UDOP - União Nacional da Bioenergia

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Em vídeo divulgado pelo Planalto, narrador diz que governo não tem como tabelar preços  

21/06/2018 - Em vídeo divulgado pelo Palácio do Planalto nas redes sociais nesta quarta-feira, um narrador afirma que o governo não pode tabelar o preço dos produtos e, caso adotasse essa política, produtores poderiam deixar de comercializar.

O vídeo, de pouco menos de 2 minutos, foi apresentado em meio à discussão no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade da medida provisória editada pelo governo que instituiu o tabelamento do frete de transporte rodoviário de cargas.

A edição da MP pelo presidente Michel Temer foi uma das concessões do governo para colocar fim na greve dos caminhoneiros que parou o país por 11 dias.

"Também tem aquela coisa, né, não dá para o governo controlar tudo. Tem preço que depende do que acontece lá fora... `Ah, mas o governo podia tabelar os preços´. Tá louco! Não é assim que as coisas funcionam. Se o governo congela o preço, o produtor pode se recusar a vender ou parar de produzir", afirma o protagonista do vídeo.

O ator diz ainda que, se o governo resolver bancar a diferença de um determinado produto, a verba sairá da "grana dos impostos". "O governo não está com dinheiro sobrando, pelo contrário, está faltando", alerta. Ele cita ainda que já tentaram fazer um tabelamento no passado e que não deu certo. "Esse tipo de política pode ter péssimas consequências", completa.

O narrador sustenta ainda na peça que há produtos que têm seus preços regulados internacionalmente e que eles não tem relação com a atuação do governo.

A edição da MP com o tabelamento do frete e a discussão sobre a política de preços de combustíveis da Petrobras (PETR4.SA) gerou forte reação dos mercados financeiros e de importantes economistas, que viram a medida como uma possibilidade de controle mais amplo dos preços pelo governo.

20/06/18
Ricardo Brito
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/11/19 - SP é único estado com queda do desemprego no 3º trimestre, diz IBGE
  - Dólar opera em alta após recorde de fechamento na véspera e chega a R$ 4,21
  - Dólar sobe a R$ 4,20, o maior valor de fechamento da história
  - Pecuária do Brasil crescerá 7% em 2019 com impulso da China e sustenta PIB agro
  - PIB-Agro: Pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto
  - Milho: colheita lenta sustenta leves altas em Chicago nesta terça-feira
  - USDA: Colheita da soja se alinha com índice de 2018; milho ainda traz severo atraso
  - Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais
  - Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira
  - USDA: Embarques semanais de soja dos EUA superam expectativas do mercado
03/10/18 - Empresários do setor dizem que apoio de ruralistas a Bolsonaro é embrião de novo partido
24/07/18 - PV lança Mendes Thame como candidato ao Senado
03/07/18 - Temer indica André Pepitone para o cargo de diretor-geral da Aneel
14/06/18 - Fux dá 48 horas para Temer e órgãos do governo explicarem MP sobre fretes
13/06/18 - Política de preços dos combustíveis e monopólio da Petrobras são criticados em audiência
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Em vídeo divulgado pelo Planalto, narrador diz que governo não tem como tabelar preços
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: