Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Uso do gás natural exige cuidados
Publicado em 09/01/2008 às 11h33
Dos 526 mil veículos leves e utilitários que rodam no Estado do Ceará, aproximadamente 28 mil usam Gás Natural Veicular (GNV), combustível que teve seu uso iniciado em automóveis na década passada e tem se revelado com uma opção limpa e (relativamente) mais barata que o álcool e a gasolina. No entanto, como a esmagadora maioria dos modelos nacionais ainda não sai de fábrica preparada para trabalhar com ele, a conversão e a manutenção do carro para o gás precisam de alguns cuidados especiais dos proprietários, sob pena de ter o tempo de vida útil do motor reduzido.





Para começar, quem fizer a conversão precisa saber que a opção de usar o GNV não livra o condutor da necessidade de rodar com o combustível original. José Paulino de Carvalho, chefe de mecânica da Beto´s Car, recomenda um trajeto de pelo menos cinco quilômetros por dia. Ele explica que isso ajuda a manter o sistema de injeção eletrônica e a bomba de combustível. Além disso, os proprietários de veículos a gasolina precisam ter uma preocupação a mais: não deixar que ela "envelheça" no tanque.




Assis Gondim, proprietário da B & A Bat Service, já registrou alguns casos onde o condutor passou muito tempo com a gasolina no tanque e, quando tentou usá-la, teve sérios problemas no motor. "A gasolina começa a perder a composição original e acumular sujeira depois de umas duas semanas dentro do tanque. Por isso, é preciso renovar o conteúdo periodicamente", diz. Para não correr riscos, o ideal, de acordo com Carvalho, é abastecer o tanque com 1/4 de gasolina a cada 15 dias e usar o máximo possível do combustível nesse período.




Outra preocupação válida é com a suspensão do veículo, que vai ganhar um peso adicional de aproximadamente 60 kg com o cilindro (para carros de passeio). Gondim afirma que a melhor solução, para corrigir eventuais rebaixamentos, é colocar novas molas - e não calços, como muitos fazem. "Isso evita o desgaste prematuro dos amortecedores", explica. Um jogo de duas molas, segundo ele, custa entre R$ 350 a R$ 1.500, dependendo do modelo.




Por fim, um cuidado que merece destaque é com a fixação do cilindro na carroceria do carro. Marcílio Alves, gerente da J. Maurício, lembra que já fez serviço em vários veículos a gás que tiveram problema de ferrugem nos furos feitos para a instalação do kit. "Já consertei muito assoalho com esse problema e foi preciso refazer os furos", afirma.
Fonte: Mecânia Online
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas