Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Brasil precisa de resultado concreto na queda do desmatamento, diz Mourão após reunião com empresários
Publicado em 10/07/2020 às 17h37
O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira que o principal problema levantado por empresários durante reunião por videoconferência sobre a política ambiental do governo é o desmatamento, e que a questão estará resolvida se o Brasil apresentar resultado concreto na proteção da floresta.

"O maior problema que foi expressado por todos é a questão do combate ao desmatamento. Na realidade, o que acontece, vamos ser muito claros: se nós apresentarmos resultados concretos de queda do desmatamento, está resolvido o problema. A coisa é simples", disse Mourão em entrevista a jornalistas após a reunião.

Participaram do encontro por videoconferência com o vice-presidente, que também é presidente do Conselho da Amazônia Legal, representantes de empresas como Natura, Suzano, Shell, Cargill, Marfrig, Itaú e Vale.

Estas e outras empresas pediram nesta semana, em carta enviada a Mourão, providências urgentes contra o desmatamento ilegal e alertaram contra o impacto que a questão ambiental tem na imagem e nos negócios do Brasil no exterior. [nL1N2EE10T]

Os números do desmatamento do mês de junho, revelados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta sexta, mostram que o desmatamento continua acelerando no país pelo 14º mês consecutivo. Em relação a junho de 2019, quando a retirada e mata nativa já havia batido recordes, o avanço foi de 10,7%.

Nos primeiros seis meses do ano, a área desflorestada cresceu 25%, chegando a 3.066 quilômetros quadrados.

Na véspera, Mourão participou de videoconferência com fundos de investimento estrangeiros, que também enviaram carta ao governo, por meio das embaixadas do Brasil, pedindo a abertura de um diálogo com o governo para tratar do desmatamento. [nL1N2EG1F0]
Lisandra Paraguassu
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas