UDOP - União Nacional da Bioenergia
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Combustíveis Fósseis Aumentar a letra    Diminuir a letra
Preços do petróleo batem máximas de 2019 com EUA prometendo maiores sanções ao Irã  

23/04/2019 - Os preços do petróleo avançaram mais de 2 por cento nesta segunda-feira, para máximas de quase seis meses, pela crescente preocupação a respeito de uma redução na oferta global, após os Estados Unidos anunciarem restrições ainda maiores às exportações de petróleo do Irã.

Washington afirmou que eliminará em maio todas as isenções que permitiam a oito economias continuarem comprando petróleo iraniano, sem que enfrentassem as sanções norte-americanas.

"O prêmio do risco geopolítico está de volta ao mercado do petróleo, e em grande estilo", disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York. "A maioria dos interesses comerciais legítimos, senão todos, evitará compras de petróleo do Irã. O fluxo iraniano será reduzido a uma gota."

Os contratos futuros do petróleo Brent avançaram 2,07 dólares, ou 2,88 por cento, e fecharam a 74,04 dólares por barril. A máxima da sessão, de 74,52 dólares o barril, foi o maior nível do valor de referência desde 1º de novembro.

Já os futuros do petróleo norte-americano saltaram 1,70 dólar, ou 2,66 por cento, fechando a 65,70 dólares por barril. O contrato bateu 65,92 dólares/barril, sua máxima desde 31 de outubro.

Em novembro, os EUA reimpuseram sanções às exportações de petróleo da República Islâmica, mas cederam isenções aos oito principais compradores do produto iraniano: China, Índia, Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Turquia, Itália e Grécia. Foi permitido a eles que mantivessem aquisições limitadas por seis meses.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, reiterou nesta segunda-feira que o objetivo de Washington é derrubar as exportações de petróleo iraniano para zero e acrescentou que os EUA não têm planos de dar qualquer período de "carência" após 1º de maio.

O Irã declarou que a decisão dos EUA de não renovar as isenções "não tem valor", mas que Teerã estava em contato com parceiros europeus e vizinhos e que agiria "de acordo", noticiaram agências de notícias locais, citando o Ministério das Relações Exteriores.

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que a Arábia Saudita e outros países da Opep podem "mais que compensar" qualquer queda na oferta iraniana.

A Arábia Saudita disse que irá coordenar com outros produtores para garantir uma oferta adequada de petróleo e um mercado equilibrado.

22/04/19
Stephanie Kelly
reportagem adicional de Alex Lawler e Henning Gloystein
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
16/08/19 - Maior petroleiro do mundo se prepara para reduzir emissões
  - Opep reduz projeção para oferta brasileira de petróleo em 2019
15/08/19 - Estoques de petróleo dos EUA têm alta; gasolina e destilados recuam
  - As dicas ao Brasil do iraquiano que ajudou a Noruega a dar volta por cima com petróleo
14/08/19 - F1: Chase Carey admite busca por alternativas aos combustíveis fósseis
  - Petrobras vê expansão no mercado de gás até 2025 com novos projetos na bacia de Santos
13/08/19 - Petróleo sobe com relatório de produtividade nos EUA
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Preços do petróleo batem máximas de 2019 com EUA prometendo maiores sanções ao Irã
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: