FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Preço do gás natural não deve ser reduzido por decreto, diz ministro ao defender abertura de mercado
Publicado em 26/06/2019 às 08h09
O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta terça-feira (25) que o preço do gás natural não deve ser reduzido por decreto do governo.

Bento Albuquerque deu a declaração ao participar de uma audiência no Senado na qual defendeu a decisão do governo de abrir o mercado e, assim, tentar reduzir o preço do gás.

"Não é por decreto que vamos baixar os preços. Temos exemplos clássicos e recentes de quando tentaram fazer isso e o custo foi muito maior depois, a conta depois foi muito cara", declarou o ministro.

De acordo com a resolução aprovada pelo Conselho de Política Energética (CNPE) nesta segunda-feira (24):

a Petrobras deixará de controlar a venda de gás natural;
a União dará incentivos para os estados abrirem mão do monopólio de distribuição.

Segundo o secretário-executivo-adjunto do Ministério de Minas e Energia, Bruno Eustáquio, o conselho não pode fazer determinações à Petrobras, mas as ações previstas na resolução poderão ser concretizadas por meio de um termo de compromisso a ser assinado pela estatal e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Pelo acordo, a Petrobras deverá se comprometer a:

vender distribuidoras e transportadoras de gás natural;

abrir mão da exclusividade de uso da capacidade dos dutos.


Sem detalhar quais mudanças legais serão necessárias para o cumprimento do acordo, Bento Albuquerque afirmou aos senadores que o Poder Legislativo pode atuar para mudar:

o regime de outorga para transporte e estocagem de gás;

o acesso à infraestrutura de escoamento e processamento;

criar mecanismos para reduzir a concentração na oferta de gás natural.


Como a energia pode ficar mais barata-

O governo diz que, com a abertura do mercado, o preço do gás natural poderá cair e, consequentemente, o preço da energia elétrica. Isso porque parte das usinas térmicas usam o combustível para gerar eletricidade.

"O ´Novo Mercado de Gás´ visa promover a livre concorrência no mercado de gás do Brasil. Busca reduzir o preço da energia, permitir a reindustrialização do país e um desenvolvimento sustentável", afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

De acordo com o ministério, mais de 80% do gás natural são consumidos pela indústria e por usinas térmicas. Em março deste ano, por exemplo, os consumidores residenciais responderam por 1% da demanda, e os automóveis, 9%.
25/06/19
Laís Lis
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas