Tecnologia que contesta a referencia de 70% para o desempenho do etanol em relação a gasolina. Em algumas condições testadas, a referencia de empate ficou ao redor de 75%.

Em agosto, o consumo de hidratado foi de 1,16 bilhão de litros, longe dos 1,3 bilhão esperados. Resta esperar que setembro tenha sido bem menor e outubro prometa. De abril a agosto vendemos 1,14 bilhão de litros a menos.

No fechamento da leitura o hidratado estava R$ 1,67 e o anidro R$ 1,77/litro (spot CEPEA). Meu viés para o etanol também é altista, pelos mesmos motivos antecipados na coluna anterior: aumento do consumo de combustíveis agora com as férias e crescimento da economia, seca persistente, o petróleo com ligeira alta e a perspectiva de safra menor agora e no ano que vem.

Termino com dois pedidos: que São Pedro libere água para nós, pois as perdas estão grandes, incêndios, produtividades... e que as usinas diminuam a moagem diária e façam o máximo possível de etanol com estas 100 milhões de toneladas que faltam. Teremos menos açúcar para vender a maior preço, portanto faturando a mesma coisa, e ainda toda a diferença de etanol a mais para ser vendida. Com isto conseguiremos reverter a queda no valor do ATR e tentar ainda buscar um 0,62 como média desta safra.


*Leitura do Prof. Dr. Marcos Fava Neves sobre os Fatos da Cana em Outubro de 2017.

Marcos Fava Neves
Professor Titular da FEA/USP, Campus de Ribeirão Preto
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
20/05/19 - Cidades de SP terão inédito fornecimento de gás de bagaço de cana-de-açúcar
  - Soja sobe forte nos EUA nesta 2ª feira com mais chuvas previstas para o Corn Belt
  - Etanol: hidratado sobe 4,41% e anidro avança 0,23% nas usinas
  - ANP: etanol recua em 17 estados e no DF; preço médio cai 1,80% no país
  - Indústria de etanol de milho do Brasil avança com produção do cereal próxima a 100 mi t
  - Etanol recua em 17 Estados e no DF, diz ANP
  - Safra de cana deve manter mesmo volume da anterior
  - Syngenta apresenta canavial formado com Plene Emerald, as sementes artificiais de cana. O plantio
  será semelhante ao de grãos
  - CNA propõe remuneração a produtores de cana no Renovabio
  - Minas supera safras amargas de cana-de-açúcar
  - Bovespa abre em leve alta nesta segunda
  - Projeções para PIB e indústria voltam a cair e economistas veem Selic a 7,25% em 2020
  - Mercado está no chão, mas todo chão tem um buraco...
  - Mercado financeiro reduz projeção de crescimento pela 12ª vez
  - PIB do agro registra queda no início do ano
  - Especuladores elevam posição vendida em açúcar bruto na ICE ao maior nível em 8 meses
  - Açúcar encerra a sexta-feira com queda de 23 pontos; valor é o menor desde outubro de 2018
17/05/19 - Previsões de déficit global de açúcar não ´combinaram´ com fundamentos e commodity derrete
  - Agência ambiental dos EUA flexibilizou lei a refinarias antes de decisão judicial
14/05/19 - Aberto o período de preenchimento das Pesquisas Industrial e Agrícola + CCT/CTT da UDOP
07/05/19 - CEO da Bevap palestra no Workshop de produção de etanol, operações e insumos em São Paulo
06/05/19 - Futuro da Mobilidade é tema de evento hoje no BNDES; UDOP participa
02/05/19 - Falta de energia deixa portal UDOP sem atualização por 2h30
18/04/19 - UDOP e FAPESP se unem pelo aumento de produtividade no setor da bioenergia
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Restam 100 milhões de toneladas para processar
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/