Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Transição energética global causará sofrimento econômico de curto prazo, diz relatório
Publicado em 20/01/2022 às 15h33
A transição para a energia limpa, necessária para evitar que a temperatura suba rapidamente, pode reduzir em 2% o Produto Interno Bruto global até 2050, mas pode ser recuperável antes do final do século, disse um relatório da consultoria de recursos naturais Wood Mackenzie nesta quinta-feira.

Embora os investimentos em tecnologias como parques solares, eólicos e baterias avançadas gerem empregos, a transição também deve causar perda de empregos e receitas fiscais na produção de combustíveis fósseis, disse o relatório intitulado "Sem dor, sem ganho: as consequências econômicas da aceleração da transição energética".

"Não é de forma alguma uma maneira de dizer que não devemos buscar a transição ou retardá-la", disse Peter Martin, economista-chefe da WoodMac. "Essa dor no curto prazo será recompensada no longo prazo."

Os benefícios de limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius, conforme exigido pelas Nações Unidas, podem elevar o PIB global em 1,6% em 2050, segundo o relatório. Mas as ações necessárias para estimular a transição para evitar que as temperaturas ultrapassem esse nível podem cortar 3,6% do PIB em 2050, resultando em um impacto de 2%, de acordo com o documento.

Os impactos não serão sentidos de maneira uniforme. A China sentirá cerca de 27% do impacto econômico acumulado de 75 trilhões de dólares no PIB global até 2050, seguida por Estados Unidos, com cerca de 12%, Europa com 11% e Índia, cerca de 7%.

Economias ricas com mercados de capitais profundos que já possuem grandes investimentos em tecnologias de transição energética, ou uma propensão a investir em novas tecnologias, estarão melhor posicionadas.

Os benefícios econômicos da transição energética devem começar a aparecer depois de 2035 e a produção econômica perdida seria eventualmente recuperada antes do final do século, segundo o relatório.
Reuters
Texto extraído do portal Investing.com
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas