Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Após bater máxima de 4 anos e meio, contratos futuros do açúcar voltam a cair
Publicado em 13/10/2021 às 08h30
Foto Notícia
Os contratos futuros do açúcar fecharam em baixa nesta terça-feira (12) nas bolsas internacionais após baterem a máxima de quatro anos e meio na segunda-feira (11), impulsionados pela alta nos preços da energia e da gasolina no Brasil, o que leva as usinas, segundo analistas, a priorizarem a produção de etanol.

Ontem, os negócios na bolsa de Nova York foram tímidos, com o maior player do mercado mundial (Brasil) distante das negociações devido ao feriado nacional do Dia da Padroeira do País. Na ICE Future, o contrato para maio/22 fechou em 20,07 centavos de dólar por libra-peso, recuo de 26 pontos no comparativo com os preços do dia anterior. Já a tela maio/22 foi contratada a 19,62 cts/lb, 23 pontos a menos que a segunda-feira. Os demais lotes caíram entre 1 e 20 pontos, com exceção do lote outubro/23 que subiu 1 ponto.

Açúcar branco

Em Londres o açúcar branco fechou em baixa em todos os lotes da ICE Europe. O vencimento dezembro/21 foi comercializado em US$ 517,00 a tonelada, desvalorização de 4,90 dólares no comparativo com a véspera. Já a tela março/22 recuou 3,60 dólares, negociada em US$ 515,00 a tonelada. Os demais contratos caíram entre 1,30 e 3,30 dólares.

Açúcar cristal

Na última segunda-feira o açúcar cristal foi negociado em R$ 144,67 a saca de 50 quilos pelo Indicador Cepea/Esalq, da USP, pequena desvalorização de 0,10% no comparativo com os preços da véspera. Ontem, devido ao Feriado do Dia de Nossa Senhora, o mercado não funcionou.

Etanol hidratado

Pelo Indicador Diário Paulínia a segunda-feira (11) foi de valorização para o etanol hidratado, que fechou com pequena variação positiva de 0,04% no comparativo com os preços de sexta-feira. O biocombustível foi negociado a R$ 3.431,50 o m³, valorização de R$ 1,50 no comparativo.
Rogerio Mian
Fonte: Agência UDOP de Notícias
Copyright© 2008 - UDOP.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução, desde que citada a fonte.