Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
Lira diz que projeto que limita ICMS sobre combustíveis e energia irá a plenário na semana que vem
Proposta classifica serviços como essenciais e indispensáveis e limita a 17% as alíquotas do ICMS, que é cobrado pelos Estados. Anúncio ocorre em meio a pressões para baixar preço da energia.
Publicado em 19/05/2022 às 16h29
Foto Notícia
O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira (19) que vai levar a plenário na próxima semana um projeto que limita a 17% a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é um tributo estadual, sobre combustíveis, energia, telecomunicações e transportes coletivos.

Lira fez o anúncio um dia após a Câmara aprovar a urgência do projeto, o que acelera a tramitação dele. Com isso, o texto pode ser votado diretamente no plenário da casa, ao invés de ser discutido antes nas comissões.

Pelo texto, os bens e serviços prestados por esses setores passam a ser classificados como essenciais e indispensáveis, o que afasta alíquotas mais elevadas do ICMS.

"Tem um projeto, que é o PLP 18, que estará na pauta da terça-feira da semana que vem, que esse plenário terá a oportunidade de realmente dar um passo decisivo para contribuir com o abuso dos impostos no que se refere a telecomunicações, energias, combustíveis e transportes", afirmou Lira.

"Aí, nós vamos ver num debate altivo, a participação tanto da Câmara quanto do Senado e de outros poderes, para que a gente desonere e diminua os impostos sobre esses setores que se tornarão essenciais, emendando uma lei de 1966. Aí teremos uma real clareza de quem quer diminuir preço de combustível, energia, transporte e telecomunicações no Brasil", acrescentou.

No ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ser inconstitucional a cobrança de alíquota de ICMS superior a 17% sobre as operações de fornecimento de energia elétrica e serviços de telecomunicação.

Em uma audiência pública na semana passada, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que o ICMS representa hoje 21,3% do valor das contas de luz, em média.

Segundo o autor da proposta, deputado Danilo Forte (União-CE), o projeto objetiva tornar mais efetivo a decisão do Supremo e estender o limite aos combustíveis e transportes coletivos.

"Além disso, é um projeto que faz justiça: hoje, no Brasil, não podemos mais tratar estes itens como se não fossem essenciais para a população´, afirmou o parlamentar.

O texto do projeto diz que: "para fins da incidência de impostos sobre a produção, a comercialização, a prestação de serviços ou a importação, os combustíveis, a energia elétrica, as comunicações e o transporte coletivo são considerados bens e serviços essenciais e indispensáveis, não podendo ser tratados como supérfluos".

Pressão

O anúncio de Lira de pautar o projeto para a próxima semana ocorre em ano eleitoral e em meio a pressão do Congresso sobre a Aneel e as distribuidoras de energia para conter os fortes reajustes nas contas de luz registrados recentemente.

No início do mês, a Câmara aprovou a urgência na tramitação de um projeto que suspende o reajuste médio de 24,88% autorizado para as tarifas da Enel, distribuidora que atende ao Ceará. Deputados querem estender essa medida para outras distribuidoras.

Os fortes reajustes deste ano são motivados por fatores como a alta da inflação, do dólar e dos combustíveis nos últimos meses. E também pelo pagamento de empréstimos feitos para parcelar os custos da crise energética.

Na terça (17), em discurso de despedida do cargo, o ex-diretor-geral da Aneel, André Pepitone, afirmou que, apesar de ser apontada como culpada pelos reajustes, não é a Aneel quem "crias as condições para esses aumentos".
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Notícias Relacionadas
Mais Lidas