Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Brasil lidera ritmo de alta de juros em 2021 e inflação entre as 3 maiores
Publicado em 03/12/2021 às 11h57
Foto Notícia
Apesar de muitos economistas questionarem que o BCB (Banco Central do Brasil) demorou para ver o risco de inflação e dar início ao ciclo de alta dos juros, a instituição brasileira é destaque entre as que reagiram de maneira mais rápida diante do cenário de aumento de preços em escala global.

Segundo dados coletados pelo BIS, o banco central dos bancos centrais, o BC brasileiro está entre as 14 autoridades, de um total de 32, que já começaram a elevar a taxa básica de juros para reverter parte do estímulo adotado durante a pandemia.

Números do BIS e de outros órgãos internacionais também mostram que o ritmo de alta dos juros brasileiros é o maior entre todos aqueles analisados e que o Brasil está entre as três economias com inflação mais elevada no acumulado em 12 meses (10,67%), atrás apenas de Argentina (52%) e Turquia (19,9%). O país também voltou a liderar o ranking de juros reais.

O BC do Brasil deve ser um dos que colocarão a taxa em patamar mais elevado em 2022, diante da decisão do governo federal de abandonar o teto de gastos para aumentar despesas no ano eleitoral, o que gerou depreciação adicional do câmbio.

Na próxima quarta-feira (8), o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC deve elevar a taxa básica de juros dos atuais 7,75% para pelo menos 9,25%, No começo de 2021, ela estava em 2%. A projeção é que fique próxima de 12% no ano que vem.

As incertezas provocadas pela pandemia levaram economistas do setor privado e os bancos centrais a projetarem desempenho pior para a atividade e melhor para a inflação em 2020 e 2021, o que abriu espaço para um forte movimento mundial de corte de juros.

Com isso, praticaram uma política monetária mais estimulativa que o necessário, segundo o economista José Márcio Camargo, professor da PUC-Rio e economista-chefe da Genial Investimentos. Ele ressalta que o BC brasileiro foi um dos primeiros a iniciar essa correção de rumo.

José Júlio Senna, pesquisador associado do FGV Ibre, afirma não ver exagero na ação dos bancos centrais durante a pandemia. Diz que a inflação continua sendo sistematicamente subavaliada, inclusive pelo setor privado, que chegou a avalizar a possibilidade de que os juros caíssem ainda mais no Brasil.

Para ele, o BC brasileiro poderia ter sido mais prudente no corte de juros, mas isso não evitaria o problema da alta inflação vivida hoje no país.

A taxa básica de juros brasileira (Selic) começou a subir em março, naquele que já é o maior aperto monetário em 2021 no grupo de países avaliado. O segundo maior ocorreu na Rússia, onde os juros foram de 4,25% para 7,50% ao ano desde março.

Antes da decretação da pandemia, sete desses países possuíam juros mais altos que os do Brasil na época (4,5% ao ano). Atualmente, somente Argentina (38%) e Turquia (16%) têm taxas maiores.

Considerando o juro real, descontada a projeção de inflação para os próximos 12 meses, o Brasil voltou a ser o líder mundial entre as economias analisadas (5,96% ao ano), segundo levantamento das instituições MoneYou e Infinity Asset Management feito no final de outubro. Hoje, já supera 6% e pode chegar a cerca de 7% em 2022.

José Márcio Camargo afirma que praticamente todos os países fizeram políticas monetárias e fiscais extremamente agressivas em 2020, e a demanda caiu menos do que o esperado. Isso gerou pressões inflacionárias que se somaram àquelas provocadas pela combinação de gargalos de oferta e choques de preços de commodities.

"Os economistas de modo geral e as autoridades monetárias do mundo todo erraram nas suas expectativas para inflação e crescimento em 2020 e 2021", afirma José Márcio Camargo. "Você acabou gerando uma inflação acima da meta praticamente no mundo inteiro, e os bancos centrais passaram a correr atrás."

José Júlio Senna afirma que a chamada "inflação da pandemia" é um fenômeno raro e difícil de ser previsto, o que explica os constantes erros de projeção, inclusive com os modelos do BC e de diversos outros analistas mostrando, no início do ano, que uma taxa menor de juros seria capaz de colocar a inflação na meta.

"O Banco Central errou? O mercado errou junto. Todo mundo errou. No mundo inteiro. Ninguém previu uma inflação desse jeito", afirma.

"Seria melhor começar a normalização de um patamar de juros mais alto, de 2,5% ou 3%, mas definitivamente não é isso que está fazendo a diferença", diz o economista, que destaca a piora no risco fiscal que contribuiu para piorar as expectativas de inflação.

José Márcio Camargo, da Genial Investimentos, diz que o BC brasileiro reconheceu mais rapidamente que havia reduzido os juros além de um patamar sustentável e começou a voltar com uma política monetária mais dura já em março deste ano. Naquele mesmo mês, Rússia e Turquia também reagiram, segundo os dados do BIS.

Ele afirma que a inflação atual não é apenas um choque de oferta. O aumento da demanda e a queda na oferta de bens geram pressões que devem ser revertidas, também, pela ação da política monetária. O tamanho do aperto necessário vai depender da capacidade de o governo federal recuperar a credibilidade abalada pela mudança no teto de gastos, o que ajudaria a reduzir a pressão gerada pelo câmbio.

Deixar de perseguir a meta de inflação de 3,5% em 2022 para evitar uma desaceleração maior da atividade, segundo José Márcio, levará o Brasil a repetir a experiência do final do governo Dilma Rousseff (2011-2016), quando o país entrou em uma das piores recessões da história.

"Validar uma aceleração inflacionária e uma política fiscal expansionista, em um momento como esse, é contratar uma recessão. O custo de uma política desse tipo é conhecido, é só olhar a história recente."

José Júlio Senna diz que o BC precisa controlar as expectativas, mas que um aperto exagerado terá um custo muito elevado para o crescimento e um ganho baixo em termos de inflação. Por exemplo, chegar aos mais de 13% ao ano projetados na curva de juros para 2022, acima da projeção de 11,5% na pesquisa Focus com o mercado, reduziria a inflação em cerca de 0,20 ponto percentual.

Ele lembra que a taxa real de juros já está elevada, em um mundo em que taxas negativas ainda são predominantes. Além disso, a economia já mostra sinais de estagnação e o Ibre prevê contração em 2022. "Forçar a mão no juro agora seria ganhar pouco na inflação e perder muito na atividade."

Apesar da expectativa de que o IPCA recue de aproximadamente 10% neste ano para cerca de 5% no próximo, o índice ainda ficará entre os três maiores globais, porém mais próximo de Índia e Rússia, segundo projeções coletadas pelo Banco Mundial.

O Banco Central dos EUA e Banco Central Europeu também já preparam a redução de estímulos, que nesses casos inclui a compra de ativos para injetar dinheiro na economia.
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas