Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Alimento ou energia?, por Arnaldo Jardim
Publicado em 13/05/2022 às 16h47
Foto Notícia
A Guerra no Leste Europeu retomou a discussão em torno da dependência do petróleo e da necessária transição para uma matriz energética com participação, cada vez maior, de energias renováveis -- isso assegurará resiliência à economia mundial.

Para isso, será necessário aumentar a produção de energia eólica, de energia solar (fotovoltaica) e, principalmente, de energia gerada a partir da biomassa, a chamada AGROENERGIA, como o Etanol e o Biodiesel. Porém, na transição para esse novo modelo, surge uma questão importante: aumentar a produção dos biocombustíveis pode comprometer a segurança alimentar?

O Brasil é o quinto maior país do mundo em extensão territorial, com 850 milhões de hectares - mais da metade ainda coberta com vegetação nativa. Utilizamos, para a produção de grãos, 70 milhões de hectares e, para a produção de biocombustíveis, outros 10 milhões. Se precisarmos aumentar a área plantada, estima-se que ainda haja um estoque de 36 milhões de hectares de pastagens degradadas que podem, facilmente, acomodar a expansão do cultivo por várias décadas.

Se não há concorrência por área, a produção vai muito bem. Segundo a Única (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), o Mix do setor Sucroenergético tem se mantido, constante, ao longo dos últimos 20 anos, numa média de 46% de açúcar e 54% de etanol, suficiente para atender o mercado interno e ainda ser o maior exportador mundial -- em 2020, foram 30,7 milhões de toneladas de açúcar exportadas principalmente para China, Argélia, Bangladesh e Índia.

Na Indústria de Óleos, ainda que o consumo do biodiesel tenha triplicado nos últimos 10 anos - de 2,4 para 6, 4 bilhões de litros-, a produção de óleo de soja saltou de 6 para quase 10 milhões de toneladas, atendendo adequadamente a demanda interna, que ,em 2021, foi de 9 milhões de toneladas. Não esquecendo, é claro, da expectativa de uma safra recorde, para 2022, de aproximadamente 259 milhões de toneladas de grãos.

Além disso, temos um potencial imenso de geração de energia a partir do biogás, pelo processo de biodigestão dos resíduos da produção agrícola, como a vinhaça. O biometano pode substituir até 70% de todo o óleo diesel consumido no Brasil, sem a utilização de um único hectare a mais.

Com extensas áreas agricultáveis e clima propício, temos uma clara vocação para a produção de energia a partir da biomassa. E os dados mostram que a maior inserção da agroenergia na matriz energética brasileira em nada prejudicará a participação do Brasil nesse esforço para alimentar a população mundial, que, em 2050, poderá chegar a 10 bilhões de pessoas.

É o Agro nos colocando na vanguarda da nova economia!!!!!!!!!


Arnaldo Jardim
Presidente da Frente pela Valorização do Setor Sucroenergético
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Últimos Artigos