Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Novas geadas preocupam e impulsionam preços do açúcar nas bolsas internacionais
Publicado em 21/07/2021 às 08h05
Foto Notícia
O mercado futuro do açúcar viveu ontem (20) a expectativa de novos impactos de geadas em várias regiões produtoras de cana-de-açúcar, o que fez com que a commodity fechasse em alta em todos os lotes nas bolsas de Nova York e Londres.

Na região de Ribeirão Preto, maior produtora de cana do Brasil, os termômetros atingiram na madrugada de terça-feira 1ºC. Em Pradópolis os termômetros chegaram a incríveis -1,4ºC. Segundo especialistas em clima, estas temperaturas são as menores registradas na região em pelo menos duas décadas.

Os impactos das geadas, no entanto, só serão efetivamente computados dentro dos próximos dias. Mas os mercados já sentiram a pressão nesta terça-feira. Esta foi a quarta geada, só este ano, em algumas regiões.

Na ICE, de Nova York, o vencimento outubro/21 foi contratado a 17,41 centavos de dólar por libra-peso, alta de 34 pontos no comparativo com os preços da véspera. Já a tela março/22 fechou cotada a 17,86 cts/lb, alta, também, de 34 pontos. Os demais contratos fecharam em alta de 6 a 30 pontos.

Açúcar branco

Em Londres, o açúcar branco também fechou valorizado em todos os lotes ontem. A tela outubro/21 foi comercializada a US$ 449,30 a tonelada, valorização de 5,50 dólares. Já o vencimento dezembro/21 foi vendido a US$ 459,10 a tonelada, alta de 5,80 dólares. Os demais contratos fecharam valorizados entre 5,30 e 6,70 dólares.

Açúcar cristal

No mercado doméstico o açúcar cristal fechou em baixa nesta terça-feira pelo Indicador Cepea/Esalq, da USP. A saca de 50 quilos foi negociada ontem a R$ 116,55 alta de 0,29% no comparativo com os preços da véspera.

Etanol hidratado

O etanol hidratado fechou pelo terceiro dia seguido em queda pelo Indicador Diário Paulínia nesta terça-feira. O biocombustível foi negociado a R$ 3.002,00 o m³, contra R$ 3.019,50 o m³ da véspera, desvalorização de 0,58% no comparativo.
Rogério Mian
Fonte: Agência UDOP de Notícias
Copyright© 2008 - UDOP.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução, desde que citada a fonte.
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas