Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Caio Andrade nega recomendação do governo para mudar política de preços, diz Petrobras
Resposta foi dada pelo indicado à presidência da estatal em pergunta feita pelo Comitê de Elegibilidade (Celeg)
Publicado em 27/06/2022 às 10h53
Em ata da reunião do Comitê de Elegibilidade (Celeg) divulgada pela Petrobras, o indicado à presidência da estatal Caio Paes de Andrade negou ter recebido qualquer "orientação específica ou geral" do governo federal para mudar a política de preço dos combustíveis.

A declaração foi dada por escrito, após Andrade ter sido convidado para uma entrevista presencial com o Celeg e ter declinado do encontro. No entanto, ele aceitou responder perguntas enviadas pelo grupo.

Apesar do comunicado do executivo à companhia, na última quarta-feira (22) o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se eleito, Caio Paes de Andrade iria mudar os diretores da Petrobras para dar uma "nova dinâmica" à empresa e alterar a política de paridade de preços de importação "se for o caso".

Por 3 a 1, Caio Paes de Andrade recebeu aval do Celeg

A resposta de Caio Paes de Andrade foi narrada na reunião do Comitê de Elegibilidade dessa sexta-feira (24), quando houve o aval para a eleição dele ao comando da empresa.

Foram três votos favoráveis e um contrário, vindo do presidente do Celeg, Francisco Petros, representante de acionistas minoritários.

"Em relação à capacidade de gestão do candidato, com o devido respeito, não encontrei nos documentos disponibilizados o respaldo que me permita formar uma convicção favorável ao candidato", disse Petros.

O conselheiro apontou que Andrade é formado em comunicação social, área não vinculada à atuação da Petrobras. Além disso, apontou que a experiência do candidato foi em empresas com menor complexidade que a estatal.

Antes da análise, o gerente executivo de Recursos Humanos da Petrobras, Juliano Mesquita Loureiro, apontou que a formação não seria um impeditivo final, já que a legislação permite uma análise caso a caso.

Também foi levantado que Andrade não tem os dez anos de experiência em liderança, preferencialmente, no negócio ou área correlata. Os outros três membros do Celeg entenderam que a palavra "preferencialmente" também não vedaria o nome do indicado.

Com o aval do comitê, nesta segunda-feira pela manhã (27), o Conselho de Administração vai decidir se elege Caio Paes Andrade o novo presidente da estatal. A posse pode acontecer já no período da tarde.
Fonte: CNN Brasil
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas