UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Energia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Expansão da bioeletricidade pode reduzir emissões  

17/04/2019 - O estímulo que o programa RenovaBio deverá conferir à cadeia sucroalcooleira deverá reduzir a emissão de gases de efeito estufa não apenas no setor de transportes, pela qual as usinas serão remuneradas, mas também tem potencial para mitigar as emissões na matriz de energia elétrica do país.

A partir de premissas previstas pelo governo para a nova política, o Projeto Sucre - iniciativa com foco em pesquisas sobre cogeração de energia a partir da palha da cana - estima que o aumento da geração de eletricidade por térmicas movidas a biomassa de cana poderá resultar em um nível de emissões no setor elétrico brasileiro 15% menor em um até cinco anos caso essa fonte substitua parte das usinas a gás natural que estão previstas para entrar em operação no período.

O cálculo é baseado em uma projeção da equipe técnica do governo para o RenovaBio que calcula que o programa poderá estimular uma expansão 3 milhões de hectares da área de cana no país para atender ao previsto aumento da demanda por etanol. A estimativa foi elaborada considerando que o crescimento da oferta de etanol virá de usinas de cana. Não considera, portanto, a tendência de aumento da oferta de usinas de etanol de milho.

Também foi levado em conta que, nesse período, as usinas sucroalcooleiras hoje existentes poderão aumentar o uso da palha da cana nos processos de cogeração para 50% do volume que normalmente fica no solo. Atualmente, o segmento utiliza em suas plantas de cogeração entre 20% e 35% da palha produzida por safra, enquanto o restante fica no solo após a colheita da cana. Também estão previstos ganhos de eficiência nas unidades de cogeração existentes.

A comparação com as térmicas a gás natural se justifica porque as unidades de biomassa de cana são "substitutas naturais" à fonte fóssil - diferentemente das fontes solar e eólica, que são intermitentes -, explica Thayse Hernandes, coordenadora do Projeto Sucre e pesquisadora do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). O projeto é financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e gerido em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

As projeções foram feitas também considerando a potência que está prevista para entrar em operação nos próximos cinco anos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na lista de projetos está prevista a adição de 48,6 gigawatts (GW) a partir de térmicas a gás natural e de 1,1 GW de térmicas a biomassa de cana.

Também estão na lista projetos de térmicas que utilizam como matéria-prima outras biomassas (como biogás e resíduos agroindustriais) que acrescentarão nos próximos anos 3 GW de potência, além de 7,9 GW adicionais de outras fontes fósseis, 33,2 GW de geração solar, 7,1 GW de eólicas e 1,4 GW de fonte nuclear.

"Nossa matriz energética hoje é limpa, mas na potência prevista cadastrada na Aneel, a grande maioria vem de gás natural. Isso vai sujar uma matriz que é limpa, enquanto há um enorme potencial para a eletricidade da cana", diz a pesquisadora Nariê Souza, mestre em engenharia agrícola e integrante do Projeto Sucre.

Mesmo sem o estímulo do RenovaBio, apenas o aumento do uso da palha da cana para 50% do volume disponível poderia aumentar a geração a partir de biomassa de cana para 107 terawatt-ano (TWh) - ante 21,4 TWh em 2017 -, de forma a mitigar 11,4% das emissões de gases de efeito-estufa que seriam emitidos pelas térmicas a gás natural, segundo o Projeto Sucre.

Atualmente, a geração de energia a partir da biomassa de cana já resulta em um nível menor de emissões caso essa mesma quantidade de energia fosse gerada a partir do gás natural. Em 2017, os 21,4 TWh gerados a partir da biomassa da cana resultaram em uma emissão 2% menor caso essa energia tivesse vindo de térmicas a gás.

Fonte: Valor Econômico
Texto extraído no boletim SCA
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
13/09/19 - ONS eleva para 3,2% previsão de carga de energia do sistema do Brasil em setembro
12/09/19 - Caso de amor da França com energia nuclear começa a azedar
11/09/19 - Volume cai 0,6% no submercado Norte, que opera a 61%
  - Leilão de energia A-6 tem edital aprovado; certame ocorrerá 18 de outubro
10/09/19 - Níveis caem 0,4% e reservatórios do SE/CO operam com 37,4%
  - Tarifa de energia no Brasil pode cair em 2020 após anos de alta, dizem analistas
04/09/19 - Engie prevê que metade de seus novos projetos renováveis virão de contratos privados
28/08/19 - Brasil não tem créditos de carbono para receber da comunidade internacional, dizem especialistas
  - Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles é internado em Brasília
27/08/19 - RenovaBio e combate ao desmatamento
  - Unica defende posicionamento do governo em relação à Amazônia
23/08/19 - Ministra da Agricultura diz que notícias preocupam e que é preciso ´baixar a temperatura´
22/08/19 - Bioenergia pode ajudar a mitigar as mudanças climáticas, reconhece IPCC
  - Mapas interativos mostram potencial de geração de energia do biogás em SP
15/08/19 - GM quer que até 2050 a energia que consome seja 100% renovável
13/08/19 - Biomassa da cana representa 62% de toda a cogeração feita no País
09/08/19 - Com etanol e açúcar dando prejuízo, cogeração salva as usinas em 2018/19
21/06/19 - CTC celebra 50 anos de pioneirismo na pesquisa da cana-de-açúcar
27/05/19 - A bioletricidade e os leilões de energia
02/05/19 - Bioeletricidade na Região de Ribeirão Preto: potencial para suprir 1/2 das residências em SP
29/04/19 - Produção local de bioenergia é suficiente para abastecer MS
27/03/19 - São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
21/03/19 - SIAMIG apresenta projeto para expansão de bioeletricidade em torno de R$ 1,6 bilhão
14/03/19 - Biomassa do Setor Sucroenergético é responsável por 82% da bioeletricidade ofertada no Brasil
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Expansão da bioeletricidade pode reduzir emissões
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: