Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Fronteira Brasil-Argentina: espera de vistoria sobe de 24 h para 20 dias
Entrada passou a enfrentar fila em função de mobilização dos auditores fiscais da Receita Federal
Publicado em 04/07/2022 às 09h40
A entrada de declarações de importação e vistoria de mercadorias na fronteira do Brasil com a Argentina, que demoravam em média 24 horas, passaram a enfrentar agora uma fila de espera de em torno de 20 dias em função da operação-padrão dos auditores fiscais da Receita Federal.

As informações são do Sindifisco Nacional e mostram-se pouco ou nada promissoras, especialmente para as empresas importadoras de máquinas agrícolas -- cujo setor começa a se preparar para começar a plantar a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas em setembro e outubro -- e também para as importações de veículos e autopeças.

A mobilização dos servidores de campo da Receita Federal, que vem acontecendo desde dezembro de 2021, tem afetado diretamente a importação de autopeças, veículos e maquinários agrícolas que entram no Brasil, vindos da Argentina, pela fronteira do Rio Grande do Sul.

Operação padrão na fronteira

Para alongar o rosário de preocupações dos agentes importadores e dos consumidores desses produtos e máquinas, o Sindifisco adianta que a operação padrão não tem data para acabar, pois as negociações com o governo federal sobre os pleitos da categoria são inexistentes.

Reivindicações dos auditores

Os auditores aderiram à operação padrão com o objetivo de levar o governo federal a abrir agenda para negociar os servidores os pleitos da categoria. Entre as reivindicações estão a recomposição do quadro de auditores, que, segundo o Sindifisco, nos últimos anos foi reduzido à metade na esteira de um corte de 50% no Orçamento da Receita.

Eles também reclamam a falta de regulamentação da lei 13.464/2017. A referida lei altera a remuneração de servidores de ex-territórios e de servidores públicos federais, reorganiza cargos e carreiras e estabelece regras de incorporação de gratificação de desempenho a aposentadorias e pensões.

Sindifisco

O presidente do Sindifisco Nacional, Isac Falcão, afirma que os atrasos na fronteira ocorrem em razão da falta de auditores fiscais. A análise dos produtos pelos profissionais ocorria em torno de 24 horas, hoje demora por volta de 20 dias nas aduanas das cidades de São Borja e Uruguaiana.

"Para termos uma fiscalização efetiva, precisamos trabalhar dentro de dois eixos: segurança e agilidade. Antes da operação-padrão o foco era a agilidade, pois temos uma falta crônica e absurda de auditores nas aduanas. Mas chegamos a um momento tão crítico que o descaso com a Receita Federal passou a afetar a segurança nacional", afirma Falcão.

"Quem não protege suas fronteiras, não protege seu país. A Receita Federal está à míngua e não vemos qualquer movimento do governo federal para reparar essa situação. Sem a fiscalização adequada, temos a entrada de todo o tipo de ilícitos, além de uma porta aberta para a concorrência desleal, que afeta diretamente os resultados econômicos da indústria e do comércio nacionais", complementa Falcão.
Fonte: Estadão Conteúdo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas