Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Rejeitado na Europa, carro a diesel volta a debate no Brasil; é retrocesso?
Publicado em 23/09/2021 às 10h41
Foto Notícia
Proibidos no Brasil desde 1976, os carros de passeio a diesel voltaram ao debate após o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) apresentar emenda parlamentar propondo a liberação da venda desse tipo de veículo no País.

A emenda de Kataguiri foi incluída na medida provisória, apresentada ao Congresso pelo governo federal, que autoriza a venda direta de etanol por produtores ou importadores aos postos, sem o intermédio obrigatório de uma distribuidora.

Atualmente, o comércio de veículos a diesel no território brasileiro é permitido apenas para utilitários, como caminhões e ônibus, além de modelos com tração 4x4 e reduzida ou primeira marcha encurtada. Kataguiri, por outro lado, alega que a proibição do diesel em automóveis "não mais se justifica".

"Diversos países usam o diesel para veículos de passeio, inclusive por conta de questões ambientais. Ademais, a autorização para o uso do diesel pode tornar o combustível mais barato, aliviando a presente crise inflacionária".

Contudo, de acordo com especialistas ouvidos por UOL Carros, além da própria Anfavea, a associação das montadoras, o que o deputado propõe já não faz sentido algum no momento em que os motores a diesel estão sendo gradualmente descontinuados na Europa, por conta das elevadas emissões de poluentes.

"A Anfavea entende que esta discussão sobre a liberação de automóveis a diesel no Brasil está totalmente fora da realidade dos tempos atuais. Enquanto o mundo discute a descarbonização dos transportes, através da aplicação de biocombustíveis, hidrogênio ou eletrificação, qualquer proposta de aumentar a participação de combustíveis fósseis na matriz energética brasileira é um enorme retrocesso", critica a associação.

Renato Romio, professor do Instituto Mauá de Tecnologia, explica que na década de 1970 o petróleo brasileiro não era adequado para a produção de óleo diesel - dessa forma, o combustível de origem fóssil precisava ser importado. Assim, se o diesel fosse liberado para modelos de passeio, poderia faltar para o transporte de mercadorias e encarecê-las.

"Se chegarmos a uma situação de equilíbrio a ponto de ser viável liberar diesel para automóveis, esse combustível teria de ter a mesma taxação da gasolina e do etanol. O cenário ficaria parecido com o da Europa, onde diesel e gasolina têm valores semelhantes", analisa Romio. Seguindo esse entendimento, a afirmação de Kim Kataguiri sobre o diesel ser um combustível mais barato não faria mais sentido.

Por que o motor a diesel está morrendo na Europa?

Em 2011, os motores a diesel chegaram a representar 60% das vendas de carros na Europa, mas esse número vem caindo ano após ano. Romio explica que, desde o escândalo do Dieselgate envolvendo a Volkswagen, que utilizou um software para ocultar as reais emissões do veículo, esse tipo de carro ficou mal visto pelos consumidores.

Sobretudo após o escândalo vir à tona, em 2015, as montadoras têm deixado de investir nesses motores em solo europeu, pressionadas pelos limites cada vez mais estritos em relação a poluentes.

"É preciso refletir se vale a pena aceitar esses carros aqui, uma vez que estarão defasados, sem investimento. Eles só serão autorizados na Europa por aproximadamente mais 15 anos. É realmente o momento de discutir isso para o Brasil? Seria uma forma de dar sobrevida às fábricas europeias de motores a diesel, mas elas também terão de ser adaptadas para a fabricação de carros elétricos", avalia o professor da Escola Politécnica da USP Marcelo Augusto Leal Alves.

Leal Alves aponta como uma opção interessante para o Brasil, quando o assunto é redução de emissões, baratear o etanol.

"Aqui, temos um biocombustível que é muito vantajoso em relação às emissões, que é o etanol. Todo carbono emitido na queima do álcool é recapturado no plantio da cana-de-açúcar. Isso sim seria uma alternativa interessante aos carros elétricos", analisa.

Em quanto tempo o motor diesel se paga?

Outro argumento comum entre os defensores dos carros de passeio a diesel é que os modelos movidos a esse combustível proporcionam menor consumo e maior autonomia. De acordo com Marcelo Augusto Leal Alves, a informação está correta, mas é preciso fazer uma análise.

"O carro a diesel é mais caro, porém tem uma vida útil mais longa e um motor mais econômico. No entanto, a pessoa teria de ficar muito tempo com esse veículo para a diferença se pagar."

Fizemos a conta, considerando o Jeep Renegade a diesel, autorizado a usar esse combustível por ser um jipe com tração 4x4.

O valor da versão Longitude Flex é de R$ 126.590, enquanto a mesma configuração a diesel e com tração nas quatro rodas sai por R$ 164.590 - uma diferença de R$ 38 mil. A versão Flex percorre 12 km com um litro de combustível na estrada, enquanto a diesel faz 13,6 km/l.

Considerando o preço médio da gasolina a R$ 6,07 e do diesel a R$ 4,70 (dados da Agência Nacional do Petróleo), uma pessoa que roda 1.000 km por mês economizaria R$ 139,68 a cada 30 dias. Seriam necessários 272 meses, ou 22 anos, para zerar a conta.
Fonte: BiodieselBR
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.