Quarta-feira, 22 de maio de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Disparada do petróleo pressiona governo-caminhoneiros, mas dá vantagem ao etanol  

22/04/2019 - O presidente americano Donald Trump tirou as isenções que oito países tinham para negociar petróleo com o Irã, livres de sanções, fez disparar os preços em Londres e Nova York e adicionou mais pressão no governo brasileiro sobre como conduzir negociações com os caminhoneiros que já ameaçam greve com o reajuste do diesel na semana passada. Ao mesmo tempo, ajudou a garantir ao etanol mais competitividade com a safra tendendo a ganhar mais corpo.

O movimento do cru nesta segunda (22) praticamente encostou na máxima do ano, em US$ 75 na praça londrina, e recuou levemente - o cash fechou acima de 3%, em mais de US$ 74, e o barril para entrega em junho ganhou 1,73%, acima de US$ 73. O WTI, referência em Nova York, quase mais 2,60%.

Magda Chambriard, ex-diretora geral da Agência Nacional de Petróleo, lembra que a "a subida do petróleo e importação aquecida tira espaço por reajustes por períodos mais longos".

Na quarta, a Petrobras sancionou aumento acima de 4%, depois do presidente Jair Bolsonaro ter impedido aumento acima de 5% na semana anterior, e o governo voltou a ficar ameaçado pelos caminhoneiros, agora num movimento que está dividido.

O fator cambial amplia os gastos da Petrobras, destaca a consultora em energia e pesquisadora da FGV.

O presidente americano Donald Trump tirou as isenções que oito países tinham para negociar petróleo com o Irã, livres de sanções, fez disparar os preços em Londres e Nova York e adicionou mais pressão no governo brasileiro sobre como conduzir negociações com os caminhoneiros que já ameaçam greve com o reajuste do diesel na semana passada. Ao mesmo tempo, ajudou a garantir ao etanol mais competitividade com a safra tendendo a ganhar mais corpo.

O movimento do cru nesta segunda (22) praticamente encostou na máxima do ano, em US$ 75 na praça londrina, e recuou levemente - o cash fechou acima de 3%, em mais de US$ 74, e o barril para entrega em junho ganhou 1,73%, acima de US$ 73. O WTI, referência em Nova York, quase mais 2,60%.

Magda Chambriard, ex-diretora geral da Agência Nacional de Petróleo, lembra que a "a subida do petróleo e importação aquecida tira espaço por reajustes por períodos mais longos".

Na quarta, a Petrobras sancionou aumento acima de 4%, depois do presidente Jair Bolsonaro ter impedido aumento acima de 5% na semana anterior, e o governo voltou a ficar ameaçado pelos caminhoneiros, agora num movimento que está dividido.

O fator cambial amplia os gastos da Petrobras, destaca a consultora em energia e pesquisadora da FGV.

A situação deste primeiro dia da semana, com os Estados Unidos praticamente alijando o Irã do mercado formal do petróleo (a isenção aos importadores ia até 2 de maio), veio juntar-se ao corte de produção do países produtores alinhados na Opep, mas a participação da Rússia. No mês passado, a Arábia Saudita suprimiu mais de 500 mil barris/dia de seus campos e, segundo projeções, a produção combinada de todos os prodtores chegará a 30 milhões de barris dia, para uma demanda global de 33.


Etanol

A gasolina já escalou mais de 30% desde o começo do ano, chegou a R$ 4,20 a R$ 4,30, nas redes líderes na região metropolitana de São Paulo e Campinas, por exemplo, e por mais que a força do etanol na usina seja grande, ainda vai se alargando a paridade entre o fóssil e o biocombustível.

A escalada do petróleo, mais dólar acima de R$ 3,93, são fatores a continuarem sendo monitorado

Nesta segunda, base Ribeirão Preto, o valor na usina deu refrescada, ficando na casa dos R$ 2,40 o litro, mas porque o primeiro dia da semana as distribuidoras desaceleram suas compras, na opinião de Maurício Muruci, da Safras & Mercado.

Pelo fundamento da produção, as chuvas da semana passada, que atrapalharam a moagem de cana - já sobre inicio de safra menor -, ajudoram a puxar o etanol. E Muruci nota que mais chuvas virão em várias regiões até quarta, mais leves, "mas, chuvas, afinal".

Portanto, há espaço para uma nova escapada em torno de R$ 2,55/2,60, na opinião do analista.

Já para Martinho Ono, da SCA Trading, o pior já passou, inclusive a falta de etanol em postos registradas semana passada, como trouxe o Notícias Agrícolas. A produção ainda é pequena, mas é suficiente para o dia a dia.

Giovanni Lorenzon
Fonte: Notícias Agrícolas
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
21/05/19 - Preços do petróleo sobem com aumento de tensões entre EUA e Irã
20/05/19 - Petróleo fecha sem direção única após sinais de que Opep+ pode estender cortes
  - Operadores tentam direcionar petróleo russo contaminado para a Ásia
  - Saudita diz não ver escassez de petróleo, mas que Opep vai agir se necessário
  - Ministro saudita recomenda corte dos estoques de petróleo em meio a ampla oferta
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Disparada do petróleo pressiona governo-caminhoneiros, mas dá vantagem ao etanol
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/