UDOP - União Nacional da Bioenergia

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Combustíveis Fósseis Aumentar a letra    Diminuir a letra
Preços da Petrobras não reagem imediatamente a eventos como ataques a sauditas, diz CEO  

09/10/2019 - O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defendeu nesta terça-feira a atual política de preços da empresa, que agora prevê reajustes mais espaçados, sem reações imediatas a episódios que impactam os mercados globais de petróleo, como os recentes ataques a refinarias sauditas.

"Isso (reajuste diário) é uma prática que não fazemos, ainda mais na bomba de preços. Não é a melhor forma de se tratar o cliente. Utilizamos uma política de reajustes mais espaçados. Não reagimos a eventos surpresa, como o ataque à Arábia Saudita. Fomos pacientes o suficiente para só ajustar o preço após a volatilidade se acomodar", explicou o CEO da estatal, em audiência na Câmara.

Ainda de acordo com ele, "deixamos a poeira abaixar, para fazer o reajuste. Essa é a política".

O último reajuste do diesel da Petrobras ocorreu em 19 de setembro, dias após o ataque às instalações petrolíferas sauditas, quando a empresa elevou o valor do combustível nas refinarias em mais de 4%, além de ter aumentado a gasolina em 3,5%.

No dia 27 de setembro, a empresa elevou o valor da gasolina nas refinarias em 2,6%.

Castello Branco participa, como convidado, da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, na Câmara dos Deputados, onde ocorre nesta terça-feira debate sobre a política de preços do diesel.

O diesel é uma questão sensível para caminhoneiros, que se articulam para manter o frete mínimo rodoviário, uma lei criticada por transportadores.

"Não é o diesel o problema efetivo, como representantes de caminhoneiros relevaram. O problema é falta de carga e má situação de estradas brasileiras. E situações de subsídio ou forçar Petrobras a ter uma política de preço não condizente com aplicada pelo mercado só trará prejuízos à Petrobras", acrescentou o executivo.

08/10/19
Gabriel Ponte
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
12/11/19 - Petrobras conclui deslistagem de suas ações na Argentina
11/11/19 - Irã anuncia descoberta de imenso campo de petróleo
08/11/19 - Petróleo ultrapassa US$ 62/barril com expectativas de acordo comercial EUA-China
07/11/19 - ANP diz que 6ª Rodada é início do fim do ciclo de grandes leilões do pré-sal
05/11/19 - Opep vê potencial de alta no mercado de petróleo em 2020
01/11/19 - Petrobras diz que custos com limpeza de praias não terão impacto relevante
31/10/19 - Petrobras prevê ganhos com implantação de réplicas digitais em refinarias neste ano
30/10/19 - Ultra e Raízen devem entrar na briga por compra de refinarias da Petrobrás
  - Petrobras prevê ofertar metade da capacidade de transporte de gás a terceiros
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Preços da Petrobras não reagem imediatamente a eventos como ataques a sauditas, diz CEO
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: