Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Facebook
Instagram
Linkedin
Twitter
Youtube
Fale Conosco
MT tem perda irreversível de 4 milhões de toneladas em milho 2ª safra
A estiagem prolongada já afetou mais de 10% da produção de todo estado
Publicado em 19/05/2022 às 08h03
Foto Notícia
Os dados divulgados pela Aprosoja-MT foram coletados com os produtores associados de todo estado e já confirmaram perdas irreversíveis principalmente nas regiões oeste e sul do Mato Grosso

O milho segunda safra de Mato Grosso deve ter uma perda "irreversível" de aproximadamente 4 milhões de toneladas no ciclo de 2021/22, ante o potencial inicial, com a estiagem prolongada que já afetou mais de 10% da produção de todo estado, disse hoje (18) a associação de produtores Aprosoja-MT.

A safra do cereal foi estimada em 36 milhões de toneladas, informou a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso em nota, com base em relatório da equipe técnica da entidade.

A perspectiva da Aprosoja-MT é mais pessimista que a do Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária), divulgada no início deste mês, que cita produção de mais de 39 milhões de toneladas.

Segundo a associação, o volume ficou abaixo do esperado em razão de um menor volume de chuvas. "Algumas lavouras estão até 50 dias sem chuva significativa ou com um volume abaixo de 10 milímetros (mm)".

Os dados divulgados pela Aprosoja-MT foram coletados com os produtores associados de todo estado e que já confirmaram perdas irreversíveis principalmente nas regiões oeste e sul de Mato Grosso.

"Nosso trabalho em campo abrangeu centenas de produtores associados que nortearam nosso questionário confirmando as estimativas negativas para esta safra devido à seca", disse no comunicado o presidente da associação, Fernando Cadore.
Fonte: Forbes
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas