Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
OPEP fecha acordo para aumentar oferta de petróleo
Publicado em 21/07/2021 às 10h17
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados chegaram a um acordo no domingo (18) para aumentar a oferta, com o objetivo de esfriar os preços do petróleo em meio à recuperação econômica após a pandemia do coronavírus.

Na primavera de 2020, a aliança, conhecida como OPEP +, cortou a produção de petróleo em um recorde de 10 milhões de barris por dia, devido à queda dos preços causada pela pandemia. De lá para cá, o grupo vem restaurando gradativamente parte do abastecimento, de forma que agora os cortes restantes chegam a cerca de 5,8 milhões de barris por dia.

Na reunião deste domingo, a aliança concordou que iniciará aumentos coordenados na oferta de petróleo em agosto, após o que a produção total aumentará em 400 mil barris por dia por mês, conforme anunciado em um comunicado.

Assim, entre agosto e dezembro de 2021, a OPEP + aumentará a oferta em 2 milhões de barris por dia, com o objetivo de eliminar completamente os cortes por volta de setembro de 2022.

O grupo observa que a demanda global de petróleo mostrou "sinais claros de melhora e queda nos estoques da OCDE, à medida que a recuperação econômica continuou na maior parte do mundo", graças aos programas de vacinação acelerados.

O acordo segue um impasse nas negociações depois que os Emirados Árabes Unidos rejeitaram um plano de produção coordenado para a aliança liderada pela a Arábia Saudita. Em particular, os Emirados Árabes Unidos exigiram uma revisão da chamada linha de base -- a figura a partir da qual cortes ou aumentos de produção são calculados para países da OPEP + , antes de estender o acordo de fornecimento. Quanto maior a linha de base, mais petróleo um país pode produzir.

Para superar essa divergência -- que marcou a primeira cisão pública entre os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita -- a OPEP + concordou em novas cotas de produção para vários membros a partir de maio de 2022, incluindo Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Rússia, Kuwait e Iraque. A linha de base dos Emirados Árabes Unidos aumentará de 3,16 milhões de barris por dia para 3,5 milhões de barris por dia, embora abaixo dos 3,8 milhões inicialmente solicitados.

O ministro da Energia dos Emirados, Suhail Al Mazroui, expressou na declaração de abertura o apoio de Abu Dhabi ao acordo, indicando que seu país aprecia "o diálogo construtivo" que manteve com seu homólogo saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salmán, e com a OPEP. "Confirmo que os Emirados Árabes Unidos estão comprometidos com este grupo e sempre trabalharão com ele e dentro deste grupo para fazer o nosso melhor para alcançar o equilíbrio do mercado e ajudar a todos", afirmou o ministro, destacando a disposição de seu país em permanecer "um membro comprometido com a aliança da OPEP. "

Por sua vez, o ministro russo da Energia, Alexander Nóvak, expressou em uma declaração escrita ao ministro saudita que Moscou está pronta "para apoiar tudo o que você disser", informa a CNBC.

Por sua vez, o próprio Príncipe Abdulaziz se recusou a revelar mais detalhes sobre as negociações, chamando a construção de consensos uma "arte" e um "segredo de estado" que ele não deseja divulgar.

O petróleo tipo Brent aumentou 43% até agora neste ano e mais de 60% em relação ao mesmo período do ano passado. Muitos analistas esperam que o petróleo seja negociado em torno de US $ 80 o barril no segundo semestre de 2021.
Fonte: RT
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas