Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Carro movido a eletricidade, esterco e hidrogênio bate recorde mundial de autonomia
O veículo foi modificado para combinar diferentes combustíveis e rodou por mais de 2 mil quilômetros sem precisar reabastecer em um autódromo da França
Publicado em 13/05/2022 às 09h01
Foto Notícia
Um carro elétrico modificado com uma célula de combustível alimentada por biomassa e hidrogênio quintuplicou a autonomia de fábrica e bateu um recorde mundial superior a 2.000 quilômetros. O feito foi promovido pela empresa ARM Engineering na última quarta-feira (11), no circuito de Albi, na França.

O carro escolhido foi um Renault Zoe -- veículo totalmente elétrico com autonomia de quase 400 km -- que recebeu melhorias para completar um trajeto de 2.055,68 quilômetros sem precisar reabastecer.

Para alcançar esta distância, o veículo utilizou uma carga completa de sua bateria e um tanque com 200 litros de G-H3 -- um biocombustível produzido a partir de esterco e hidrogênio -- que alimentava uma célula de combustível para gerar eletricidade.

O processo, idealizado pela francesa, permite utilizar o G-H3 para reformar o hidrogênio "e criar, assim, eletricidade para alimentar a bateria", segundo Marc Lambec, presidente da ARM Engineering.

Cinco pilotos se revezaram no volante do protótipo no circuito de Albi durante três dias, das 7h à meia-noite, para bater o recorde de distância de 1.360 km que pertencia a um Toyota Mirai nos Estados Unidos.

O mecanismo também é adaptável para um veículo com motor de combustão interna, como os carros movidos a combustíveis como gasolina e álcool. "Em um veículo térmico, o dispositivo permite reduzir em 80% as emissões de CO2 e suprimir as partículas finas", afirma Lambec.
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas