Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Contratos futuros do açúcar fecham em alta nas bolsas internacionais; dados divulgados pela UNICA influenciam os valores
Publicado em 29/04/2022 às 08h55
Foto Notícia
Os contratos futuros do açúcar fecharam nesta quinta-feira (29) em alta nas bolsas internacionais, dados divulgados pela União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA), mostraram que a moagem de cana do maior produtor, o Brasil, caiu acentuadamente na primeira quinzena de abril, influenciando os valores das cotações.

Na ICE Futures de Nova York o açúcar bruto fechou em alta em todos os seus lotes. O vencimento maio/22 foi contratado a 19,42 centavos de dólar por libra-peso, valorização de 4 pontos no comparativo. Já a tela julho/22 subiu 33 pontos, negociada a 19,23 cts/lb. Os demais lotes subiram entre 19 e 31 pontos.

Segundo à Reuters, a moagem de cana-de-açúcar do Centro-Sul do Brasil caiu 66,9% na primeira quinzena de abril em relação ao mesmo período do ano anterior, deixando o mercado com baixas expectativas.

Açúcar branco

Em Londres o açúcar branco fechou valorizado em todas as telas. O contrato agosto/22 foi contratado a US$ 527,50 a tonelada, valorização de 4,00 dólares no comparativo com o dia anterior. Já a tela outubro/22 subiu 2,80 dólares, negociada a US$ 518,70 a tonelada. Nos demais vencimentos a commodity fechou em alta entre 2,00 e 4,50 dólares.

Açúcar cristal

No mercado doméstico o açúcar cristal fechou em baixa pelo quarto dia seguido, segundo o Indicador Cepea/Esalq, da USP. A saca de 50 quilos foi negociada pelas usinas em R$ 135,46 contra R$ 136,94 da véspera, desvalorização de 1,08 % no comparativo entre os dias.

Etanol hidratado

O etanol hidratado fechou em baixa nesta quinta pelo Indicador Diário Paulínia. O biocombustível foi negociado pelas usinas a R$ 3.495,00 o m³, contra R$ 3.558,50 o m³, desvalorização de 1,78 % no comparativo.
Caroline Rocha
Fonte: Agência UDOP de Notícias
Copyright© 2008 - UDOP.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução, desde que citada a fonte.
Mais Lidas