Segunda-feira, 24 de junho de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Nobel de Química 2018 vai para trio que desenvolveu proteínas com princípios da evolução  

03/10/2018 - Frances H. Arnold, George P. Smith e Sir Gregory P. Winter são os premiados com o Nobel de Química deste ano. A Academia sueca anunciou nesta quarta-feira (3) que os cientistas irão dividir o prêmio de 9 milhões de coroas suecas, equivalente a R$ 4.098.402.

Arnold é a quinta mulher a ganhar o Nobel em Química, e ficará com metade do valor. Os outros dois cientistas dividirão R$ 2 milhões. A americana, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, conduziu a primeira evolução dirigida de enzimas — proteínas que catalisam reações químicas —, que podem ser usadas para manufaturar tudo, desde biocombustíveis até farmacêuticos.

O americano George P. Smith, da Universidade do Missouri, desenvolveu um método, chamado de exibição de fago, no qual um vírus que infecta uma bactéria pode ser utilizado para desenvolver novas proteínas.

Sir Gregory P. Winter, britânico da Universidade de Cambridge, trabalhou a partir do método da exibição de fago para produzir novos farmacêuticos. A exibição de fago produziu anticorpos que conseguem neutralizar toxinas, combater doenças autoimunes e curar câncer metastático.

Os membros do comitê afirmaram, durante a coletiva de entrega do prêmio, que as descobertas contribuem para uma química mais verde, que substitui catalisadores tóxicos em processos industriais, e para drogas à base de anticorpos com mais eficácia e menos efeitos colaterais.


Combustíveis verdes

O presidente da Sociedade Brasileira de Química, Norberto Peporine Lopes, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Ribeirão Preto, explica que o grande marco da pesquisa de Arnold foi estabilizar proteínas, atráves de mutações, para que elas conduzam as reações químicas.

"As proteínas, essas enzimas, degradam muito fácil, então estabilizar é uma coisa extremamente difícil. Depois de conseguir produzir essas enzimas em larga escala, Arnold conseguiu que elas catalisassem, ou conduzissem, as reações químicas. Com isso, foi possível a criação de diversos combustíveis sem usar petróleo, ou seja, combustíveis verdes, inclusive para aviões. Isso é incrível", comenta Peporine Lopes.

Algumas enzimas (proteínas) do corpo são capazes de acelerar reações químicas, por isso a evolução dirigida, base da pesquisa de Arnold, é tão importante, de acordo com a professora Sara Snogerup Linse, da Universidade de Lund, especialista em ciência molecular de proteínas e membro do comitê do Nobel.

"Existem reações que nós queremos fazer, em síntese química ou para produzir novos combustíveis, que essas enzimas não conseguem fazer, então precisamos melhorá-las. Essa é uma parte do prêmio: fazer com que as enzimas conduzam novas e melhores reações químicas do que as que temos hoje", explicou.

Snogerup Linse explica que, na natureza, o processo de evolução é aleatório e longo, causado por mutações também aleatórias. Na sua pesquisa, Arnold "acelerou" a evolução e criou objetivos para ela, agilizando processos que normalmente levariam bilhões de anos a acontecerem em questão de semanas.


Anticorpos

Peporine Lopes explica que a pesquisa de Smith e Winter permite pensar em tratamentos direcionados de forma mais específica a células cancerígenas ou a doenças autoimunes. "Eles conseguiram introduzir sequências de DNA em um vírus. Quando o vírus infectava a bactéria, ela produzia anticorpos, chamados monoclonais, que podiam ser depois isolados, purificados, para serem usados em remédios", explica.

De acordo com o professor, os cientistas foram os primeiros a humanizar a técnica, fazendo a bactéria produzir um anticorpo que não causa reação ao paciente, porque o anticorpo fica "limpo", sem as regiões que são reconhecidas pelo corpo como estranhas a ele e que causam reações adversas.


Quinta mulher

A última mulher a ganhar o Nobel em química foi Ada Yonath, em 2009. Em 1964, Dorothy Crowfoot Hodgkin levou o prêmio sem dividi-lo, a segunda e única além de Marie Curie, que ganhou em 1911. Em 1935, a vencedora foi Irène Joliot-Curie, filha de Curie.

A Fundação Nobel anunciou na segunda-feira (1º) os vencedores em Medicina, premiados por uma pesquisa de imunoterapia contra o câncer. Na terça-feira (2), uma mulher ganhou o prêmio de Física pela primeira vez em 55 anos, junto com outros dois pesquisadores, por descobertas sobre laser. Os ganhadores na categoria Paz e Economia serão conhecidos na sexta (5) e segunda-feira (8), respectivamente. O prêmio em Literatura foi adiado para 2019.

Os laureados receberão o prêmio no dia 10 de dezembro, em Estocolmo, quando o rei Carl XVI Gustaf da Suécia irá entregar a medalha e o diploma do Nobel aos vencedores. O vencedor na categoria Paz receberá o prêmio em Oslo, das mãos do rei norueguês Harald V.

Lara Pinheiro
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
24/06/19 - Mundo enfrenta dilema dos combustíveis, mas Brasil está bem com etanol
  - Zona da Mata pode produzir 230 milhões de litros de bioquerosene de aviação em 2031
  - Etanol: hidratado e anidro caem 0,43% e 1,10%, respectivamente, na semana
  - Sonolento demais
21/06/19 - CTC celebra 50 anos de pioneirismo na pesquisa da cana-de-açúcar
  - Boeing investirá US$ 1 mi no Brasil para desenvolver biocombustíveis de aviação
19/06/19 - Felix: ainda existem diferenças tecnológicas no setor de biocombustíveis
18/06/19 - Biocombustíveis ganham nova fonte de captação de recursos com emissão de debêntures
11/06/19 - ANP credencia mais uma firma inspetora no RenovaBio
  - ANP institui programa para monitorar qualidade de combustíveis do país
  - 67º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 984,443 milhões de litros
31/05/19 - Processo elimina contaminantes do óleo de palma
28/05/19 - Produção de óleo de palma da Malásia deve crescer no 4º trimestre, prevê banco
10/05/19 - Distribuidoras questionam parecer da ANP
02/05/19 - Alta no preço dos combustíveis se transforma em impasse para Bolsonaro
  - Vendas de combustíveis no país crescem 1,7% no 1º tri, com impulso do diesel e etanol
26/04/19 - Importação de combustível vai aumentar 40% se não houver investimento, diz EPE
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Nobel de Química 2018 vai para trio que desenvolveu proteínas com princípios da evolução
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/