Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Ao continuar navegando
você concorda com nossa política de privacidade. Política de Privacidade

Pessimista com futuro do frete, setor de transporte sofre para repassar custo do diesel
Publicado em 05/08/2022 às 16h03
Foto Notícia
O setor de transporte rodoviário do Brasil voltou a ficar mais pessimista com futuro do valor do frete que pode ser cobrado dos clientes, enquanto o diesel, principal custo dos caminhoneiros, segue com valores elevados, de acordo com avaliação da associação NTC&Logística, que divulgou nesta quinta-feira uma pesquisa junto aos seus filiados.

Para 41% dos 324 empresários do setor ouvidos, o valor do frete vai piorar, enquanto nos últimos dois levantamentos semestrais a parcela mais pessimista era de pouco mais de um terço dos entrevistados.

A sondagem ainda apontou que 33% acreditam em uma estabilidade do frete e 27% esperam uma melhora, com o setor tentando repassar os custos maiores, que não se limitam somente ao diesel, mas incluem gastos com mão de obra e com os veículos.

"Mais uma vez, alertamos aos transportadores e aos embarcadores que acertem o repasse destes valores que, infelizmente, são muitos e altos, para que seja mantido o equilíbrio do mercado do transporte rodoviário de carga", disse o presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, à Reuters.

A sondagem foi divulgada no mesmo dia em que a Petrobras anunciou a primeira redução no preço do diesel em mais de um ano, seguindo as cotações de petróleo, que vêm caindo devido a preocupações com uma recessão global.

Ainda assim, após a redução, o combustível mais vendido do Brasil será comercializado nas refinarias da Petrobras pelo dobro do valor visto em 1º de maio de 2021, quando a empresa havia feito a última redução.

Desde que entraram em vigor as mais recentes desonerações tributárias, ao final de junho, o valor do diesel recuou apenas 2% nos postos, segundo pesquisa da ANP.

As reduções de impostos tiveram maior efeito para gasolina, cujas alíquotas do ICMS eram maiores que o teto estabelecido de 18% pela lei, diferentemente das do diesel, que eram menores, o que limitou o efeito da desoneração.

O presidente da NTC disse que o setor vê com "bastante preocupação" a situação do diesel, "uma vez que as reduções informadas não atingiram ainda o segmento".

Ele defendeu maior previsibilidade do aumento do diesel para que as empresas possam se programar.

A pesquisa apontou ainda que 45% dos integrantes do setor disseram estar "pior do que antes", versus patamar de 38% em janeiro. Dos entrevistados, 55% disseram que recebem abaixo do custo NTC, enquanto 19% tiveram diminuição do faturamento.

A associação ainda estimou uma defasagem média de 13,8% no valor do frete rodoviário, diante de custos crescentes, uma vez que os reajustes médios apurados na pesquisa semestral foram de 6,5%, índice relativamente baixo para fazer frente à variação do diesel, que subiu muito mais.
Roberto Samora
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Mais Lidas