Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Exportações brasileiras do agro batem novo recorde
Publicado em 17/06/2021 às 08h52
Foto Notícia
As exportações do agronegócio brasileiro permaneceram firmes e alcançaram US$ 13,9 bilhões em maio, 33,7% mais que no mesmo mês do ano passado, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura. Conforme a Pasta, foi um novo recorde para meses de maio, diretamente influenciado pelas elevadas cotações das commodities no mercado internacional.

Mesmo assim, e como já havia acontecido em abril - outro mês de recorde -, a participação do setor nas exportações totais do país caiu para 51,7%, ante 59,5% em maio de 2020. As importações do agro também aumentaram - 45,9%, para US$ 1,2 bilhão -, e com isso o superávit mensal setorial chegou a US$ 12,7 bilhões, com crescimento de 32,7%.

Os embarques de soja e derivados (farelo e óleo) se recuperaram definitivamente do ritmo lento do primeiro trimestre, provocado pelo atraso da colheita do grão nesta safra 2020/21, e registraram alta de 53,5% em maio, para US$ 8,3 bilhões. "O cenário internacional da soja em grão reflete baixos estoques americanos e elevadas aquisições chinesas. Esse panorama resultou em preços superiores a US$ 16 por bushel na bolsa de Chicago em maio, valor nominal mais alto desde setembro de 2012", informou o ministério.

No total, as exportações de soja em grão atingiram o recorde de 16,4 milhões de toneladas no mês passado (a China absorveu 11,2 milhões), 16,3% mais que em maio de 2020, e geraram US$ 7,3 bilhões (+ 56,3%).

Os embarques brasileiros de carnes (bovina, de frango e suína), por sua vez, chegaram a US$ 1,7 bilhão, 5% mais que um ano antes. Os embarques de carne bovina recuaram 6,9%, para US$ 724,3 milhões, por causa da queda das vendas à China - 16,3%, para US$ 343,2 milhões -, as de carne de frango aumentaram 20,1%, para US$ 642,8 milhões, e as de carne suína foram 11,2% maiores (US$ 251,4 milhões). Mesmo com a desaceleração das compras de carne bovina, a China continuou a ser o principal destino das exportações de carnes em geral do Brasil.

Entre os demais grupos de produtos mais exportados pelo agro brasileiro, os florestais registraram aumento de 22,8%, para US$ 1,3 bilhão, açúcar e etanol avançaram 16,3%, para US$ 899,3 milhões, e café caiu 8,5%, para US$ 474,2 milhões. No total, a China foi o destino de 45,8% da receita dos embarques do agronegócio brasileiro no mês de maio, ou US$ 6,4 bilhões.

Com os fortes aumentos de abril e maio, nos primeiros cinco meses do ano as exportações brasileiros do agro chegaram a US$ 50,2 bilhões, 21,9% mais que em igual intervalo do ano passado. As importações cresceram 15,1% na comparação, para US$ 6,2 bilhões, e assim o superávit foi 23% maior (US$ 44 bilhões).

De janeiro a maio os embarques de soja e derivados aumentaram 29,9%, para US$ 23,8 bilhões, os de carnes cresceram 5,7%, para US$ 7,3 bilhões, os de produtos florestais subiram 10,6%, para US$ 5,2 bilhões, os de açúcar e etanol registraram alta de 33,5%, para US$ 3,6 bilhões, e os de café foram 14,4% maiores (US$ 2,5 bilhões). No período, a China foi o destino de 39,6% das exportações totais do agro brasileiro (US$ 19,9 bilhões).
Fonte: Valor Econômico
Texto extraído do boletim SCA
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas