Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Um museu inteiro dedicado à cachaça
Publicado em 22/03/2005 às 00h00
Fica em Maranguape e serve uma branquinha como aperitivo no fim do tour



A pouco menos de uma hora da Praia de Iracema, em Maranguape, fica o Museu da Cachaça. Apesar da distância, vale a pena conhecer um pouco mais a história dessa bebida genuinamente nacional - o passeio é recomendado até mesmo para aqueles que preferem vodca na caipirinha.



O museu foi instalado num casarão de 1846, na propriedade em que funcionou a primeira unidade industrial da Ypióca, hoje desativada. Lá é possível ver as máquinas usadas para fazer a aguardente no passado, como caldeiras e moendas de cana antigas, além dos equipamentos usados no envasamento e outras etapas da fabricação da bebida.



Vários ambientes foram montados para reconstituir situações de época. Numa das salas é possível ver bonecos de resina, movidos por um recurso de mecatrônica, encenando a moagem da cana feita pelos escravos. Em outra, dá para espiar a cozinha do casarão, preservada com os utensílios originais. Há ainda um canavial, que os visitantes atravessam enquanto escutam uma simulação dos sons de cortadores de cana.



A história da família Telles, dona da Ypióca, é contada por meio de fotos e documentos antigos.



APERITIVOS



Logo ao chegar, todos ganham um copo de caldo de cana, matéria-prima da cachaça. Os fãs de uma boa pinga, no entanto, vão gostar mais do fim da visita, quando é possível degustar uma bebida da linha de produtos Ypióca. Um bar temático dos anos 30, com mobiliário e músicas da época, é palco para a degustação. Para entrar no ambiente, os visitantes passam por um tonel de cinco metros de altura.



Esse tonel não é nada comparado a uma das principais atrações do museu: o maior tonel de cachaça do mundo. Com o certificado do Guinness Book exibido orgulhosamente na sua frente, ele impressiona com os seus oito metros de altura e quase o mesmo de diâmetro. Tem capacidade para 374 mil litros. "As pessoas ficam loucas quando vêem. Quando digo que está cheio de cachaça então...", relata a guia turística Sara Moreira.



Quem resolver visitar o museu no fim de semana vai poder desfrutar também de um bom almoço. O restaurante do estabelecimento, que durante a semana serve apenas lanches, oferece almoço self-service aos sábados e domingos, das 12 às 14h30, com comidas típicas como carne-de-sol, feijoada, tilápia frita, queijo coalho e purê de macaxeira. O quilo sai por R$ 16,90.



As outras atrações do museu incluem passeios de charrete, trenzinho e jardineira pelo terreno do antigo Sítio Ypióca e um passeio de pedalinho no lago da propriedade. Todos custam R$ 3 por pessoa. Museu da Cachaça: Sítio Ypióca s/n.º, Maranguape. Telefone: (0--85) 3341-0407.
Silvia Campos
Fonte: O Estado de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas