Sexta-feira, 24 de maio de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
100 t/ha é pouco. Com irrigação, precisamos passar de 200 t/ha!  
Ricardo Pinto

11/12/2018 - No século 19, o cientista alemão Justus von Liebig formulou a "Lei dos Mínimos". Esta lei aponta que, se um dos elementos essenciais à planta se acha deficiente, seu crescimento será limitado por ele, mesmo que todos os demais elementos estejam presentes em abundância.

A água é um nutriente essencial e costuma ser a principal restrição ao ganho de produtividade nos canaviais de sequeiro do Brasil.


Figura 1 - Barril ilustrando da Lei dos Mínimos, de Liebig


A Lei dos Mínimos também nos mostra que, vencida uma restrição, outras aparecerão. Logo, um elemento limitante pode "mascarar" problemas com vários outros elementos que ainda não restringem a produtividade da planta.

Potencial de 472 t/ha - Segundo o pesquisador Paul H. Moore, do Centro de Pesquisa Agrícola do Havaí, a cana-de-açúcar possui uma produtividade máxima teórica de 472 t/ha. Contudo, na região Centro-Sul do Brasil temos alcançado 77,4 t/ha na média das últimas 4 safras, conforme a UNICA (relatórios finais das safras 2017/2018, 2016/2017 e 2015/2016). Assim, estamos obtendo apenas e tão somente 16,4% da produtividade agrícola máxima teórica.

É certo que a irrigação é parte da solução para reduzirmos a distância entre as produtividades agrícolas que alcançamos e a máxima teórica da cana. Mas não basta apenas irrigar a cana se o manejo continua sendo de sequeiro. Isso ajuda, mas pouco.

Aliás, o fato de termos tido nos últimos anos muitas experiências com ganhos acanhados na produtividade de canaviais irrigados, ou seja, de incremento de até 20% de produtividade agrícola, fez com que diversos produtores e consultores no Brasil acreditassem que a cana irrigada não possa ultrapassar a barreira de 100 t/ha de produtividade média. Como exemplo, temos os gráficos (Figura 2) apresentados pelo consultor Udo Rosenfeld no evento da STAB Sul, ocorrido em Ribeirão Preto/SP em junho de 2018, que reforça esse conceito de que a cana irrigada produz no máximo 100 t/ha se toda a deficiência hídrica da cana for suprida.


Figura 2 - Gráficos mostrando a produtividade agrícola em função de deficiência hídrica da Usina da Pedra, da Usina Cruz Alta, da região de Lins e da Usina Jalles Machado.


Crença errada - Esta crença errônea de que os canaviais irrigados não passam de 20% de ganho na produtividade agrícola em relação ao sequeiro se estabeleceu, na nossa opinião, por 7 diferentes motivos:

a) fazer-se o manejo da cana irrigada da mesma forma que se faz o manejo da cana de sequeiro, somente acrescentando mais água e se esquecendo que novas restrições (Lei dos Mínimos) irão aparecer,

b) montarem-se projetos de irrigação adotando "lâminas econômicas" menores do que a demanda real da cana-de-açúcar. Esta prática visa a diminuir o investimento total no sistema, mas limita ad aeternum o potencial de crescimento do canavial irrigado,

c) solicitar-se que os fabricantes de sistemas de irrigação definam o manejo do futuro canavial irrigado, ignorando a necessária execução de um estudo prévio das condições edafoclimáticas locais,

d) inexistência no mercado de consultores especializados no manejo de Canaviais Irrigados de Altíssima Produtividade (CIAP) para serem contratados. Há diversos consultores especializados em projetos de irrigação e aplicação de vinhaça, mas que desconhecem com profundidade o manejo de CIAP,

e) presença no Brasil de poucas áreas com CIAP, quer dizer, canaviais com produtividade acima de 200 toneladas de cana por hectare (ou acima de 28 TAH),

f) falta de água reservada para propiciar a irrigação plena de canaviais nas áreas de usinas e produtores, situação que é resolvida através da execução de Planos Diretores de Irrigação de Canaviais (PDIC),

g) tendência de se querer copiar pacotes tecnológicos aplicados em projetos bem-sucedidos de CIAP em outras regiões. Cada região tem seu manejo específico de canavial, que respeita principalmente seu clima, solo, épocas de plantio e variedades mais responsivas.

Casos acima de 200 t/ha - Mesmo sendo poucas as áreas no Brasil com CIAP, elas existem e confirmam que os canaviais irrigados com altíssima produtividade serão uma forte tendência no país daqui para frente. Afinal, a melhor maneira de se reduzir o custo de produção de cana é aumentar drasticamente sua produtividade agrícola.

A usina Agrovale, por exemplo, localizada em Juazeiro, BA, conforme consta na matéria "Cana de 3x3 dígitos", da edição 181 da Revista RPAnews, de julho de 2016, possui produtividade média de 270 t/ha em sua cana planta irrigada por gotejamento, sendo que em 1.000 de seus 17.500 hectares de seus canaviais, onde se faz irrigação plena, a produtividade média geral é de 300 t/ha.

Em agosto deste ano tivemos a oportunidade de verificar in loco os resultados de CIAP da Usina Boa Vista, do Grupo São Martinho, em Quirinópolis, Goiás. Havia canaviais com produtividade média de 207 t/ha no seu quarto corte.


Figura 3 - Canavial irrigado no quarto corte da Usina Boa Vista com produtividade média de 207 t/ha


Outro caso de CIAP foi apresentado pelo prof. Dr. Geoff Inman-Bamber, renomado fisiologista especializado em cana irrigada da Universidade James Cook e ex-pesquisador da CSIRO, na Austrália, no 1º Irrigacana, seminário de cana irrigada do GIFC - Grupo de Irrigação e Fertirrigação de Cana-de-açúcar, realizado em 2014.
Dr. Inman-Bamber ilustrou os resultados de viveiros com manejo CIAP localizados no Norte de Minas Gerais, região semiárida. As produtividades agrícolas de primeiro corte de diversas variedades ficaram entre 220 e 270 t/ha, com ATR entre 23 e 33 t/ha, como ilustra o Gráfico 1:




Gráfico 1 - Resultados de produtividades agrícola e de ATR de viveiros com diversas variedades no Norte de Minas Gerais


Este caso foi confirmado pelo Eng. Ademario Araujo Filho, responsável técnico pelos canaviais avaliados pelo Dr. Inmar-Bamber. Em sua palestra dada no 2º Irrigacana, em 2015, Ademario apresentou mais resultados de produtividades agrícolas e de produtividades de ATR (Açúcar Total Recuperável) destes viveiros (Gráficos 2 e 3), assim como algumas fotos deles (Figuras 4 e 5).


Gráfico 2 - Resultados de produtividades agrícolas (em toneladas por hectare) de viveiros de CIAP com 15 meses pós-plantio colhidos em diferentes meses e com diferentes variedades de cana no Norte de Minas Gerais



Gráfico 3 - Resultados de produtividades de ATR (em toneladas por hectare) de viveiros de CIAP com 15 meses pós-plantio colhidos em diferentes meses e com diferentes variedades de cana no Norte de Minas Gerais



Figura 4 - Viveiro de CIAP (Canavial Irrigado de Altíssima Produtividade) com 120 dias pós-plantio



Figura 5 - Viveiro de CIAP (Canavial Irrigado de Altíssima Produtividade) com 7 meses pós-plantio


Estratégias do CIAP - São muitas as estratégias que envolvem o manejo de um CIAP. Uma delas, e de muita importância, é a fertilização fracionada, haja vista que a demanda por nutrientes da cana varia muito em função de seu estágio (período de crescimento), como demonstra o Gráfico 4.


Gráfico 4 - Demanda de nitrogênio, fósforo e potássio pela cana soca a partir de seu corte. Fonte: Ducos International, citado por Dr. P. Soman no 1º Irrigacana, em 2014


Nos canaviais de sequeiro, faz-se somente uma adubação por ano, via de regra pouco depois da colheita, adubação esta que deverá ser suficiente para nutrir a cana até seu novo corte. Contudo, como é de conhecimento geral, a disponibilidade destes macronutrientes não é estável, principalmente do nitrogênio.

Outra estratégia fundamental é a definição de teores de macro (N, P, K, Ca, Mg e S) e micronutrientes (B, Cl, Cu, Fe, Mn, Zn, Mo e Si) por hectare para que se atinjam altíssimas produtividades. Além da correta definição dos teores de macro e micronutrientes, a distribuição destes elementos para a cana-de-açúcar deve respeitar a fenologia da planta em relação à sua época de seu plantio. Por exemplo, as chuvas no período de maior crescimento da cana, se em excesso, poderão afetar negativamente a nutrição do canavial em função de lixiviação, percolação e volatilização dos nutrientes.

No tocante às variedades de cana, costuma haver variabilidade significativa na resposta à irrigação das atuais variedades de cana disponíveis no mercado, às vezes até de 30% seja na produtividade agrícola, seja na produtividade de ATR, como se comprova nos Gráficos 2 e 3.

A própria disponibilidade de se irrigar a qualquer hora é crucial, como no caso dos primeiros dias após a colheita. Neste momento, o consumo de água é baixo pela cana, mas ela se mostra muito sensível ao déficit hídrico justamente nesta hora.

O dry-off, ou seja, o momento de se diminuir ou cortar a irrigação antes da colheita, vai impactar no teor de sacarose da cana irrigada assim como o maturador usado, a época e o clima no momento da colheita. Vale aqui o lembrete de que "cana irrigada dá menos açúcar porque é aguada" é fakenews!

Em suma, são muitas as estratégias, táticas e até dicas que garantem que um canavial irrigado se torne um Canavial Irrigado de Altíssima Produtividade (CIAP).

Justamente por isso a RPA Consultoria desenvolveu ao longo dos últimos anos uma metodologia de trabalho específica para planejar, implantar e manejar um CIAP. Os resultados já alcançados comprovam seu sucesso. Procure-nos se quiser implantar seu CIAP.

Egyno Trento*
Ricardo Pinto**

*Egyno Trento é engenheiro agrônomo, mestre em Agronomia, consultor e diretor da RPA Consultoria
**Ricardo Pinto é engenheiro agrícola, administrador de empresas, mestre em Agronomia, consultor e CEO da RPA Consultoria
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
23/05/19 - Atualização sobre o modelo Consecana será tema de workshop em Araçatuba
  - Moagem e produção de açúcar e etanol do centro-sul caem na 1ª quinzena e na safra
  - Atraso na moagem e crescimento nas vendas de etanol marcam início da safra 2019/2020
  - Nível de ATR está menor nos canaviais do Centro-Sul
  - Unica: moagem e produção recuam na 1ª quinzena de maio e no acumulado de 2019/2020
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
100 t/ha é pouco. Com irrigação, precisamos passar de 200 t/ha!
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Consecana
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/