UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Ministros se reúnem para discutir política de preço de combustíveis e piso do frete rodoviário  

15/04/2019 - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, se reuniu na tarde desta segunda-feira (15) com outros integrantes da Esplanada para discutir medidas ligadas aos caminhoneiros, entre as quais a política de preço dos combustíveis, em especial do óleo diesel, e o valor mínimo do frete rodoviário.

A reunião começou pouco depois das 15h e não havia terminado até a última atualização desta reportagem.

Segundo a Casa Civil, os seguintes ministros foram convidados para o encontro:

Paulo Guedes (Economia);
Bento Albuquerque (Minas e Energia);
Tarcísio Freitas (Infraestrutura);
Santos Cruz (Secretaria de Governo);
Floriano Peixoto Vieira Neto (Secretaria-Geral da Presidência).

Também foram chamados:

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras;
Joaquim Levy, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por videoconferência.
O encontro acontece quatro dias após o presidente Jair Bolsonaro intervir na Petrobras ao mandar a estatal suspender o reajuste de 5,7% no preço do óleo diesel nas refinarias.

O reajuste ainda será avaliado por Bolsonaro em uma nova reunião, prevista para terça-feira (16), com ministros e representantes da Petrobras. O presidente também terá um encontro com Paulo Guedes, o primeiro desde a intervenção na Petrobras.


Entenda a polêmica

O reajuste no diesel foi anunciado na última quinta-feira (11) pelo Petrobras. Bolsonaro, então, telefonou para o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, e determinou a suspensão do aumento.
porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, negou que a intervenção tenha sido uma "interferência política" do presidente na estatal.

Com a decisão de Bolsonaro, as ações ordinárias da Petrobras caíram 8,54% na sexta-feira; as ações preferenciais caíram 7,75%. A Petrobras perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado na ocasião.

O presidente afirmou no dia 12 que não defende práticas "intervencionistas" nos preços da estatal, porém exigiu justificativa baseada em números para o reajuste.

O governo diz que tenta evitar uma nova greve dos caminhoneiros. Em 2018, uma greve da categoria paralisou rodovias e interrompeu o transporte de alimentos, combustíveis e de outros produtos no país.

Guilherme Mazui
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
16/08/19 - Crescimento da cabotagem: O mar como rodovia
15/08/19 - Leilão de terminais portuários poderá elevar desempenho logístico do Brasil
  - Desestatização: Ato prevê portos, aeroportos, rodovias, ferrovias e hidrovias
13/08/19 - Governo promove leilão de três áreas portuárias nesta terça-feira
09/08/19 - Governo quer dobrar transporte de carga por ferrovias, diz ministro
22/07/19 - Protesto de caminhoneiros impede trânsito de caminhões na BR-230, em Campina Grande
10/07/19 - Cai a demanda por transporte rodoviário
02/07/19 - Aumento nos pedágios 2019: veja novos valores para rodovias de SP
22/05/19 - Situação só piorou, dizem caminhoneiros um ano depois da greve que paralisou o País
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Ministros se reúnem para discutir política de preço de combustíveis e piso do frete rodoviário
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: