Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Mergulham os preços do petróleo - Por: Celso Ming
Publicado em 05/08/2022 às 08h33
Foto Notícia
Em apenas dois meses, as cotações do petróleo despencaram dos quase US$ 120 por barril para US$ 94 no fechamento do mercado desta quinta-feira. Uma queda de quase 20%. Dependendo de quanto ainda vier a ser esse tombo, o impacto sobre a inflação do mundo e do Brasil poderá ser relevante.

Quatro são os fatores responsáveis por essa baixa. O primeiro deles é a perspectiva de recessão da economia dos países líderes. Estados Unidos e Europa começaram o contra-ataque à inflação, de 9,1% e 8,6% em 12 meses, respectivamente, tal como contabilizada em junho. Os grandes bancos centrais trataram de puxar pelos juros de maneira a restringir a demanda. E, de quebra, os governos trabalharam na direção da regularização da oferta de petróleo e de alimentos, os principais itens que pesam sobre a inflação.

O segundo fator é a existência de estoques altos demais, formados pelos governos e setor produtivo privado para assegurar a segurança energética.

Terceiro fator: diante dos cortes no fornecimento de gás pela Rússia, como reação às sanções pela guerra na Ucrânia, os governos da União Europeia trataram de reequacionar a oferta de energia por outros meios. A Alemanha, por exemplo, prepara o prolongamento do funcionamento de suas usinas nucleares que deveriam ser desativadas ainda neste ano. E tem mais o efeito do calor tórrido deste verão na Europa. Novas decisões dos governos da área vêm apressando a substituição dos combustíveis fósseis por fontes limpas, fator de longo prazo que, no entanto, pode ter alguma influência imediata sobre os preços do barril.

Não dá para cravar a tendência de baixa nem o real comportamento do mercado porque as incertezas são enormes. Muitos fatores podem acentuar ou virar de repente o mercado. Não há segurança sobre a trajetória dos juros determinada pelos bancos centrais. A guerra, um dos principais causadores da alta anterior, não tem prazo para acabar. Não se sabe qual será a intensidade do inverno no Hemisfério Norte, de modo a pré-avaliar o consumo de combustíveis destinados ao aquecimento. Também não se sabe até onde pode ir a desaceleração da economia da China, que vem dando prioridade ao combate à covid-19. E ignora-se qual será a disposição do cartel da Opep de manter ou apertar a oferta de petróleo e derivados.

Nesta sexta-feira, a Petrobras reduziu em R$ 0,20 (3,5%) o preço do litro do óleo diesel nas suas refinarias. É indicação de que a persistência da queda de preços dos combustíveis pode ajudar a derrubar a inflação no Brasil e no mundo.

E, se confirmada a antecipação da transição energética para combustíveis limpos, os investimentos pelas petroleiras globais podem cair ainda mais.
Celso Ming
Fonte: O Estado de S. Paulo
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Mais Lidas